Religião

29/01/2021 | domtotal.com

Dor no ciático impede papa de discursar de pé à juízes da Igreja

Francisco manifestou preocupação pelos filhos de casamentos nulos

Papa Francisco, na audiência de fim de ano com membros da cúria romana, em 21 de dezembro de 2020, no Vaticano
Papa Francisco, na audiência de fim de ano com membros da cúria romana, em 21 de dezembro de 2020, no Vaticano (Handout/AFP)

O papa Francisco recebeu nesta sexta-feira (29) "sentado" um grupo de membros de um tribunal da Santa Sé, devido a uma dor no ciático que o impediu de pronunciar seu discurso de pé.

"Deveria falar com vocês em pé, mas vocês sabem que o ciático é um hóspede um pouco irritante. Peço desculpas, falarei sentado", comentou o pontífice antes de pronunciar um discurso aos membros da Rota Sagrada, o tribunal encarregado da anulação dos matrimônios eclesiásticos.

Este é um encontro tradicional organizado em janeiro com ocasião da inauguração do ano judicial. O pontífice, de 84 anos, adiou há uma semana vários compromissos previstos, entre eles o encontro anual com o corpo diplomático. Devido ao seu problema de saúde, ele também renunciou a presidir a missa de domingo. Francisco, afetado por uma "dor no ciático", também não presidiu as celebrações litúrgicas programadas para o fim de ano, em 31 de dezembro e 1o de janeiro.

O papa argentino usa sapatos especiais devido a essa lesão no nervo ciático que o incomoda há vários anos. No avião de retorno de sua primeira viagem ao exterior em 2013, o papa argentino confessou aos jornalistas que o ciático marcou seu primeiro mês de pontificado. "O pior? É que me veio uma dor no ciático, a tive no primeiro mês. Porque para fazer as entrevistas eu precisava sentar em uma poltrona, e isso me prejudicou. É uma dor ciática muito, muito dolorosa. Não a desejo para ninguém", confessou aos jornalistas que o acompanhavam de um retorno do Brasil.

O papa argentino já recebeu a primeira dose da vacina contra a covid-19. Francisco é considerado uma pessoa de risco, já que quando tinha 21 anos, em 1957, sofreu uma pleurisia aguda e os cirurgiãos precisaram remover parcialmente seu pulmão direito.

Audiência com o papa na Sala Clementina (Vatican Media)Audiência com o papa na Sala Clementina (Vatican Media)

Discurso do papa

O discurso do papa à Rota Romana, então, foi direcionado ao tema do matrimônio legalmente declarado nulo e de uma questão relevante: "o que será dos filhos e da parte que não aceita a declaração de nulidade?" Em se tratando do bem integral das pessoas, as escolhas diante dessa "árdua transição dos princípios aos fatos" irão afetar diretamente as crianças:

"A nova união sacramental, que se segue à declaração de nulidade, será certamente uma fonte de paz para o cônjuge que a pediu. Entretanto, como explicar aos filhos que - por exemplo – a sua mãe, abandonada pelo pai e muitas vezes não disposta a estabelecer um outro vínculo matrimonial, recebe a Eucaristia dominical com eles, enquanto o pai, convivente ou aguardando a declaração de nulidade do matrimônio, não pode participar da mesa eucarística?".

O papa recordou que esse tipo de questionamento sobre o tema da família já foi feito em várias sedes, como nas assembleias dos bispos de 2014 e 2015. Os Padres Sinodais perceberam o quanto é difícil, "às vezes impossível, oferecer respostas". Diante a tantas preocupações e sofrimentos, "um instrumento pastoral útil" da Igreja é a Exortação Apostólica Amoris laetitia, tanto que, em 19 de março, começa o "Ano da Família Amoris laetitia". No documento, explicou o pontífice, são dadas "indicações claras para que ninguém, especialmente os pequenos e os que sofrem, seja deixado sozinho ou tratado como um meio de pressão entre pais divididos (cf. Exortação Apostólica Amoris laetitia, 241)."

Francisco, então, fez um apelo ao exercício de uma missão "carregada de sentido pastoral", sobretudo quando se trata de uma "delicada decisão sobre nulidade ou não de uma união conjugal":

"Caros Juízes, nos seus julgamentos, não deixem de dar testemunho desta ansiedade apostólica da Igreja, considerando que o bem integral das pessoas exige que não permaneçamos inertes diante dos efeitos desastrosos que uma decisão sobre a nulidade matrimonial pode acarretar. Ao Tribunal Apostólico de vocês, assim como aos outros Tribunais da Igreja, é solicitado que ‘os procedimentos para o reconhecimento de casos de nulidade sejam mais acessíveis e ágeis, se possível, completamente gratuitos" (ibidem, 244). A Igreja é mãe, e vocês, que têm um ministério eclesial numa área tão vital como a atividade judiciária, são chamados a se abrir aos horizontes desta difícil pastoral, mas não impossível, que diz respeito à preocupação com os filhos, como vítimas inocentes de tantas situações de ruptura, divórcio ou de novas uniões civis (cf. ibidem, 245)".

O papa lembrou que "muitas vezes a declaração de nulidade matrimonial é pensada como um ato frio de uma mera decisão jurídica", mas que não deve ser assim. "Não devemos nos cansar de dedicar toda a atenção e cuidado à família e ao matrimônio", enfatizou Francisco, não esquecendo que todas as decisões terão efeitos diretos nos filhos.

Ao final do discurso dirigido aos colaboradores do Tribunal Apostólico, o papa aproveitou para também fazer um apelo aos bispos para que "se abram sempre mais ao desafio ligado a essa temática". É um caminho caminho eclesiológico e pastoral necessário para não deixar à intervenção somente das autoridades civis, "os fiéis que sofrem por julgamentos não aceitos e sofridos".

"É mais urgente do que nunca que os colaboradores do bispo, em particular o vigário judicial, os agentes da Pastoral Familiar e, especialmente os párocos, se esforcem para exercer essa diaconia de tutela, cuidado e acompanhamento do cônjuge abandonado e eventualmente dos filhos, que sofrem as decisões, por mais justas e legítimas que sejam, de nulidade matrimonial".

Ao final do discurso escrito, o papa, improvisando, agradeceu o trabalho realizado pelo decano que, em alguns meses, deverá deixar o cargo por completar 80 anos. Um agradecimento a dom Pio Vinto Pinto "pela tenacidade que teve em levar adiante a reforma dos processos matrimoniais. Apenas uma sentença, depois o processo breve, que foi como uma novidade, mas era natural porque o bispo é o juiz". Francisco, aproveitou a oportunidade, para contar que recebeu muitos telefonemas e cartas após a promulgação do processo breve - "que teve e tem muitas resistências" e que, segundo as determinações do papa, confia a decisão sobre uma eventual nulidade ao bispo diocesano: "o juiz é o bispo. Ele deve ser ajudado pelo vigário judicial, deve ser ajudado pelo promotor de justiça, ele deve ser ajudado. Mas ele é o juiz, não pode lavar as mãos. E voltar a isso que é a verdade evangélica".


AFP/ Vatican News/ Dom Total



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!