Religião

05/02/2021 | domtotal.com

A sua maldade tem uma razão, mas há um caminho para se libertar

O instinto de autopreservação pode culminar num fechamento radical do 'eu', princípio do mal

O impulso para destruir o outro pode advir do instinto de autopreservação, seja pela defesa, seja para alimentar-se do outro ser
O impulso para destruir o outro pode advir do instinto de autopreservação, seja pela defesa, seja para alimentar-se do outro ser (Unsplash/Zdenek Machácek)

Gilmar Pereira*

Se considerarmos o humano como resultante da evolução natural, ainda que concebendo aí a intervenção criadora de Deus, deveremos confessar que ele também é animal e guarda consigo suas origens de modo complexo. Assim sendo, mesmo os sentimentos e emoções daquele que dizem destacar da natureza pela sua racionalidade talvez encontrem similaridade com os outros seres vivos. Dito isso, vale olhar para a raiva ou ira como uma evolução ou complexificação de um instinto que leva outros seres a atacar.

No reino animal, ataca-se geralmente por dois motivos: defender-se do outro, o que leva uma certa carga de medo, ou comer. De fato, o impulso para destruir o outro pode advir do instinto de autopreservação, seja pela defesa (de si, do seu grupo, do que lhe mantém bem e vivo e pode garantir sua perpetuação), seja para alimentar-se do outro ser. Em ambos os casos, não há valoração moral, não se trata de algo bom ou mal, mas faz parte da luta pela (própria) vida.

Já com o ser humano, esse instinto vai além da manutenção da própria vida e integridade, chegando à proteção do eu (ou ego), mesmo no que tange a questões subjetivas ou sociais. Se um animal pode destroçar o outro para come-lo  – e por isso o ataca –, às vezes na vida em sociedade um parece querer comer o outro a fim de se manter no mercado de trabalho e garantir não só o alimento, mas tudo do que se alimenta como diversão e arte. Pode-se matar para garantir consigo aquilo que traz alguma sensação de completude e bem-estar.

Justamente por secundar outra vida em detrimento dos bens é que a ira humana pode ganhar valoração moral, porque consiste na afirmação absoluta de si em desfavor do outro. Essa falta de reconhecimento da importância e dignidade da alteridade esgarça o tecido social ao passo que também viola o princípio humano de realização de si, o que se dá na vivência do amor, do encontro. Aqui encontramos o princípio do mal: a afirmação de si que chega ao desprezo do outro.

Com efeito, o ser humano caminha numa tensão entre fechar-se e esvaziar-se, entre o individualismo exacerbado e o coletivismo alienante. Os dois são ruins. O fato é que o indivíduo se realiza no encontro, afirmando-se em sua singularidade e acolhendo o outro. Uma pessoa sem os sentidos não conseguiria formar a consciência, não saberia sequer de si se não soubesse dos demais. O não-eu gera o eu, poderíamos dizer filosoficamente. A personalidade também se funda na vivência da criança pelo olhar que recebe dos pais. Entretanto, se não se distinguir, não se afirmar em alguma medida, ela se dissolverá, irá se despersonalizar, deixará de ter um eu. Quando ela dá conta de afirmar-se, consegue reconhecer o que está para além dela. Filosoficamente, o inverso acontece, o eu gera o não-eu.

Ademais, não é possível relação quando um é apenas extensão do outro. Precisa-se no mínimo de dois. Sem distinção não há relação. Portanto, o caminho saudável está em reconhecer-se e às suas próprias riquezas ao passo que se pode dizer que o outro também é valioso e capaz de lhe receber. Em outras palavras: porque o outro é digno em si mesmo, ele é digno de mim, que também tenho dignidade. Trata-se de ver a si e ao outro como dons. Não é amar a si primeiro para depois amar o outro. Não tem hierarquia temporal. Cabe amar o outro e a si. Ou, como diz Jesus, amar o próximo como a si mesmo.

Quando se fala, portanto, do princípio do mal, fala-se do rompimento com essa lógica do amor, do fechamento do indivíduo em si  – o que não é amor por si, mas egoísmo. O indivíduo mal também não se ama, porque não chega a se reconhecer como dom. Ele busca fora o que não encontra dentro. É por isso que ele se lança sobre as coisas, para ser maior que elas, para se impor sobre elas, chegando até mesmo a acabar com elas. Como um faminto, ele quer devorá-las, destruí-las. Outras vezes, assim age não apenas para se impor, mas por medo. Ele quer destruir tudo o que se lhe apresenta como ameaça, que revele sua fragilidade e pobreza.

Isso talvez explique (mas não justifica) o homem que agride a esposa, pois não vê sua dignidade, reduzindo-a a objeto de sua saciedade. Às vezes se sente ameaçado de traição porque, no fundo, sabe que ela pode encontrar alguém melhor, teme o abandono. Isso quem lhe aponta é seu vazio e limitação (que nega, mas está sempre à sua frente). O fechamento em si, gerador do mal, também diz porque alguém pode agredir o outro tendo em vista sua orientação sexual, etnia ou até pertença a outro time. O distinto é visto como ameaça ou como desejo. Algo em si é suscitado diante do outro, gerando um conflito que, por não ser resolvido, culmina na decisão por diminui-lo ou mesmo eliminá-lo. O problema nunca está em quem é agredido, mas no agressor.

O mal não é externo ao indivíduo, ele nasce no coração do humano. Tudo começa pequeno, num flerte com o mal, o que às vezes se dá numa omissão. Não é só o Reino de Deus que começa pequeno como grão de mostarda e depois se torna grande. Ninguém começa grandes atrocidades da noite para o dia. O que acontece é que comumente as pessoas não admitem que estejam fazendo o mal. Caminha-se na má-fé, criando escusas para continuar na mesma prática. Daí é fácil culpar o outro pelo erro que é seu ou até mesmo atribuir uma origem mística, dizendo que é obra do diabo. A visão mágica de mundo ajuda a camuflar a falta de responsabilidade com a própria vida. Aí a alienação se torna escolha. Há pessoas que são más e mentem para si para continuar o sendo.

A agressividade e a tendência à destruição podem ser movimentos naturais, como um impulso de resistência e preservação, seja de si ou do grupo a que se pertença. Podem ser corretas em inúmeras vezes, o que chamamos de legítima defesa. Contudo, quando partem de uma absolutização do eu, que nega radicalmente a alteridade, elas se tornam prática do mal. Por isso a fé apregoa como caminho salvador o negar-se a si mesmo, tomar a cruz e seguir o Cristo. Quem não se fecha em si tem a potência de transformar a ira em indignação, movimento orientado pela promoção do direito e da justiça, que quer romper com o que destrói e faz mal ao outro. Nesse caso, a pulsão de morte pode se torna princípio de vida.

*Gilmar Pereira é mestre em Comunicação e Semiótica, graduado em Filosofia e Teologia, possui estudos em Fotografia e cursa Psicanálise. É professor, mestre de cerimônias e responsável pela editoria de religião do portal Dom Total



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!



Outras Notícias