Esporte

28/11/2020 | domtotal.com

Contradição em depoimento abre investigação sobre negligência na morte de Maradona

A procuradoria aguarda o resultado dos testes toxicológicos no corpo do jogador

Imagem aérea do enterro de Diego Maradona na província de Buenos Aires, 26 de novembro de 2020
Imagem aérea do enterro de Diego Maradona na província de Buenos Aires, 26 de novembro de 2020 (Carlos Reyes/AFP)

A justiça argentina investiga nesta sexta-feira (27) se houve negligência em torno da morte do ícone mundial Diego Maradona: os procuradores buscam determinar se o astro recebeu os cuidados necessários e quais foram as circunstâncias de suas últimas horas.

"Já existem irregularidades", revelou à reportagem uma pessoa próxima à família.

Poucas horas depois de sua morte, Matías Morla, advogado e amigo de Maradona, denunciou na quinta-feira "que a ambulância demorou mais de meia hora para chegar à casa onde estava o (camisa) 10". Por isso, ele avisou que irá "até o fim" para esclarecer o ocorrido.

Mas nem Morla nem um parente do ídolo argentino foi à justiça em busca de esclarecimentos até agora, garantiu uma fonte judicial à reportagem.

"A investigação foi iniciada porque é uma pessoa que faleceu em casa e ninguém assinou a certidão de óbito. Não quer dizer que haja suspeitas de irregularidades, mas é isso que está sendo apurado", disse a fonte, que pediu anonimato.

O campeão do mundo na Copa de 1986 no México morreu na quarta-feira aos 60 anos devido a um "edema agudo de pulmão e insuficiência cardíaca crônica". Maradona estava em casa, em um condomínio privado da cidade de Tigre (30 quilômetros ao norte de Buenos Aires), onde residia desde 11 de novembro, após ter recebido alta da clínica onde havia sido operado de um hematoma na cabeça seis dias antes.

O caso aberto pela Procuradoria Geral da República de San Isidro intitula-se "Maradona, Diego. Investigação da causa da morte".

"Contradição em depoimento"

"Temos que ver se cumpriram com seu dever ou se houve um relaxamento. A enfermeira (ndlr: de plantão quando se constatou que o ídolo estava morto) relatou algo quando o procurador apareceu no dia da morte de Diego, posteriormente ampliou seu depoimento e, no final, foi à televisão dizer que lhe forçaram a falar, então há alguma contradição em seu depoimento", explicou à reportagem o parente de Maradona que pediu anonimato.

A procuradoria aguarda o resultado dos testes toxicológicos no corpo de Maradona. No âmbito da investigação em que trabalham três procuradores, foram solicitados seus prontuários médicos e os das câmeras do bairro onde morou seus últimos dias.

Em meio à comoção que continua nesta sexta-feira entre os argentinos, causou indignação e repúdio às fotos tiradas por três funcionários contratados pela agência funerária ao lado do caixão aberto de Maradona.

As fotos, que viralizaram nas redes sociais, mostram os funcionários sorrindo ao lado do corpo de Maradona, já dentro do caixão. 

"Peço desculpas a todos", disse Claudio Fernández, um dos funcionários da funerária que aparece sorridente ao lado do caixão aberto de Maradona nas fotos, nas quais é possível ver o rosto sem vida do eterno camisa 10 da seleção argentina.

A agência funerária Pinier Sepelios, no bairro La Paternal, em Buenos Aires, responsável pelo serviço, desvincilhou-se da responsabilidade ao declarar ter terceirizado o serviço.

"Não são funcionários nossos. Somos três irmãos. Nós os contratamos para cuidar da capela, são de uma empresa de ambulâncias ou unidades de deslocamento. Às vezes terceirizamos esse serviço", afirmou Matías Picón, um dos donos da Pinier Sepelios, que pediu desculpas à família de Maradona pelo ocorrido.

Morla prometeu processar os envolvidos.

As últimas horas

A procuradoria já deu início ao interrogatório.

"Ficou estabelecido que (uma enfermeira encarregada de cuidar de Maradona) teria sido a última pessoa a vê-lo com vida por volta das 6h30 da manhã (quarta-feira), no horário da troca da guarda", informou em comunicado a procuradoria.

Em depoimento prestado na quinta-feira, a enfermeira "referiu-se a tê-lo encontrado (Maradona) descansando em sua cama, garantindo que dormia e respirava normalmente".

Até esta declaração, acreditava-se que a última pessoa que o tinha visto com vida teria sido seu sobrinho Johnny Herrera, às 23h30 da terça-feira, de acordo com seu depoimento.

Ou seja, quase 12 horas antes de sua morte. O fato indignou o advogado de Maradona, que denuncia uma "idiotice criminosa".

Além disso, a enfermeira presente no momento do falecimento deu novo depoimento. "Ela disse que por volta das 7h30 ela o teria ouvido se mover dentro do quarto".

A princípio, a mulher, responsável pelo turno da manhã, havia dito que às 11h o viu dormindo e não queria incomodá-lo, preferindo esperar pela chegada marcada para o meio-dia da psiquiatra Agustina Cosachov e do psicólogo Carlos Díaz.

Foram Cosachov e Díaz que perceberam que Maradona não reagia, dando início ao chamado de socorro. Um médico da vizinhança tentou reanimar o ídolo.

A primeira ligação para a empresa do plano de saúde de Maradona foi feita às 12h17. Um minuto antes, uma ligação para o número de emergência (911) feita pelo médico pessoal de Maradona, Leopoldo Luque, foi gravada.

A primeira ambulância chegou às 12h27. A entrada de outras ambulâncias foi então observada, disse a procuradoria.

Saúde precária

A localização da casa onde Maradona fazia a reabilitação foi escolhida para que o ídolo ficasse perto das filhas.

Após a cirurgia, a recuperação estava indo bem, segundo seu médico. A saúde de Maradona, porém, era precária devido aos antecedentes cardíacos. Ele passava por uma abstinência de álcool, que costumava misturar com os muitos medicamentos prescritos que tomava.

"Diego teve alta e depois, embora a clínica recomendasse que ele fosse para outro local para ser internado, a família optou por outro lugar. Na verdade, as filhas assinaram a alta do hospital", disse o parente da família.

A reportagem tentou entrar em contato com seu médico, até agora sem resposta.

O campeão do mundo no México-1986, que esteve pelo menos duas vezes à beira da morte em 2000 e 2004, foi visto muito deteriorado no dia 30 de outubro, em sua última aparição pública no campo do clube Gimnasia, onde recebeu uma homenagem pelo aniversário de 60 anos.

O adeus

Na quinta-feira, uma multidão compareceu ao velório do ídolo na sede do governo argentino, a Casa Rosada, mas a cerimônia não durou o suficiente para que todos os admiradores de Maradona pudessem se despedir do ídolo, o que provocou incidentes nas ruas da capital.

Outras milhares de pessoas acompanharam o cortejo fúnebre até o cemitério particular de Bella Vista, noroeste de Buenos Aires, onde o corpo de Maradona foi enterrado.


AFP/Dom Total



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!