Cultura

08/07/2020 | domtotal.com

Desejo de capitalismo

Há uma crença de que o individualismo possessivo e a fé no capitalismo são fenômenos naturais

À medida em que o capitalismo fica mais complexo, com as tecnologias e novas formas de comunicação, aumenta a manipulação dos desejos e subjetividades humanas.
À medida em que o capitalismo fica mais complexo, com as tecnologias e novas formas de comunicação, aumenta a manipulação dos desejos e subjetividades humanas. (Unsplash/ Etienne Girardet)

Reinaldo Lobo*

Muitas pessoas acreditam que o capitalismo é eterno. Como em qualquer religião, sonham com um "paraíso" sem fim. Fora dele não há salvação, dizem.

Não se dão conta de que o capitalismo não existiu sempre, que começou devagar na alta Idade Média, cresceu um pouco no Renascimento com o artesanato urbano, os primeiros banqueiros e o mercado nas cidades, ganhando força nos séculos 17 e 18 com a burguesia ascendente e suas revoluções anti-aristocráticas, acabando por explodir selvagemente na revolução industrial e tecnológica entre o século 19 e início do 20.

O capitalismo é um produto histórico. Portanto, pode ser modificado e destruído.

O sociólogo germânico Max Weber dizia que esse sistema, tal como o conhecemos, sobretudo na Inglaterra e nos Estados Unidos, era filho direto do protestantismo calvinista e do culto meritocrático ao trabalho suado e sacrificial. Hoje, mais parece fruto de um materialismo simplório e imediatista: "Time is Money".

Já o historiador britânico Arnold Toynbee sugeria que o capitalismo seria uma consequência do monoteísmo judaico-cristão e da ideia de uma razão universal. Hegel, o filósofo alemão, pensava parecido, já que considerava a História como a realização consumada de uma razão universal. Seria a realização do Espírito Absoluto. Foi outro alemão, Karl Marx, quem trouxe a questão para a Terra, fora da religião e da razão espiritual. Inverteu a equação, demonstrando que a razão e a religião também são produtos de uma História que se passa no registro das forças produtivas materiais, da economia e das estruturas sociais que dão forma à condição humana.

Mesmo na sua juventude, Marx ressaltava que a ganância e o desejo de lucro são derivados, em grande parte, de uma situação social desigual, calcada na exploração do trabalho. A religião, dizia ele, é um meio de alívio para a situação de miséria, de alienação e de submissão dos trabalhadores às classes dominantes.

Freud, o médico austríaco que criou a psicanálise, nunca foi marxista e até criticava Marx por usar a chave explicativa da economia, que determinaria, em última instância, até mesmo fenômenos culturais, artísticos e filosóficos. Mas o psicanalista também considerava, por exemplo, a religião como uma "ilusão" necessária para que os seres humanos suportassem o mal-estar na civilização, isto é, a tensão entre os impulsos mais primitivos, sexuais e agressivos, e a repressão imposta pelas instituições, a moral instituída e os costumes civilizados. Acrescentou também que o sofrimento geral e a miséria encontravam alivio em recursos ideais, como num sonho ou mesmo nas alucinações, delírios e rituais obsessivos. Dizia que a religião é a "neurose obsessiva" da humanidade.

Alguns dos primeiros seguidores de Freud, como Ferenczi, Wilhem Reich, Otto Fenichel e Alfred Adler, procuraram aproximar, cada um a seu modo, o pensamento freudiano do marxismo, inaugurando uma análise psicossocial do que consideraram uma submissão ao capitalismo. Seria esse desejo de capitalismo o que empolgaria as massas e as sociedades contemporâneas, fazendo com que acreditassem no mito da eternidade e da naturalidade do sistema existente. Alguns procuraram estudar a gênese desse desejo.

Essa foi uma análise crítica pioneira que, aliás, não se resumiu a esses autores, incluindo depois o filósofo Herbert Marcuse, a chamada Escola de Frankfurt, de Theodor Adorno e Max Horkheimer, além de muitos outros.

Hoje, é preciso avançar e dar continuidade a essa visão crítica, desconstruindo o aparato ideológico que se armou em defesa do Capital e afinando as análises psicossociais, que vão para além do marxismo ortodoxo.

Há uma crença bem difundida de que o individualismo possessivo e a fé no capitalismo são fenômenos "naturais", pertencentes à natureza humana. Isso é pura racionalização ideológica. A Antropologia e a História já demonstraram que nem sempre foi assim e que existiram sociedades solidárias onde o desejo do lucro e a exploração do trabalho não foram predominantes. A lista dessas sociedades é enorme, não vou enumerá-la aqui, e não se resume às sociedades pré-colombianas das Américas.

A crença que "naturaliza" o desejo de lucro confunde a luta pela sobrevivência com a divisão do trabalho injusta e desigual. Parte do pressuposto falso de que todos partiriam do mesmo ponto inicial na corrida da sobrevivência, como se fossem iguais, ignorando que existem os "mais iguais" do que outros. Isso piora nas sociedades mais complexas, nas quais as especializações do trabalho e a multiplicidade de classes e categorias sociais mascaram a hegemonia do capital, agora concentrado nas mãos de minorias.

À medida em que o capitalismo fica mais complexo, com as tecnologias e novas formas de comunicação, aumenta a manipulação dos desejos e subjetividades humanas. O desejo de capitalismo é uma construção social a partir da educação familiar, da reprodução ideológica nas escolas e nos aparatos ideológicos do Estado.

A sociedade de consumo cria necessidades que não existem, como a troca periódica de um carro ou compra de um celular de "última geração". Assim como a tecnologia, as "necessidades" e "desejos" são construções substituíveis para peças cada vez mais efêmeras e descartáveis da produção e comércio capitalistas. Uma pesquisa feita por cientistas europeus sobre as fábricas japonesas de automóveis revelou que os carros fabricados tinham prazo de validade de cinco anos e, aos poucos, o Mercado "exigiu" que durassem menos na sua integridade, caindo para quatro ou três anos.

A publicidade usa, inclusive, os achados da Psicanálise sobre os impulsos mais profundos das pessoas para fabricar desejos artificiais como fumar e beber cada vez mais. Todos conhecem os anúncios de cigarros para homens, associados à aventura, potência e mulheres lindas. Com as bebidas, as mulheres loiras ficaram famosas. O mesmo ocorre com a publicidade destinada às mulheres e à sua sexualidade, como os cremes e sabonetes que "acariciam" e "massageiam" a pele feminina, órgão receptor de impulsos sexuais difusos ligados à superfície da epiderme.

O mito do empreendedorismo é outro sonho implantado pela ideologia dominante nas massas pouco esclarecidas. As pesquisas de mercado indicam que uma grande parcela da população no Brasil ?" e no mundo?" prefere ser "patrão" do que trabalhador assalariado ou precário, por razões óbvias. O que essas pesquisas não mostram é que existe hoje uma concentração feroz do capital nas mãos de poucas empresas monopolistas e a deglutição das pequenas e médias empresas pelos grandes conglomerados.

Até mesmo a teoria marxista tem sido usada pelas classes dominantes para saber como readaptar o capitalismo, a fim de evitar a luta de classes e as crises cíclicas do capital. O capitalismo parece ter uma capacidade de se reciclar com frequência, o que lhe dá a imagem de eternidade. Mesmo camisetas com a estampa da foto de Che Guevara viram produtos de consumo no mercado. Dizia o filósofo Marcuse que, se cocô vendesse, seria moda no mercado.

Ocorre que o capitalismo tem uma face altamente destrutiva, do tipo "tudo o que é sólido desmancha no ar". Está destruindo todos os recursos naturais e a própria vida na Terra e, por mais que recicle, é bem possível que tenha chegado a um ponto de saturação, sendo capaz de destruir a si mesmo num futuro mais próximo do que se imagina.

*Reinaldo Lobo é psicanalista e articulista



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!