Ciência e Tecnologia

30/07/2020 | domtotal.com

Nasa lança robô Perseverance para avaliar possibilidade de vida passada em Marte

Missão busca recolher informações para pavimentar ida do homem até o Planeta Vermelho

Atlas V é lançado no Cabo Canaveral, na Flórida
Atlas V é lançado no Cabo Canaveral, na Flórida (Nasa)

Os Estados Unidos lançaram nesta quinta-feira (30) um novo robô para Marte, a fim de recolher amostras de rocha que só vão ser enviadas para estudo na Terra em 2031, dez anos depois de o equipamento chegar ao Planeta Vermelho. O lançamento foi feito a bordo de um foguetão Atlas V, da base espacial norte-americana de Cabo Canaveral, na Florida e foi bem sucedido.

Trata-se da primeira missão que pretende recolher amostras de rocha, solo e poeira de Marte com destino à Terra, sendo liderada pela Nasa (agência espacial norte-americana), que já enviou outros robôs de exploração ao planeta, mas com outros fins.

A previsão é que robô Perseverance toque a superfície marciana daqui a cerca de sete meses, em 18 de fevereiro de 2021, mais concretamente a cratera Jezero, onde teria existido um lago há 3,5 mil milhões de anos e um delta de rio.

O local de aterrissagem é, por isso, considerado propício para a procura de sinais (bioquímicos) de vida microbiana passada em Marte, um dos objetivos da missão Mars 2020 Perseverance, uma vez que as moléculas orgânicas são muito bem preservadas por sedimentos de lagos e deltas. "Os deltas são locais magníficos para preservar matérias orgânicas e outros tipos de bioassinaturas", disse Tanja Bosak, integrante da equipe científica da missão e membro do MIT.

O veículo Perseverance, que tem seis rodas, leva ainda um braço robótico, uma broca e vários instrumentos científicos, além dos nomes de cerca de 11 milhões de pessoas de todo o mundo, registrados em três microchips, e um engenho voador, semelhante a um minúsculo helicóptero, que irá testar um voo controlado em outro planeta.


O veículo robótico, que deve o seu nome a um estudante do estado estadunidense da Virgínia, tem na sua bagagem amostras de tecido dos fatos espaciais, que serão testadas aos efeitos da radiação, e instrumentos que permitem caracterizar o clima e a geologia do planeta e validar um método de produzir oxigênio a partir da sua atmosfera, rica em dióxido de carbono.

Para a Nasa, a missão Mars 2020 Perseverance pode assim ajudar a desbravar o caminho para o envio de astronautas à superfície de Marte, uma ambição que os Estados Unidos pretendem concretizar (e que o ex-presidente Barack Obama chegou a admitir como sendo uma realidade na década de 2030), após conseguir ter novamente astronautas na Lua (a primeira missão tripulada de regresso à Lua, depois da última em 1972, está prevista para 2024).

O robô Perseverance, equipado com câmaras e microfones, que permitem fornecer imagens e sons de sua aterrissagem e do seu trabalho em Marte, vai explorar o planeta durante aproximadamente dois anos, estando apto a recolher até 500 gramas de amostras de rocha, solo e poeira que se revelarem mais promissoras para a pesquisa de vestígios de vida.

As amostras serão acondicionadas pelo veículo em várias dezenas de tubos selados e "limpos" de contaminantes da Terra, podendo cada um guardar 15 gramas de sedimentos ou pedaços de rocha. Os tubos serão depois escondidos no solo marciano, em locais estrategicamente escolhidos. Será preciso, no entanto, esperar por 2031 para que as amostras sejam enviadas à Terra para serem analisadas pelos cientistas.

Que vida?

A prova incontestável de uma vida passada em Marte, se realmente existiu, provavelmente não será confirmada antes da análise destas amostras na próxima década, disse o diretor científico da Nasa, Thomas Zurbuchen. "Buscamos seguramente uma forma de vida muito primitiva, não formas avançadas como esqueletos, ou fósseis", explicou Ken Farley, cientista do projeto na Universidade Caltech.

Uma nova missão, em que a Nasa terá como parceira a Agência Espacial Europeia (ESA), tem início previsto para julho de 2026 com o lançamento para Marte de um segundo veículo robótico, que vai recuperar os tubos das amostras recolhidas pelo Perseverance.

Apesar de inóspito, Marte é considerado o planeta do Sistema Solar mais parecido com a Terra. Estruturas geológicas demonstram que, há muito tempo, água líquida, elemento fundamental para a vida, era abundante na superfície do planeta.

Segundo os cientistas, Marte teve, no passado, um oceano maior do que o Ártico. Estudos indicam, com base em observações feitas em órbita e na superfície, a presença de água líquida salgada e gelada. 

"Marte preserva em sua superfície uma geologia incrivelmente complexa e diversificada", afirmou a diretora dos Programas de Exploração Planetária da Nasa, Lori Glaze, acrescentando que toda história do planeta ficou gravada em sua superfície.

Mais de 350 geólogos, geoquímicos, astrobiólogos, especialistas em atmosfera e outros cientistas do mundo inteiro participam da missão, que deve durar pelo menos dois anos, e provavelmente muito mais tempo, dada a grande resistência dos rovers anteriores.


Agência Brasil/Nasa/AFP/Dom Total



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!