Brasil

09/03/2020 | domtotal.com

Chuvas criam marca duradoura de destruição no Sudeste

Mesmo após a estiagem, as histórias se repetem: o desafio agora é superar a perda de parentes, da casa ou do ganha-pão, levados nas enchentes ou nos deslizamentos

Neste verão foram pelo menos 164 mortes - praticamente o dobro do que foi registrado no ano anterior
Neste verão foram pelo menos 164 mortes - praticamente o dobro do que foi registrado no ano anterior (FABRÍCIO COSTA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO)

Para muitos dos que sobreviveram aos temporais que caíram no Sudeste neste verão, a chuva ainda não acabou. Mesmo após a estiagem, as histórias se repetem: o desafio agora é superar a perda de parentes, da casa ou do ganha-pão, levados nas enchentes ou nos deslizamentos.

Os números ilustram o tamanho da tragédia: neste verão foram pelo menos 164 mortes - praticamente o dobro do que foi registrado no ano anterior.

O total de desabrigados passa de 87 mil. Nesta semana, a Baixada Santista entrou na lista. Até este domingo, os bombeiros já haviam encontrado 42 corpos em Guarujá, Santos e São Vicente. Outros 36 continuam desaparecidos, conforme a Defesa Civil Estadual. A maioria das vítimas foi soterrada em deslizamentos em áreas de risco.

O Estado de São Paulo, por exemplo, tem mapeadas 665 áreas de risco para desastres naturais. Esses locais estão distribuídos em 313 dos 645 municípios paulistas, de acordo com a Defesa Civil.

Segundo especialistas, a tendência é de que as chuvas extremas e os desastres relacionados aos temporais fiquem cada vez mais comuns, diante das mudanças climáticas e de problemas urbanísticos das grandes cidades, como pouca permeabilidade do solo e sistemas de drenagem ineficientes.

"A prioridade zero é haver mudança de mentalidade, tanto por parte do poder público e agentes privados quanto da sociedade em geral", diz Valter Caldana, professor de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Mackenzie. Para ele, é preciso investir em saneamento e mais áreas verdes. "A arborização não é só enfeite. Muda completamente o clima, altera a velocidade das águas (por ser permeável) e baixa a temperatura."

Para Álvaro Rodrigues, ex-diretor do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), é preciso apostar em moradia popular. "A população pobre hoje é empurrada para áreas de risco, onde vai encontrar um metro quadrado em condições de ser comprado ou alugado barato", diz.


Agência Estado



Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.
EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!