Mundo

04/02/2021 | domtotal.com

Relatório recomenda que Biden suspenda acordos com governo Bolsonaro

Documento de ONGs e professores universitários americanos sugere a suspensão de acordos firmados com o Brasil durante a presidência de Bolsonaro

Documento aborda questões sobre proteção da democracia, direitos indígenas, preservação ambiental, economia e apoio militar
Documento aborda questões sobre proteção da democracia, direitos indígenas, preservação ambiental, economia e apoio militar (Isac Nóbrega/PR)

O governo Biden recebeu nesta semana um documento de 31 páginas assinado por ONGs internacionais e professores de universidades americanas que pedem a suspensão de acordos com o Brasil durante a presidência de Jair Bolsonaro. No texto, ativistas pedem, entre outras medidas, o congelamento de negociações de comércio bilateral com o Brasil e retirada do apoio americano à adesão do Brasil como membro da OCDE - concedido no governo Trump.

No documento, ao qual o Estadão teve acesso, ativistas afirmam que o relacionamento "especialmente próximo" entre Trump e Bolsonaro tem sido "um fator de legitimação" do presidente brasileiro e de "suas tendências autoritárias". "A aliança Trump-Bolsonaro tem levado muitos brasileiros que apoiam valores democráticos e o Estado de direito a questionar se Washington é, de fato, um parceiro confiável na luta pela proteção e expansão da democracia", dizem os autores do documento.

Diante da preocupação manifestada por Biden durante a campanha com a preservação da Amazônia, a carta das ONGs sugere que a política externa americana considere a proteção também de outros ecossistemas, como cerrado, Pantanal e Mata Atlântica.

Durante a campanha eleitoral, Biden chegou a afirmar que "reuniria o mundo" para garantir um plano de preservação da Amazônia. A floresta foi mencionada no plano climático divulgado pelo americano na semana passada.

Durante o governo Trump, Bolsonaro contou com um aliado na Casa Branca e declarou apoio à reeleição do republicano. O presidente do Brasil foi o último dos países do G-20 a reconhecer a vitória de Biden e não telefonou para parabenizá-lo pela posse presidencial, em janeiro. Ativistas apostam que a nova Casa Branca pressionará o governo Bolsonaro a assumir compromissos de preservação ambiental.

O documento aborda questões sobre proteção da democracia, direitos indígenas, preservação ambiental, economia, apoio militar e acordo sobre a base de Alcântara, direitos humanos, violência policial, liberdade religiosa, trabalho, saúde pública e pandemia.

O relatório foi organizado pela associação chamada Rede nos Estados Unidos pela Democracia no Brasil, fundada em dezembro de 2018 por 200 ativistas e acadêmicos. Membros da organização costumam organizar cartas de repúdio ao governo Bolsonaro, muitas vezes com apoio de parlamentares da ala de esquerda do Partido Democrata no Congresso. 

Entre os nomes que colaboraram com o texto estão: o brasilianista e professor da Brown University, James Green; Paulo Abrão, ex-secretário executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH); e Andrew Miller, da ONG Amazon Watch. No total, há cerca de 120 signatários, entre eles professores e acadêmicos de outras universidades americanas como Yale, UCLA e Columbia e representantes de ONGs ligadas à proteção ambiental, como o Greenpeace e a Friends of the Earth. 


Agência Estado



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!