Mundo

28/02/2020 | domtotal.com

Com promessa de indenização a afrodescendentes, Tom Steyer irrompe nas primárias

Na Carolina do Sul, o magnata já é um dos líderes nas pesquisas eleitorais

Pré-candidato democrata Tom Steyer, em encontro em Myrtle Beach, na Carolina do Sul, em 26 de fevereiro de 2020
Pré-candidato democrata Tom Steyer, em encontro em Myrtle Beach, na Carolina do Sul, em 26 de fevereiro de 2020 (AFP/Arquivos)

A Carolina do Sul tem uma história complexa, com um passado ligado à escravidão até o início do século XIX. Agora, um pré-candidato democrata quase desconhecido ganha popularidade neste estado do sudeste dos Estados Unidos com a promessa de indenizar os descendentes dos africanos levados como escravos para o país.

Um ex-investidor da Califórnia que se transformou em filantropo e ativista ambiental, o bilionário Tom Steyer gastou milhões de dólares apenas na Carolina do Sul. A maioria dos recursos foi gasta em anúncios que inundam a televisão.

Suas principais promessas de campanha são lutar contra a mudança climática e indenizar os descendentes de escravos. Entre outras medidas, propõe financiar universidades de comunidades negras historicamente marginalizadas.

Em um restaurante mexicano em Myrtle Beach, Steyer fazia, essa semana, uma de suas últimas paradas antes das primárias de sábado (29), quando será possível medir, pela primeira vez, o sentimento do eleitoral afro-americano em relação aos candidatos democratas.

"Tem que dizer a verdade sobre o que aconteceu", disse o pré-candidato, que vestia sua característica camisa azul de mangas dobradas. "Tem que reparar o que se fez e avançar juntos", completou. Ele insistiu que, enquanto o país não abordar, com franqueza, seu "subtexto racial" e oferecer as mesmas oportunidades para todos, não poderá avançar. Um público diverso de cerca de 100 pessoas aplaudiu com entusiasmo.

"Ele traz algo novo", disse Teresa Skinner, uma enfermeira de 51 anos. "É algo iluminador. Ele vem de outro lugar. Ele vem como um indivíduo que quer que sejamos melhor do que somos. Agora somos uma nação muito dividida".

Esta semana, Steyer divulgou um vídeo, cujas imagens mostram uma ilustração dos horrores da tortura sofrida pelos escravos, enquanto um narrador diz: "Durante 400 anos, este país construiu um sistema racista que se beneficiou das costas de corpos negros presos. É hora de reparar".

O resultado é que este progressista desconhecido no restante do país é um dos candidatos líderes nas pesquisas na Carolina do Sul, atrás do ex-vice-presidente Joe Biden e do progressista Bernie Sanders.

Um tema debatido

Sua popularidade "se deve, principalmente, ao fato de Tom Steyer estar adotando uma posição muito agressiva em relação às indenizações para os afro-americanos. É um tema em que os demais candidatos não estão tocando", disse Robert Greene, professor de História da Universidade de Claflin e especialista em assuntos afro-americanos.

E a votação na Carolina do Sul, estado onde 60% dos democratas são negros, pode influenciar a decisão dos afro-americanos em nível nacional, completou Greene.

O tema das indenizações não é por acaso. É uma questão debatida há décadas no país e que vem se tornando um movimento. Em abril, os estudantes da Universidade Georgetown, em Washington, votaram a favor de se criar um fundo para indenizar os descendentes dos 272 escravos vendidos pela escola jesuíta para financiar suas operações em 1838. E, entre 2019 e 2018, pelo menos outras duas instituições de ensino no país também criaram fundos destinados a refazer seus vínculos com a escravidão.

Ama Saran, uma aposentada afro-americana que votará em Biden, é cética quanto à proposta, embora reconheça seu valor. Reparar "é importante, acho que é algo que tem que estudar, mas teria que planejar bem isso, porque há muitas diferenças em relação a quem mereceria indenização", comentou.

Já os demais pré-candidatos democratas disseram que, se ganharem, vão estabelecer, com muito empenho, uma comissão para analisar a ideia, mas não fazem do tema um assunto de campanha.

Compra de votos?

Os críticos de Steyer argumentam que ele, assim como o bilionário Michael Bloomberg, está "comprando" as eleições com seus recursos sem fundo.

"O que está acontecendo é que Steyer gastou centenas de milhões, dezenas de milhões de dólares, milhões de dólares, para fazer campanha lá", disse Biden ao canal CBS, ao ser questionado sobre o motivo de sua vantagem na Carolina do Sul ter diminuído tanto nas últimas semanas.

Brady Quirk-Garvan - que era presidente do Partido Democrata no condado de Charleston, mas renunciou para apoiar Cory Booker (já fora da corrida) - comentou que não está "impressionado" com Steyer e seus gastos exorbitantes. "Não poderia apoiá-lo, porque me preocupa profundamente a forma como está fazendo campanha e comprando o apoio dos legisladores", comentou, em conversa.

Steyer insiste em que sua popularidade não se deve ao dinheiro, mas à sua mensagem. De fato - diz seu porta-voz, Alberto Lammers, em entrevista em seu QG de campanha en Charleston -, teve de investir uma grande soma para se tornar conhecido, porque não vem da política.

"Mas, se você diz que está comprando a eleição, está, na verdade, insultando os eleitores", afirmou Lammers. "Os votos não estão à venda. O que está ressoando é sua mensagem, e as pessoas estão respondendo a ele", defendeu.


AFP/Dom Total



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.
EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!