Brasil

19/03/2020 | domtotal.com

Eduardo Bolsonaro posta fake news sobre China e embaixada retruca: 'contraiu vírus mental'

Deputado culpou o regime chinês por ter criado a pandemia. Rodrigo Maia pediu desculpas ao principal parceiro comercial do Brasil

“As suas palavras são um insulto maléfico contra a China e o povo chinês”, disse o embaixador. A China é o principal parceiro comercial do Brasil.
“As suas palavras são um insulto maléfico contra a China e o povo chinês”, disse o embaixador. A China é o principal parceiro comercial do Brasil. (Cleia Viana/Câmara dos Deputados)

Em meio à crise provocada pela epidemia de coronavírus, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, abriu mais uma frente de batalha para o governo, desta vez com a China, maior parceiro comercial brasileiro, ao acusar o governo chinês de ser o responsável pela pandemia ao esconder informações.

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, usou as redes sociais nesta quarta-feira (18) para exigir retratação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que mais cedo postou mensagem em que culpa o país pela pandemia do novo coronavírus. O representante de Pequim disse que o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) feriu a relação amistosa com o Brasil e “precisa assumir todas as suas consequências”.

O embaixador publicou uma sequência de mensagens em que repudia a atitude do filho do presidente Jair Bolsonaro e menciona o chanceler Ernesto Araújo e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). “As suas palavras são um insulto maléfico contra a China e o povo chinês”, disse o embaixador. A China é o principal parceiro comercial do Brasil.

Em postagem no Twitter, Eduardo Bolsonaro republicou a mensagem de outro usuário que escrevera: “A culpa pela pandemia de coronavírus no mundo tem nome e sobrenome. É do Partido Comunista Chinês”. O parlamentar ainda acrescentou uma comparação com o desastre nuclear de Chernobyl e disse que o governo de Xi Jinping, chamado por ele de “ditadura”, escondeu a epidemia.

“Quem assistiu (sic) Chernobyl (filme sobre o desastre nuclear) vai entender o que ocorreu. Substitua a usina nuclear pelo coronavírus e a ditadura soviética pela chinesa. Mais uma vez uma ditadura preferiu esconder algo grave a expor tendo desgaste mas que salvaria inúmeras vidas. A culpa é da China e liberdade seria a solução”, escreveu o deputado.

Eduardo preside a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados e tem influência direta na condução da política externa brasileira. Eduardo é declaradamente fã do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump que também havia se referido ao coronavírus como “vírus chinês”.

O perfil oficial da embaixada chinesa no Twitter também protestou contra o filho do presidente: “As suas palavras são extremamente irresponsáveis e nos soam familiares. Não deixam de ser uma imitação dos seus queridos amigos. Ao voltar de Miami, contraiu, infelizmente, vírus mental, que está infectando a amizade entre os nossos povos”.

Maia pede desculpas

O embaixador chinês marcou em seus posts a Câmara dos Deputados, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Em um segundo texto, exige que Eduardo "retire imediatamente" suas palavras e peça desculpas ao povo chinês, além de avisar que irá protestar junto ao Itamaraty.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu desculpas à China e ao embaixador do país no Brasil, Yang Wanming, pelo que chamou de "palavras irrefletidas" do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

"A atitude não condiz com a importância da parceria estratégica Brasil-China e com os ritos da diplomacia", escreveu Maia no Twitter, no início da madrugada desta quinta-feira (19). "Em nome de meus colegas, reitero os laços de fraternidade entre nossos dois países. Torço para que, em breve, possamos sair da atual crise ainda mais fortes."


Reuters, Agência Estado e DomTotal



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!