Mundo

21/11/2020 | domtotal.com

'Economia de Francisco': papa pede urgência em promover uma 'nova mentalidade econômica'

Evento foi acompanhado por cerca de 2 mil jovens de 40 países que desejam mudar os modelos econômicos atuais e promover um futuro menos desigual.

Foto divulgada pela mídia do Vaticano mostra o Papa Francisco em audiência privada no Vaticano
Foto divulgada pela mídia do Vaticano mostra o Papa Francisco em audiência privada no Vaticano (Handout/AFP)

O papa Francisco defendeu neste sábado (21) em um encontro virtual com jovens economistas e empresários de diversos países a "urgência" de se apostar em uma "nova mentalidade econômica" que permita ajudar os "negligenciados", os pobres e os excluídos.

Em uma mensagem em vídeo transmitida à tarde aos participantes do congresso, o pontífice argentino assegurou que: "O futuro é o momento especial em que nos sentimos convocados a reconhecer a urgência e a beleza do desafio que se apresenta. Um tempo que nos lembra que não estamos condenados a modelos econômicos (...) e na busca por políticas públicas afins que ignorem seu custo humano, social e ambiental".

"A gravidade da situação atual, que a pandemia de covid colocou ainda mais em evidência, exige uma responsável tomada de consciência de todos os atores sociais", acrescentou.

O papa também advertiu que "depois que a crise de saúde em que nos encontramos passar, a pior reação seria cair ainda mais na febre consumista e em novas formas de autopreservação egoísta".

Após sua chegada ao Vaticano há mais de sete anos, Francisco criticou em várias ocasiões o modelo econômico atual por seu cinismo, indiferença às desigualdades sociais e redução dos recursos naturais do planeta.

No início de outubro, ele publicou a encíclica "Fratelli tutti" (Todos Irmãos), na qual chama o "dogma neoliberal" de "pensamento pobre" e acusa a "especulação financeira" de se basear no "lucro fácil".

"É tempo, queridos jovens (...), de se arriscar a fomentar e estimular modelos de desenvolvimento, progresso e sustentabilidade onde as pessoas, mas sobretudo os excluídos - nos quais incluo a irmã Terra - deixem de ser, no melhor dos casos, uma presença meramente nominal, técnica ou funcional para se transformarem em protagonistas", declarou o pontífice.

Intitulada "Economia de Francisco", esta videoconferência internacional de três dias foi acompanhada por cerca de 2 mil jovens empresários e estudantes de 40 países que desejam mudar os modelos econômicos atuais e promover um futuro menos desigual.

Segundo dia de trabalhos: uma economia generativa

Central nas palavras de dois jovens, no início, a questão da reintegração dos prisioneiros após a prisão. O foco é o paradigma generativo, comparado com o conhecido nos últimos séculos de produção e consumo, no discurso de Mauro Magatti, professor de sociologia na Universidade Católica do Sagrado Coração de Milão, realizado na conferência sobre "Generatividade, bens relacionais e economia civil". "O problema - aponta ele - surge quando a produção e o consumo pretendem tornar-se absolutos". Precisamos, ao invés, de pensar em nós como "geradores" e isto significa trabalhar numa transição formativa, uma transição organizacional, que valorize as capacidades daqueles que fazem parte da organização, uma transição comunitária, que é a ideia de subsidiariedade, e uma transição ambiental. E é precisamente a economia generativa - assinala - que "reabre o futuro que parece fechado".

A especificidade feminina
Consuelo Corradi, professora de sociologia geral na Universidade de Lumsa, fala sobre a perspectiva das mulheres no tema da inclusão, e esclarece como este objetivo pode ser entendido com a chegada de mulheres  ao cargo de primeira-ministra ou presidente da República, mas há também outra resposta, a de se concentrar numa maior valorização da especificidade feminina, porque as mulheres sabem acolher a imperfeição, conhecem o cansaço que existe em torno da materialidade da vida humana e sentem grande prazer em cuidar. Isto contrasta com o individualismo extremo. Mas se a única expectativa das mulheres é serem como os homens, "vamos acabar - adverte - por esquecer esta biodiversidade e deixá-la apenas à indústria". Por sua vez, Leonardo Becchetti, professor de economia política em Tor Vergata, Roma, exorta a passar de um "modelo a duas mãos", instituições e mercado, para um "modelo a quatro mãos", envolvendo cidadania ativa e empresa responsável.

Compreender qual deve ser o objetivo das finanças
Da generatividade ao enfoque sobre as finanças. A conferência "Finanças e Humanidade: o caminho para uma ecologia integral", conta com a participação do Prêmio Nobel 2006 Muhammad Yunus, fundador do Grameen Bank e criador do microcrédito moderno. Num panorama mundial onde a riqueza está concentrada nas mãos de poucos, Yunus aponta o dedo contra o princípio da maximização do lucro. Em vez disso, devemos recordar que o homem não é conduzido só pelo seu próprio interesse mas também pelo interesse comum. E é precisamente o interesse coletivo que o microcrédito persegue. Devemos, portanto, compreender o objetivo para o qual queremos prosseguir e aproveitar a pandemia como uma oportunidade não para regressar como antes, mas para mudar. Por conseguinte, como emerge de vários testemunhos, as finanças devem tornar-se um meio e não um fim. A seguir, um vídeo sobre as bancos da misericórdia, nascido da iniciativa dos Franciscanos precisamente para apoiar pessoas em dificuldade.

Trabalho e cuidados
Entre as várias conferências da tarde, aquela sobre a experiência da aldeia "Trabalho e Cuidado" contou com a participação de Jennifer Nedelsky, filósofa e professora na Universidade de Toronto. O foco está na questão da conciliação entre trabalho e cuidados, que é gratuita. Para Nedeslky, uma boa economia virá de uma reestruturação do trabalho que envolve menos horas, de um lado, e de outro, portanto, a possibilidade de todos se envolverem no trabalho de cuidados, que hoje em dia é principalmente da responsabilidade das mulheres. O trabalho de cuidado, de fato, sublinha, não pode ser considerado como algo separado do trabalho, mas é a sua base fundadora. A questão do trabalho em rede no mundo do trabalho é também central, como destaca outro dos oradores desta conferência, Paolo Foglizzo, economista, que faz parte do corpo editorial da “Aggiornamenti Sociali”. É precisamente o sentido de pertença, de fato, que estimula novas energias nas pessoas.

Também na sexta, portanto, um dia cheio de reflexões, ideias, vídeos sobre as experiências das mulheres e sobre Santa Clara com a sua plena confiança na Providência, um testemunho capaz de alargar o horizonte da visão. O último encontro do dia é a Maratona "Economia de Francisco". Consiste em 24 horas dedicadas à oração e a uma vigília pelas vítimas da pobreza no mundo. Uma maratona ao vivo que passa por vários países: como uma ponte para o terceiro e último dia neste sábado.


AFP



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!