Religião

07/07/2020 | domtotal.com

Após ser repreendido por bispo, padre que criticou Bolsonaro recebe apoio nas redes sociais

Sacerdote do interior paulista chamou Bolsonaro de 'bandido' durante homilia, mas desculpou-se após intimação do bispo de Limeira. Internautas usam tag #padreprofeta em favor do padre

'Quem comunga o seu Evangelho não pode se associar ao reino da morte', disse padre Edson
'Quem comunga o seu Evangelho não pode se associar ao reino da morte', disse padre Edson (Paróquia Nossa Senhora das Dores/Facebook)

Thiago Ventura

O padre Edson Adélio Tagliaferro, pároco da Igreja Nossa Senhora das Dores, em Artur Nogueira, no interior de São Paulo, recebeu apoio nas redes sociais nesta terça-feira após sofrer ataques de apoiadores do Bolsonaro e ter sido ‘enquadrado’ pelo bispo responsável  pela região.  Nesse domingo, viralizou nas redes sociais trecho de homilia em que pe. Edson critica Jair Bolsonaro (sem partido). O sacerdote chegou a chamar o presidente de ‘bandido’ e orientou  que eleitores dele deviam se confessar.

"Um país que já chegou a 60 mil mortos pela pandemia [de Covid-19] e não tem um ministro da Saúde?", questiona o pároco. "Vocês querem que eu fale o quê? 'Ah, ele não trabalha porque não deixam ele trabalhar'. Não! É porque ele não presta! Bolsonaro não vale nada. E quem votou nele tem que se confessar. Pedir perdão a Deus pelo pecado que cometeu, porque elegeu um bandido pra por de presidente", diz o padre no vídeo.


A homilia foi feita no dia 02 de julho mas viralizou do no domingo, quando começaram os ataques ao religioso. O Instagram da paróquia precisou fechar os comentários. Durante celebração dominical, o padre comentou sobre o vídeo ressaltando que ‘não é apenas ele’, mas que o mundo inteiro não gosta das ações de Bolsonaro. Padre Edson declarou que o país virou alvo de deboche mundial por causa de Bolsonaro.

Com a repercussão, o bispo da Diocese de Limeira, dom José Roberto Fortes Palau, emitiu comunicado nessa segunda (6) desautorizando declarações políticas do pároco. Segundo a diocese, o padre “reconhece que se excedeu em suas palavras e pede desculpas ao Sr. Presidente da República e a todos que se sentiram de algum modo atingidos”.

Dom José Roberto declarou ainda que as opiniões do vídeo não representam a posição da Diocese de Limeira”. O bispo encerrou a nota afirmando que a Igreja Católica “não se identifica com nenhuma ideologia ou partido político”.

‘Padre Profeta’

Nesta terça-feira, vários internautas foram às redes sociais manifestar solidariedade ao padre Edson. A tag #padreprofeta ficou no Trending Topics nacional do Twitter, índice que mostra as postagens mais comentadas na rede social.

Além de defender a posição do sacerdote, vários usuários apontam suposta hipocrisia em relação a diferença de tratamento de líderes religiosos que são apoiadores de Bolsonaro. A tag 'PadreProfeta' pode ter surgido de declaração do padre Edson na noite de domingo, após a repercussão nacional, publicada no Facebook da Paróquia. O sacerdote explicou o contexto da homilia, baseada na leitura do Livro do profeta Amós e no evangelho do Dia. Na reflexão, o padre declara que a igreja deve fazer opção pela vida e não peal morte. 

"Por que um vídeo dizendo estas coisas se espalhou como fogo no capim seco? Há tantas pessoas que dizem isso na internet, não sou o primeiro. O que mudou? Talvez não seja somente eu a estar cansado e angustiado com tudo o que está acontecendo e esta voz acabou representando tantas vozes entaladas na garganta de muita gente", disse pe. Edson.











Leia na íntegra a nota da Diocese de Limeira sobre o caso:

Confira comunicado da Paróquia Nossa Senhora das Dores


Receba notícias do DomTotal em seu WhatsApp. Entre agora:
https://chat.whatsapp.com/GuYloPXyzPk0X1WODbGtZU


Redação Dom Total



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!