Mundo

14/08/2020 | domtotal.com

Para facilitar negociações de paz, Afeganistão liberta 400 prisioneiros talibãs

Presidente Ashraf Ghani alerta que os envolvidos são 'um perigo para os EUA e o mundo'

A libertação dos 400 militantes foi aprovada no fim de semana em uma reunião de líderes afegãos
A libertação dos 400 militantes foi aprovada no fim de semana em uma reunião de líderes afegãos (AFP)

O governo do Afeganistão anunciou nesta sexta-feira (14) o início da libertação de 400 prisioneiros talibãs, uma medida que tem como intuito facilitar a abertura das negociações de paz, apesar do alerta do presidente Ashraf Ghani de que os envolvidos são "um perigo para o mundo".

O governo afegão e os talibãs se reunirão dentro de alguns dias, após a conclusão do processo de libertação dos prisioneiros, uma medida muito criticada porque muitos detentos foram condenados por envolvimento em atentados que mataram afegãos e estrangeiros.

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Javid Faisal, informou que 80 prisioneiros foram liberados na quinta-feira, o que "acelerará os esforços para discussões diretas e um cessar-fogo duradouro e nacional". As conversações de paz devem acontecer em Doha, Catar.

Entre os 400 prisioneiros estão 44 insurgentes que provocam a preocupação dos Estados Unidos e outros países por seu papel em atentados contra alvos importantes.

Ghani advertiu na quinta-feira sobre o perigo que representam os liberados. "Até o momento havia consenso sobre a conveniência da paz, mas não sobre o custo", afirmou na quinta-feira em uma videoconferência organizada pelo Council on Foreign Relations, um centro de estudos com sede em Washington.

A libertação de "criminosos cruéis" e de narcotraficantes "significará certamente um perigo para nós, para vocês (Estados Unidos) e para o mundo", completou o presidente afegão.

A paz tem um custo e com essas libertações "pagamos o maior preço, o que significa que a paz terá consequências", alertou.

Uma troca de prisioneiros é parte de um acordo assinado pelos talibãs e o governo dos Estados Unidos em fevereiro, no qual Washington concordou em retirar suas tropas do território afegão em troca da promessa dos insurgentes de iniciar negociações de paz com Cabul. O governo afegão foi excluído deste acordo.

O acordo de fevereiro estipulou que Cabul deveria libertar 5 mil militantes em troca de 1 mil prisioneiros do governo afegão sequestrados pelos insurgentes.

Embora as autoridades afegãs tenham libertado a maioria dos prisioneiros talibãs segundo o combinado, até agora se recusavam a liberar os últimos 400 detidos.

Uma "loya jirga", uma grande assembleia afegã composta por milhares de autoridades locais, dirigentes estatais e líderes tribais, convocada por Ghani, concordou no domingo com a libertação dos 400 talibãs para abrir o caminho às negociações e um possível cessar-fogo.

A assembleia pediu às autoridades que vigiem os prisioneiros liberados para assegurar que não retornem ao campo de batalha.

Antes da assembleia, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, havia solicitado a Cabul que apostasse na libertação, uma ação "impopular" para avançar rumo à paz.

Os talibãs alertaram para possíveis ataques contra os prisioneiros libertados por extremistas do grupo Estado Islâmico em coordenação com os serviços de inteligência do Afeganistão.


AFP



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!