Coronavírus

12/01/2021 | domtotal.com

Mais variantes da Covid-19 devem surgir; países devem seguir monitorando

O diretor-geral da OMS saudou o anúncio de que uma missão de cientistas viajará a Wuhan para a investigação das origens da doença

Missão da OMS viajará a Wuhan para a investigação das origens da doença
Missão da OMS viajará a Wuhan para a investigação das origens da doença (Getty Images)

A Organização Mundial da Saúde acredita que novas variantes do coronavírus serão encontradas, e pede aos países que realizem sequenciamento para seguir monitorando possíveis mutações. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, afirmou em coletiva de imprensa nesta segunda (11), que a nova variante encontrada no Japão pode aumentar a pressão sobre os serviços de saúde, por conta de sua transmissão mais fácil, mas indicou que ainda não há indícios de que a mesma tenha maior mortalidade ou leve a complicações mais graves.

O diretor-geral da organização afirmou hoje que está trabalhando junto aos imunizantes chineses da Sinovac e Sinopharm, o que pode levar a uma liberação em breve das vacinas produzidas por ambas. A ação, no caso do Brasil, poderia pressionar a agência reguladora a aprovar o uso dos imunizantes da Sinovac, produzidos no país em parceria com o Instituto Butantan. Sobre a divulgação da eficácia das vacinas, a OMS aponta que há registros históricos de imunizantes que tiveram dados variando de acordo com a população na qual são aplicadas. Fatores genéticos poderiam levar a tais divergências, segundo a entidade.

"Peço que, nos próximos 100 dias, a vacinação de prioritários comece em todos países", afirmou Tedros, clamando por recursos para a iniciativa Covax que possam levar a um início da imunização em todas as nações. A OMS espera começar em fevereiro a vacinação por meio da iniciativa.

Tedros afirmou que a "economia depende de esforço global para evitar nacionalismo na vacinação". A OMS mais uma vez pediu para que a pandemia não fosse "politizada", e o diretor-geral saudou o anúncio de que uma missão de cientistas viajará a Wuhan para a investigação das origens da doença.

"Não haverá imunidade coletiva para a covid em 2021"

Apesar do fato de que em muitos países as vacinas contra a Covid-19 já estejam sendo administradas, a a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou nesta segunda-feira (11) que a imunidade coletiva não será alcançada este ano.

"Não vamos atingir nenhum nível de imunidade populacional ou imunidade coletiva em 2021", disse Soumya Swaminathan, cientista-chefe da OMS, em entrevista coletiva, insistindo na necessidade de manter as medidas de higiene e de distanciamento social, bem como o uso de máscara para conter a pandemia.

A diretora elogiou o "progresso incrível" feito pelos cientistas que participaram do desenvolvimento não de uma, mas de várias vacinas seguras e eficazes contra o novo coronavírus em um ano.

Mas, enfatizou, distribui-la "leva tempo".

"Leva tempo para aumentar a produção de doses, não é só uma questão de milhões, mas estamos falando de bilhões" de doses, disse ela, pedindo à população que seja "um pouco paciente".

Swaminathan disse que em algum momento "as vacinas chegarão. Elas chegarão a todos os países. Mas, por enquanto, não devemos esquecer que existem medidas que funcionam", lembrou.

Segundo ela, as medidas de higiene e distanciamento contra o coronavírus devem continuar em vigor "pelo menos até o final do ano".


Agência Estado/Afp



Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!