Religião

28/06/2020 | domtotal.com

Dispostos a sofrer

É impossível estar com os crucificados e não se ver um dia crucificado

Carregar a cruz não é procurar
Carregar a cruz não é procurar "cruzes", mas aceitar a "crucificação" que nos chegará se seguirmos os passos de Jesus (Unsplash/ Federico Tasin)

José Antonio Pagola*
RD

Jesus não queria ver ninguém sofrer. O sofrimento é mau. Jesus nunca o procurou para si nem para os outros. Pelo contrário, toda sua vida consistiu em lutar contra o sofrimento e o mal, que tanto dano causam às pessoas.

As fontes apresentam-no sempre combatendo o sofrimento que se esconde na doença, nas injustiças, na solidão, no desespero ou na culpa. Assim foi Jesus: um homem dedicado a eliminar o sofrimento, suprimindo injustiças e contagiando força para viver.

Mas procurar o bem e a felicidade para todos traz muitos problemas. Jesus o sabia por experiência. Não se pode estar com os que sofrem e procuram o bem dos últimos sem provocar a rejeição e a hostilidade daqueles a quem não interessa nenhuma mudança. É impossível estar com os crucificados e não se ver um dia "crucificado".

Jesus nunca escondeu isso dos seus seguidores. Utilizou, em várias ocasiões, uma metáfora inquietante que Mateus resumiu assim: "Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim". Não podia ter escolhido uma linguagem mais gráfica. Todos conheciam a imagem terrível do condenado que, nu e indefeso, era obrigado a carregar nas costas o tronco horizontal da cruz até ao local da execução, onde o esperava o tronco vertical fixado na terra.

"Carregar a cruz" fazia parte do ritual da crucificação. O seu objetivo era que o condenado aparecesse perante a sociedade como culpado, um homem indigno de continuar a viver entre os seus. Todos descansariam vendo-o morto.

Os discípulos tentaram entendê-lo. Jesus vinha dizer mais ou menos o seguinte: "Se me seguis, tendes de estar dispostos a ser rejeitados. Passará convosco o mesmo que a mim. Aos olhos de muitos parecereis culpados. Serão condenados. Procurarão que não incomodeis. Terão de carregar a vossa cruz. Então parecerão mais comigo. Serão dignos seguidores meus. Partilharão o destino dos crucificados. Com eles entrarão um dia no reino de Deus".

Carregar a cruz não é procurar "cruzes", mas aceitar a "crucificação" que nos chegará se seguirmos os passos de Jesus. Assim tão claro.

Publicado originalmente por Religión Digital e traduzido pelo IHU


Receba notícias do DomTotal em seu WhatsApp. Entre agora:
https://chat.whatsapp.com/GuYloPXyzPk0X1WODbGtZU

*José Antonio Pagola é padre e tem dedicado a sua vida aos estudos bíblicos, nomeadamente à investigação sobre o Jesus histórico. Nascido em 1937, é licenciado em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma (1962), licenciado em Sagradas Escrituras pelo Instituto Bíblico de Roma (1965), e diplomado em Ciências Bíblicas pela École Biblique de Jerusalém (1966). Professor no seminário de San Sebastián (Espanha) e na Faculdade de Teologia do Norte de Espanha (sede de Vitória), foi também reitor do seminário diocesano de San Sebastián e vigário-geral da diocese de San Sebastián.



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!