Religião

19/06/2020 | domtotal.com

Esperança confiante: a atualidade da profecia de Isaías

Pelo batismo somos chamados a denunciar os falsos profetas que negociam a fé

Isaías convida à conversão do coração, que se deixe o caminho da injustiça
Isaías convida à conversão do coração, que se deixe o caminho da injustiça (Pixabay)

Randall Olivio Zuliani Resende*

Em um contexto de guerras e brigas pelo poder, o profeta Isaías vem falar de Deus de uma forma um pouco diferente dos profetas Amós e Oseias, seus contemporâneos. Ele não chama o povo abertamente à conversão, mas aponta a raiz dos problemas, seus causadores e quem são os oprimidos. A partir da experiência que fez com Deus, Isaías interpreta sua vida e a da comunidade.

Leia também:

Os reis, que deveriam guiar seu povo, enxergar, promover e decidir sobre a vontade de Deus, levam-no à infidelidade através de acordos políticos, injustiças que promovem ou que acobertam. Isaías fala com o rei Acaz por duas vezes, mas este não o ouve, não protege seu povo e, ao contrário, faz um pacto de vassalagem com a Assíria, deixando clara sua falta de fé em Javé. Isaías observa que todo sistema é corrupto, que a corrupção está no coração do ser humano e nas estruturas sociais.

Mesmo em meio a tantos problemas, injustiças e corrupções, com os poderosos sufocando os mais pobres, tirando a sua dignidade, Isaias ainda consegue ver esperança: Deus vem ao encontro de seu povo. Mesmo sem esperar uma verdadeira conversão, quer perdoa-lo. Para isso é necessário mexer em toda a estrutura social, prometendo a vinda de um rei justo. "Eis que a jovem está gravida e dará à luz a um filho e dar-lhe á o nome de Emanuel" (Is 7,14).

Olhando para os nossos dias, percebemos o quanto a Palavra de Deus é viva e atual: o cenário político mais uma vez se mostra corrompido, mais uma vez vemos inúmeras injustiças. Como no tempo de Isaías, somos chamados a ter esperança. Os que temos fé devemos colocar novamente Deus no centro de nossas vidas; nossas catequeses devem experimentar um encontro verdadeiro com Jesus, para, a partir disso, criarmos pessoas com valores, que não pensam somente no lucro, no ter, e sim no ser. Seria isso uma utopia?

O desafio é como levar Jesus a essas pessoas, como fazer com que elas façam uma experiência verdadeira de fé, trazer de volta aquela comunidade do início do cristianismo, onde tudo era colocado em comum (At 2,42-44).

Como o profeta Isaías, que se recusava a fazer guerra para conseguir liberdade, nós também temos que recusar. Precisamos eleger políticos honestos, propor e fazer políticas públicas que olhem os mais necessitados e assim conseguiremos levar a justiça e o direito a todos.

Pelo nosso batismo, recebemos a missão de ajudar na construção do Reino de Deus, denunciando as injustiças, criando oportunidade aos oprimidos de nosso tempo, fortalecendo a educação, dando condições dignas para professores e alunos. Somos chamados a denunciar os falsos profetas que negociam a fé.

Isaías exortava o povo a ficar tranquilo e a confiar no Senhor. Em meio a uma pandemia, não apenas de um vírus, mas também da injustiça, a nossa esperança e o nosso coração têm que estar voltados para Deus. Somente um coração voltado para o Senhor é capaz de derrubar as injustiças e as idolatrias desse mundo.

*Randall Olivio Zuliani Resende é aluno do curso de Teologia, da PUC-MG, campus Uberlândia



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!