Mundo

12/01/2021 | domtotal.com

Cuba é o país da América Latina mais bem sucedido no combate ao coronavírus

País desenvolve duas versões de vacinas com tecnologia e recursos próprios

Moradores de Havana caminham de máscara como medida de prevenção contra a Covid
Moradores de Havana caminham de máscara como medida de prevenção contra a Covid (Ernesto Mastrascusa/EPA)

Mali S. Gonzales, de Havana*

Em 10 de outubro de 2020, uma mãe vai ao médico, alarmada pela febre de sua filha de 5 anos. Tosse, calafrios, altas temperaturas. Embora a menina não saia de casa há vários meses devido ao lockdown obrigatório, a mãe decide seguir seu instinto e não esperar muito tempo para levar a criança até uma clínica. Elas vivem em Havana, Cuba.

A chegada de uma criança com esses sintomas desencadeia o protocolo de cuidados contra a Covid-19 e a menina é enviada para um centro de isolamento. O hospital pediátrico conhecido como La Balear, no município de San Miguel del Padrón, acolhe a mãe e a filha. As condições materiais não são as melhores, mas há um grupo de médicos e enfermeiros que gerenciam o caso com atenção.

Como medida preventiva, ambas recebem tratamento antiviral e monitoramento sistemático da temperatura da menina. Poucas horas depois, ela é submetida a um teste PCR em tempo real, o exame molecular para detectar a presença da SARS-Cov2.  Em menos de 72 horas, elas recebem o resultado negativo e voltam para casa no mesmo dia. Mãe e filha também recebem rapidamente a visita do médico de família, o que se repetirá por três dias consecutivos.

Essa história não é inédita, nem exceção, e faz parte da vida cotidiana dos cidadãos cubanos em tempos de pandemia.

O protocolo para o atendimento de pacientes suspeitos de contaminação por Covid-19 foi apontado como um dos maiores sucessos da luta contra a doença em Cuba. Embora hoje a ilha esteja enfrentando uma nova onda da doença, que vem se propagando desde a abertura das fronteiras, os números mostram que o país caribenho se saiu melhor do que alguns de seus vizinhos na região. Até o último domingo (10), o coronavírus havia deixado 153 óbitos e 15.007 casos confirmados desde março.

Para enfrentar o vírus, a dedicação dos profissionais de saúde e o uso precoce de produtos biotecnológicos cubanos têm sido essenciais; protagonistas desde a prevenção até as salas das unidades terapia intensiva.

Diante do ressurgimento da doença, que suscitou alarme no país, foi anunciada a utilização de um desses produtos, o Nasalferon, nos viajantes que chegam do exterior e em suas famílias, gratuitamente. Especialistas explicaram à Prensa Latina que a droga evita a multiplicação do vírus e modifica a quantidade de colônias presentes no corpo. Além disso, fortalece o sistema imunológico e, em caso de contaminação, previne sintomas graves.

Pacientes em escola transformada em local de isolamento para tratar da Covid, em Havana (Yamil Lage/AFP)

Pacientes em escola transformada em local de isolamento para tratar da Covid, em Havana (Yamil Lage/AFP)

Entre essas armas de batalha sanitária, a Biomodulina T também tem sido usada como imunomodulador para prevenção em idosos e outros grupos de risco. Já a Hebertrans é aplicada em grupos de risco de forma profilática, e interferons, para tratamento antiviral. Além destes, outros dois medicamentos - Jusvinza e Itolizumab - vêm sendo utilizados para o controle das reações inflamatórias, efeitos mais severos da Covid-19 em pacientes graves. Todos esses são produtos da biotecnologia cubana.

Nos últimos meses, o número de laboratórios que realizam testes PCR aumentou para 17 em Cuba, permitindo que 15 mil diagnósticos sejam realizados diariamente. No último 9 de janeiro, por exemplo, as autoridades do Ministério da Saúde relataram a análise de 13.592 amostras. A chave deste trabalho foi a criação de mecanismo essencial para a coleta e o transporte de amostras clínicas suspeitas de conterem o vírus SARS-CoV-2: uma operação de sucesso, realizada em tempo recorde pelo Centro Nacional de Biopreparados.

Outros projetos de medicamentos e produtos, como o desenvolvimento de respiradores artificiais, se juntam à lista de esforços da biotecnologia cubana contra a Covid-19.

Dados da OMS/Gráfico de Edward Magro

Dados da OMS/Gráfico de Edward Magro

Biotecnologia como chave para o desenvolvimento e a saúde

Uma das notícias que ganhou destaque no mundo inteiro foi o anúncio de que Cuba está trabalhando em quatro candidatos à vacina contra a Covid-19. Os imunizantes Soberana 01 e Soberana 02 são desenvolvidos pelo Instituto de Vacinas Finlay (IFV). Já as vacinas Abdala e Mambisa estão a cargo do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB).

Um tuíte recente do Instituto Finlay anunciou que a Soberana 02 - atualmente em fase 2 de testes clínicos - será testada em breve no Irã, graças à assinatura de um acordo bilateral entre Havana e Teerã. De acordo com informações compartilhadas pela instituição científica, o compromisso "permitirá um progresso mais rápido na imunização contra a Covid-19 nos dois países".



As duas Soberanas aparecem na lista de 63 imunizantes registrados na fase de ensaios clínicos da Organização Mundial da Saúde (OMS) até 5 de janeiro. Cuba é o único país da América Latina a ter chegado mais longe na busca de uma vacina.

O cientista Vicente Vérez Bencomo, diretor-geral da IFV e líder do projeto, afirma que "a Soberana 02 especificamente, devido às suas características, mostrou uma resposta imunológica precoce (aos 14 dias), o que lhe permitiu passar mais rapidamente para a fase 2 de ensaios clínicos". Ele acrescenta que Soberana 01 "também demonstrou muito boa segurança e resposta imunológica, mas é mais lenta devido ao tempo necessário entre uma dose e outra, portanto, espera-se que entre na fase 2 do ensaio clínico em fevereiro. Ambas têm demonstrado resultados positivos à segurança e à resposta imune", conclui o cientista.         

Diante destes resultados, no final de dezembro, Eduardo Martínez, presidente do BioCubaFarma Business Group, revela que no final do primeiro trimestre de 2021 Cuba poderá iniciar a imunização contra a Covid-19. "Queremos obter autorização para um uso emergencial e começar a vacinar todo o pessoal de grupos de risco: os médicos que trabalham na linha de frente do combate contra a doença e os profissionais de saúde", diz o executivo da empresa que reúne as instituições da biotecnologia cubana.                          

Com os resultados otimistas dos testes, Cuba decidiu começar a aumentar a produção, disse o cientista à TV. Desta forma, quando a vacina estiver pronta, a imunização poderá começar. No entanto, esta estratégia foi afetada pelos problemas financeiros que o país sofre e que se agravaram no último ano, com um forte impacto na vida cotidiana dos cubanos.

Dados da OMS/Gráfico de Edward Magro

Dados da OMS/Gráfico de Edward MagroO executivo explica que algumas empresas internacionais foram pressionadas a não colaborar com a BioCubaFarma. "Elas estão estudando os 10% do componente norte-americano. Não podemos sequer revelar o nome das empresas", explicou ele.

A recusa das empresas é uma resposta a uma das cláusulas do embargo dos Estados Unidos contra Cuba: Washington estabelece que nenhum produto ou equipamento com mais de 10% de componentes norte-americanos pode ser vendido a Havana.

Os resultados obtidos até agora com as vacinas Mambisa e Abdala também refletem a segurança e inocuidade de ambas, disse Eulogio Pimentel Vázquez, diretor geral do CIGB. Mas nem o protocolo único de cuidados contra a Covid-19, nem o avanço dos candidatos à imunizantes ocorrem por acaso.

Em recente entrevista à Sputnik, o professor italiano Fabrizio Chiodo, professor da Faculdade de Química da Universidade de Havana e um dos especialistas estrangeiros envolvidos no desenvolvimento das vacinas Soberanas, resumiu os antecedentes desta realidade em três pontos.

"Saúde totalmente pública, biotecnologia totalmente pública e uma grande confiança neste sistema. Um sistema supereficiente para muitos, com um papel fundamental para a medicina territorial. Cuba, com 11 milhões de habitantes, teve apenas pouco mais de 150 mortes por causa da Covid-19 até agora", disse ele.

A estreita relação entre a saúde pública e as necessidades da população são citadas por outros especialistas como outras razões para a capacidade de Cuba alcançar um alto desenvolvimento tecnológico para uma nação do terceiro mundo.

Ao longo de sua vida, cada criança cubana recebe 11 vacinas de acordo com o cronograma oficial de imunização. Destas, oito são produzidas pela empresa nacional de biotecnologia. Foi no Instituto Finaly que nasceu uma das vacinas que contam como um marco na história da saúde em Cuba, salienta um artigo publicado pela BioCubaFarma.

"A vacina antimeningocócica BC, desenvolvida no final dos anos 1980, sob a orientação do doutor Concepción Campa Huergo, foi a primeira de seu tipo no mundo para o controle da meningite tipo B. Patenteado por cientistas cubanos, recebeu a Medalha de Ouro da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI)", diz a publicação. Hoje, as vacinas cubanas protegem contra 14 doenças infecciosas.

Muitos cientistas cubanos concordam que as sementes do desenvolvimento do país em saúde e biotecnologia começaram a ser plantadas há décadas com a Campanha de Alfabetização e livre acesso, onde apenas o talento é mediado, e as oportunidades de formação universitária para todos os cubanos. Em resumo, a história por trás dos candidatos à vacina em Cuba é mais longa do que imaginávamos.

Leia também:

Cuba abre as portas ao capital externo                                                                              


Dom Total

*Mali S. Gonzáles é jornalista formada pela Universidade de Havana



Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!