Religião

26/06/2020 | domtotal.com

'Tridentinos' deturpadores da mensagem de Bento XVI

Veja como muitos grupos que promovem a forma extraordinária do rito romano em detrimento do missal Paulo VI acabam incorrendo em heresia ao promoverem a divisão da Igreja

Papa Bento XVI em viagem à Inglaterra, em 2010
Papa Bento XVI em viagem à Inglaterra, em 2010 (Stefan Wermuth/ Reuters)

É um texto que estou ensaiando para escrever faz tempo. Não somente para defender o papa emérito Bento XVI das várias instrumentalizações em torno da sua figura. Até porque seriam necessárias inúmeras laudas para fazê-lo. Entretanto, chegou a hora de denunciar essa rede de "seleção" de documentos pontifícios que, desmembrados do seu contexto, causam estragos enormes.

Hoje, em particular, falarei sobre a Summorum pontificum, documento de Bento XVI publicado em 2007, através do qual ele autorizou a retomada do rito tridentino, do século XVI. O texto foi publicado a partir da fórmula motu proprio; ou seja, quando o que está escrito expressa um desejo pessoal do pontífice.

Interessante que, a partir daquele período, não por coincidência, começaram a surgir grupos que propunham outras versões a respeito do Concílio Vaticano II. No Brasil, essa proposta de releitura da assembleia foi conduzida por Padre Paulo Ricardo, sacerdote da arquidiocese de Cuiabá que é considerado uma espécie de "líder espiritual e intelectual" desse movimento.

Aos poucos, despontaram autores como o historiador italiano Roberto de Mattei – um crítico ferrenho do concílio –, que é citado frequentemente pelo sacerdote. O mesmo estudioso que, numa entrevista, chamou papa Francisco de "cripto-herege", ou seja, um "herege dissimulado". Desde o ano passado, De Mattei disponibiliza seus conteúdos em português, de modo que o público brasileiro – a quem ele se sente particularmente ligado – tenha acesso ao material. Para quem não sabe, ele se considera "um discípulo de Plínio Corrêa de Oliveira", e exibe isso na descrição de sua página pessoal. Por causa do enorme sucesso no país – devido, em parte, à divulgação de padre Paulo Ricardo – editoras brasileiras já traduzem muitas de suas obras.

A verdade é que essas interpretações, até então "inofensivas", e antigamente mais restritas ao debate acadêmico, começaram a ganhar corpo e a incentivar a consolidação de "grupos de resistência pré-conciliar", formados por leigos, padres e associações católicas. Algo que, nem de longe, Bento XVI pensava promover. O motu proprio de 2007, pelo contrário, visava ser um poderoso instrumento de diálogo. O papa alemão queria manifestar, mais uma vez, a sua "hermenêutica da continuidade", que encontra parte de sua expressão na liturgia católica – e diga-se, não só na romana.

"Consta, efetivamente, que a liturgia latina da Igreja, nas suas várias formas, em todos os séculos da era cristã impulsionou na vida espiritual numerosos santos e reforçou muitos povos na virtude da religião e fecundou a sua piedade", disse ele. Nota-se: "nas suas várias formas". Algo que não parecem levar em consideração, ou, intencionalmente, preferem suprimir.

Ora, sendo assim, quem é um promotor exclusivo da celebração da forma extraordinária do rito romano – termo que Bento XVI fez questão de utilizar para diferenciá-la do 'rito vigente' –, desconsidera as reais definições e propostas do documento de Ratzinger.

"O missal romano promulgado por  Paulo VI é a expressão ordinária da lex orandi (norma de oração) da Igreja Católica de rito latino. Contudo o missal romano promulgado por São Pio V e reeditado pelo Beato João XXIII deve ser considerado como expressão extraordinária da mesma lex orandi".

Por se tratar de uma "forma extraordinária", o pontífice também fez um alerta em relação à frequência de tais celebrações.

"Se uma comunidade individualmente ou todo um instituto ou sociedade quiser realizar, de modo frequente, habitual ou permanente, tais celebrações, o caso deve ser decidido pelos superiores maiores, segundo as normas do direito e as regras e os estatutos particulares".

E  chegou a dizer que a promoção da missa tridentina não poderia se tornar um instrumento de divisão entre os fiéis:

"Providencie para que o bem destes fiéis se harmonize com o cuidado pastoral ordinário da paróquia, sob a orientação do bispo, como previsto no cân. 392, evitando a discórdia e favorecendo a unidade de toda a Igreja".

A intenção foi clara: reaproximar os cismáticos da Fraternidade Pio X, que promovem a liturgia pré-conciliar – entre outras coisas –, e mostrar aos católicos a pluralidade do rito romano; porém, não em detrimento da liturgia pós-conciliar ou novus ordo, que é justamente a forma ordinária do rito romano. Há quem diga que foi uma forma de incentivar os católicos a celebrar melhor o rito aprovado pelo concílio, de modo que ambas as formas de celebração pudessem enriquecer-se mutuamente. E é verdade.

Em 2001, num evento realizado na abadia de Fontgombault (França) – que inclusive contou com a participação do De Mattei, citado acima –, o então cardeal Joseph Ratzinger já refletia sobre a mudança, a qual teria sido feita por ele 6 anos depois, "após uma série de estudos e consultas", como ele mesmo frisou. No entanto, na ocasião – quase que de maneira profética –, ele não escondeu uma certa preocupação com as consequências desse tipo de aprovação, a qual poderia gerar um "dualismo litúrgico" e atritos com a hierarquia católica, esvaziando completamente a natureza da sua proposta.

"Como conciliar o uso dos dois ritos? [...] Devemos, porém, estudar para ver se é possível consentir e conservar para a igreja o tesouro do antigo missal [...]. Mas há um problema muito real: se a eclesialidade se tornar uma questão de livre escolha, se existirem 'igrejas rituais' segundo um critério de subjetividade, isso pode criar um problema. A Igreja é constituída de bispos sucessores dos apóstolos que atuam em suas respectivas igrejas locais. Portanto, eles agem a partir de um critério objetivo. Estou nesta igreja local e 'não procuro meus amigos', mas encontro meus irmãos e minhas irmãs; não os procuramos, os encontramos. Não é uma igreja 'que eu escolho', mas a que se apresenta a mim. E é um princípio muito importante. Estou na igreja comum, com os pobres, os ricos, os compreensivos, os antipáticos; com intelectuais e estúpidos. Estou na igreja que me precede. Ora, abrir a possibilidade de escolher sua igreja 'à la carte' poderia danificar a estrutura da Igreja", ressaltou.


Receba notícias do DomTotal em seu WhatsApp. Entre agora:
https://chat.whatsapp.com/GuYloPXyzPk0X1WODbGtZU

*Mirticeli Dias de Medeiros é jornalista e mestre em História da Igreja pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Desde 2009, cobre o Vaticano para meios de comunicação no Brasil e na Itália e é colunista do Dom Total, onde publica às sextas-feiras.



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!