Religião

10/02/2021 | domtotal.com

CFE 2021, exclusivismo teológico e arrogância: questões pertinentes

Apesar dos apelos à unidade, sementes da divisão estão espalhadas na Igreja

Comissão da CFE 2021 é formada por representantes das igrejas-membro do CONIC, além da Igreja Betesda de São Paulo, como igreja observadora, e o Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e à Educação Popular (Ceseep), como membro fraterno
Comissão da CFE 2021 é formada por representantes das igrejas-membro do CONIC, além da Igreja Betesda de São Paulo, como igreja observadora, e o Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e à Educação Popular (Ceseep), como membro fraterno (Conic)

Felipe Zangari*

A Igreja Católica no Brasil está, mais uma vez, dividida contra si mesma. Depois dos traumas vividos pela polarização das eleições presidenciais de 2014 e 2018, o fermento diabólico está agora atuando por meio da Campanha da Fraternidade – ação já tradicional da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e que, este ano, assumiu mais um vez uma dimensão ecumênica e foi elaborada e assumida pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic). Nem chegamos ainda à quarta-feira de cinzas, que marca o início oficial da CFE, e os grupos de discussão na Igreja Católica já estão fervendo por conta das "polêmicas" envolvendo o texto-base e o repasse de verbas oriundas da Coleta da Solidariedade que se faz anualmente no Domingo de Ramos para ajudar no financiamento de ações sociais correlatas ao tema de cada Campanha.

Leia também:

As raízes das controvérsias do texto-base

As tais "polêmicas" do texto envolvem, num primeiro momento, trechos que associam a cultura de violência em que estamos mergulhados a questões de gênero e intolerância religiosa. As menções a esses temas foram colocadas pelos críticos na conta da pastora luterana Romi Bencke, que tem buscado, na sua produção acadêmica, criar espaços mais evidentes para a emancipação feminina e para o combate às violências de gênero. Romi, que atualmente ocupa o posto de secretária do Conic, é acusada por alguns de seus críticos de ser abortista, por incluir em suas reflexões a sensível questão ética que envolve a interrupção de gravidez. "Como pode uma pastora que defende o aborto produzir um material católico?", perguntam nas redes sociais.

Além desse constrangimento, a CF 2021 tem sofrido críticas por "esconder" no seu texto-base a figura de Nossa Senhora , tão importante na teologia católica. A omissão das referências marianas no texto que guia a campanha é vista pelos críticos como uma concessão exagerada ao movimento ecumênico – como se fosse um aval à perda da identidade confessional.

O medo do Fundo Nacional de Solidariedade

Essas críticas, somadas ao já batido discurso que associa as reflexões da CF aos erros doutrinais da Teologia da Libertação, criaram pânico entre os fiéis católicos em vários pontos do Brasil. Tanto que, mais uma vez, surgiu a dúvida sobre se um verdadeiro católico deveria ou não colaborar com o Fundo Nacional de Solidariedade, a partir da coleta que se faz no Domingo de Ramos. Plantou-se nas redes sociais o temor de que o dinheiro dos católicos fosse usado para projetos abortistas ou defensores da dita "ideologia de gênero".  Estão fortes nas redes, especialmente entre os setores mais à direita do espectro político, iniciativas de boicote a essa arrecadação organizada e, depois, distribuída entre os projetos chancelados pela CNBB.

As sementes da divisão estão entre nós, por todos os lados

Afinal de contas, onde está a virtude nessa briga de gladiadores virtuais? Quem está com a razão? Onde isso tudo vai acabar? Comecemos ajudando a discernir as responsabilidades e iluminando questões para reflexão.

Primeiramente, a CNBB. A nota divulgada pela presidência para tentar contornar a crise da CF 2021 afirma, sobre o texto-base, que "não se trata de um texto ao estilo do que ocorreria caso fosse preparado pela comissão da CNBB, pois são duas compreensões distintas, ainda que em torno do mesmo ideal de servir a Jesus Cristo". 

Ao pontuar desse modo, a Conferência Episcopal busca aliviar a mão diante de eventuais desvios aos pressupostos doutrinais católicos que estejam no texto. É uma concessão ao diálogo ecumênico, dirão alguns. Mas está o catolicismo brasileiro suficientemente maduro na sua fé para viver essa perspectiva ecumênica sem se deixar abalar ou ser acusado de doutrinação ideológica? Vale a pena convencer os membros da Igreja Católica a assumirem uma reflexão ecumênica dentro de um tempo forte para a espiritualidade como é a Quaresma, marcado tão intensamente pelo apelo à conversão dos costumes, ao sacramento da Reconciliação e ao abandono dos vícios? É ainda a Quaresma o tempo mais apropriado para desenvolver a CF no Brasil, dentro do nosso contexto atual? Aí estão alguns abacaxis para os mitrados brasileiros – que há anos já vêm vivendo um aprofundamento dos dissensos – descascarem nas próximas Assembleias da Conferência.

Depois, os militantes progressistas. É mesmo necessário colocar as pautas identitárias em discussão até mesmo na esteira da espiritualidade quaresmal? Há realmente a necessidade de tentar abrir a fórceps a cabeça de pessoas que querem simplesmente colher os frutos espirituais da Quaresma para abandonar práticas que desagradam a própria consciência e o coração de Deus? Não é mais inteligente apelar ao magistério pontifício sobre a Doutrina Social da Igreja para abordar a inclusão social em vez de introduzir nos debates as referências de pensadores e literatos notadamente ateístas? Não é hora de assumir uma conversão interna dos discursos para que se tornem mais fecundos nos corações de uma sociedade cada vez mais conservadora e anti-intelectual?

Por fim, os defensores da sã doutrina. Não há, de modo algum, demérito em manter intacto o depositum fidei. O problema é o método para tal. A cultura da lacração virtual é o caminho apresentado pelo evangelho para essa defesa? É um gesto verdadeiramente cristão defender a fé lançando leviandades sobre a reputação alheia? Essa defesa da fé está mesmo ideologicamente purificada ou é financiada ou incentivada por um liberalismo econômico travestido de retidão moral? O santo padre, Francisco, pontífice reinante da Igreja, provoca: "Deve-se reconhecer que os fanatismos, que induzem a destruir os outros, são protagonizados também por pessoas religiosas, sem excluir os cristãos, que podem 'fazer parte de redes de violência verbal através da internet e vários fóruns ou espaços de intercâmbio digital. Mesmo nos media católicos, é possível ultrapassar os limites, tolerando-se a difamação e a calúnia e parecendo excluir qualquer ética e respeito pela fama alheia' Agindo assim, qual contribuição se dá para a fraternidade que o Pai comum nos propõe?" (Fratelli tutti, 46)

Sem maturidade, sobram apenas os danos

Fiquemos, por fim e como semente de esperança, com um convite à maturidade, reverberado pelo papa Francisco: "A sabedoria não se fabrica com buscas impacientes na internet, nem é um somatório de informações cuja veracidade não está garantida. Desta forma, não se amadurece no encontro com a verdade. As conversas giram, em última análise, ao redor das notícias mais recentes; são meramente horizontais e cumulativas. Mas, não se presta uma atenção prolongada e penetrante ao coração da vida, nem se reconhece o que é essencial para dar um sentido à existência. Assim, a liberdade transforma-se numa ilusão que nos vendem, confundindo-se com a liberdade de navegar frente a um visor. O problema é que um caminho de fraternidade, local e universal, só pode ser percorrido por espíritos livres e dispostos a encontros reais" (Fratelli tutti, 50).

*Felipe Zangari - Jornalista (Cásper Líbero, 2005) e professor de Ensino Religioso. Bacharel em Teologia (Claretianos, 2017) e mestre em Ciências da Religião (PUC-Campinas, 2019). Atualmente é diretor-executivo da rádio Brasil (emissora da Arquidiocese de Campinas-SP) e leciona no Liceu Salesiano Nossa Senhora Auxiliadora (Campinas-SP)

O texto reflete a opinião pessoal do autor, não necessariamente do Dom Total. O autor assume integral e exclusivamente responsabilidade pela sua opinião.



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!