Mundo

04/07/2020 | domtotal.com

O sistema da favela indiana de Dharavi para conter o coronavírus

Com 2 milhões de habitantes, a favela registrou apenas 2,2 mil casos e 81 mortos

Profissionais de saúde realizam inspeção de porta em porta em Dharavi
Profissionais de saúde realizam inspeção de porta em porta em Dharavi (AFP)

Quando o coronavírus fez sua primeira vítima na favela indiana de Dharavi em abril, os epidemiologistas temiam o pior. Mas, três meses depois, a cidade de Mumbai parece ter contido a epidemia neste enclave pobre e superlotado, graças a uma "perseguição" agressiva.

Com um milhão de habitantes em apenas dois quilômetros quadrados, Dharavi tem somente, até o momento, 81 mortos de Covid-19, dos 2,2 mil casos declarados. Uma pequena fração do grande número de vítimas humanas de Mumbai, uma das cidades da Índia mais afetadas pela pandemia, onde atualmente são estimadas 4,5 mil mortes dos 75 mil casos confirmados.

Com famílias compostas por cerca de dez membros, que às vezes dormem no mesmo quarto, e banheiros públicos compartilhados por centenas de pessoas, as autoridades locais perceberam que barreiras como a distância física ou lavar as mãos com frequência eram uma ilusão.

Tomaram, então, a decisão de "rastrear o vírus, em vez de esperar o desastre acontecer", resume Kiran Dighavkar, uma autoridade do município de Mumbai.

"A distância física era impossível, o isolamento em casa não era uma opção e o rastreamento de contatos era um grande problema porque muitas pessoas usam o mesmo banheiro", explica o funcionário.

Um primeiro plano era verificar o estado de saúde dos moradores com visitas de porta em porta nos becos estreitos da favela. Ideia que, no entanto, foi rapidamente abandonada depois que a equipe de saúde, trabalhando sob o calor pesado e úmido de Mumbai, se viu sufocada debaixo das múltiplas camadas de seu equipamento de proteção contra o coronavírus.

Mas o número de casos aumentava de forma alarmante neste bairro onde vivem muitas pessoas que ganham a vida em serviços básicos na capital econômica da Índia. A cidade lançou, então, o que suas autoridades chamaram de "Missão Dharavi".

Detectar a febre

Todos os dias, profissionais de saúde montam um "acampamento de detecção de febre" em uma área diferente da favela.

Os moradores podem se apresentar para verificar se têm sintomas de Covid-19 e ser examinados caso necessário.

As autoridades também requisitaram escolas, salões de casamento e instalações esportivas para transformá-los em centros de quarentena, que oferecem refeições gratuitas, comprimidos de vitaminas e sessões de yoga.

Os habitantes dos bairros mais afetados de Dharavi foram proibidos de entrar ou sair, e o governo usou inclusive drones para vigiar a aplicação das restrições.

Um exército de voluntários levou comida para as 125 mil pessoas confinadas em suas casas.

No entanto, muitos moradores e funcionários de Mumbai acreditam que é cedo demais para declarar que o vírus foi vencido em Dharavi.

A epidemia de Covid-19 está se espalhando por toda a Índia, com mais de meio milhão de casos registrados. Dharavi continua vulnerável a uma segunda onda de contágio.


AFP



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!