Ciência e Tecnologia

18/06/2020 | domtotal.com

Durante pandemia plástico de uso único volta a ganhar força

Máscaras, visores, luvas e aventais descartáveis são os novos acessórios do momento

A volta do plástico com a pandemia
A volta do plástico com a pandemia (AFP/Arquivos)

Máscaras para cobrir o rosto, ou cubículos de plástico para restaurantes. O plástico de uso único, ao qual o mundo havia declarado guerra, volta a ganhar força em virtude da pandemia de coronavírus.

Uma praga para mares e oceanos, estas máscaras, luvas e outras embalagens representam, porém, apenas uma pequena parte da indústria do plástico, em crescimento constante.

 O boom do plástico

No novo mundo, as máscaras, visores e luvas são os novos acessórios da moda. Os cabeleireiros usam aventais descartáveis, a ONU recomenda as companhias aéreas que cubram seus pratos de comida com filme de plástico transparente e, nos lares para idosos, são usadas telas protetoras do mesmo material durante as visitas.

A Califórnia suspendeu a proibição de usar sacolas de uso único por dois meses e, na Arábia Saudita, alguns supermercados impõem a seus clientes o uso de luvas descartáveis.

O setor industrial aproveitou a chance. Nos Estados Unidos, a Plastics Industry Association pediu em 20 de março que sua atividade fosse considerada "essencial" em tempos de confinamento.

"O plástico de uso único é uma questão de vida, ou morte" nos hospitais, escreveu Tony Radoszewski, presidente desse grupo de pressão, que também destacou o papel das sacolas de uso único para "proteger funcionários de supermercado e consumidores".

Não é proteção total

O plástico não é, porém, uma proteção absoluta. Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), lavar as mãos é mais eficaz do que usar luvas. 

Segundo um estudo publicado na revista americana NEJM, o coronavírus sobrevive até dois, ou três, dias no plástico e 24 horas no papelão. "Para fins médicos, não há nada melhor do que o uso único. Mas querem nos fazer acreditar que é uma boa resposta para o consumo diário. É um grupo de pressão. O plástico reutilizável não traz um problema de saúde", insiste Raphaël Guastavi, da Agência Francesa de Gestão da Energia (Ademe), que vê com bons olhos que "os representantes europeus não queiram ceder" à pressão.

O Quênia tampouco. Desde junho, o país africano proibiu todos os plásticos de uso único, incluindo as garrafas de água, nas zonas protegidas.

Rejeitos

Desde a pandemia da Covid-19, veem-se máscaras e luvas na calçadas e nas praias, de Hong Kong a Gaza.

A ONG World Wide Fund (WWF) pede vigilância. Em 2019, já havia estimado que 600 mil toneladas de plástico estavam sendo lançadas no Mediterrâneo, 40% delas no verão. "Parecia que estava ganha a batalha cultural contra o plástico de uso único. Hoje se abriu uma brecha e temos de responder a ela", convocou Pierre Cannet, do WWF-França.

"Não é fácil reciclar uma máscara. A abordagem geral dos governos é colocá-las junto com os resíduos domésticos para sua incineração, o que nos parece a melhor" opção, diz Arnaud Brunet, do Escritório de Reciclagem Internacional (BIR), que reúne profissionais de 70 países.

"Veremos qual é a prática no longo prazo. Talvez possamos imaginar uma coleta particular, ou nas farmácias, mas ainda não chegamos a isso", reconheceu.

 Tempos difíceis para o plástico reciclado

E, como se não bastasse, este período é menos favorável para o plástico reciclável. A UE tem como objetivo que, em 2025, as garrafas de plástico sejam fabricadas com 25% de material reciclado, e 30%, até 2030. "A Covid não põe em xeque a estratégia de avançar para uma economia circular e mais reciclável", garante Eric Quenet, da federação PlasticsEurope.

Mas a queda dos preços do petróleo, à qual se soma uma redução da demanda, pode pesar na reciclagem, enquanto o peso do plástico virgem caiu significativamente.

Uma gota d'água para a indústria

Anualmente, são produzidas cerca de 350 milhões de toneladas de plásticos em todo mundo, principalmente na Ásia (50%), na América do Norte (19%) e na Europa (16%), com um crescimento moderado, mas constante da produção.

A demanda do mercado da proteção (máscaras, aventais, telas) aumenta, mas continua sendo baixa em comparação com o plástico usado nos setores automotivo e da construção.

"Para fazer milhares de máscaras, são necessárias apenas umas poucas toneladas" de plástico, explica Eric Quenet.

Globalmente, pela primeira vez desde 2008, o setor prevê que o ano de 2020 será pior do que o 2019, devido ao confinamento.


AFP



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!