Brasil Política

21/09/2020 | domtotal.com

Blogueiro Allan dos Santos mantinha grupo de Whatsapp com deputados bolsonaristas

Três investigados sobre fake news confirmaram encontros na casa do blogueiro

Allan dos Santos se gaba de ter influência sobre setores do governo
Allan dos Santos se gaba de ter influência sobre setores do governo (Elza Fiúza/ABr)

O blogueiro Allan dos Santos, apontado como autor de mensagens em que sugere "a necessidade de uma intervenção militar", mantinha um grupo de WhatsApp com deputados bolsonaristas e "outras pessoas de baixo escalão do governo" - as conversas resultavam em reuniões na residência do blogueiro, no Lago Sul, em Brasília.

As informações constam em três depoimentos colhidos pela Polícia Federal: do assessor parlamentar Tércio Arnaud Tomaz, apontado como integrante do gabinete do ódio, e do deputado federal Paulo Martins (PSC-PR). Ambos confirmaram as conversas virtuais e as reuniões organizadas por Allan.

Uma terceira oitiva, feita com o youtuber Adilson Nelseu Dini, do canal Ravox Brasil, também informou sobre a realização de "encontros", "muitas vezes de confraternização", na casa de Allan por "pessoas que comungam a ideia de apoiamento ao presidente Jair Bolsonaro" - entre os participantes estaria o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). O parlamentar prestará depoimento no inquérito no próximo dia 23.

"Os encontros, muitas vezes de confraternização, envolvendo amigos e pessoas que comungam a ideia de apoiamento ao presidente Jair Bolsonaro, que já ocorreram na casa de Allan, situada no Lago Sul em Brasília, onde algumas vezes participou Eduardo Bolsonaro, não é conhecido, e nem pode ser chamado, de ‘gabinete do ódio'", afirmou Dini à PF.

Apesar do depoimento de Dini ter sido o primeiro a informar sobre "encontros" na casa do blogueiro, foi a oitiva de Tércio Tomaz que confirmou que algumas reuniões no local eram organizadas por meio de WhatsApp. O assessor especial disse à PF que Allan o adicionou em um grupo criado "para que pudesse se reunir" semanalmente na residência do blogueiro "para discutir temas relacionados ao governo federal com pessoas que estão dentro do governo".

Tomaz afirmou que nunca participou dos encontros, mas que continuou no grupo "como forma de se informar de temas de interesse". "Indagado quem participava desse grupo, respondeu que se recorda de Paulo Eduardo Martins, Daniel Silveira (deputado federal pelo PSL-RJ) e outras pessoas de baixo escalão do governo", apontou a PF. Silveira prestará depoimento nesta segunda, 21.

As reuniões na casa de Allan dos Santos com parlamentares da base do governo também foram confirmadas pelo deputado federal Paulo Martins (PSC-PR), ouvido na última terça. Ele disse à PF que integrou um grupo no WhatsApp chamado Gengis House e que "acredita ter participado" de um único encontro na casa do blogueiro. Estavam presentes, segundo ele, os deputados Bia Kicis (PSL-DF) e Filipe Barros (PSL-PR).

Por fim, Martins disse que Allan "conhece pessoas do governo e por isso tem canais para ser ouvido". O blogueiro foi descrito como uma "figura importante, possuindo condições de propor política de interesse de seu grupo de apoio".

Mensagens obtidas pela PF mostram que Allan defendeu a necessidade de um golpe militar ao tenente-coronel Mauro Cid, chefe da Ajudância de Ordem da Presidência. Após a publicação de reportagem, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) reclamou da divulgação dos depoimentos. O filho do presidente - que já foi ouvido no inquérito - escreveu: "Atos antidemocráticos são meus ovos na goela de quem inventou isso!"


Agência Estado/Dom Total



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!