Religião

03/03/2021 | domtotal.com

Pandemia: SP e DF tornam cerimônias religiosas como atividades essenciais

Para especialistas, as cerimônias religiosas têm alto risco de contaminação e vão na contramão dos esforços implementados para evitar um colapso da rede de saúde

A epidemiologista Denise Garrett entende que a fé e espiritualidade para algumas pessoas são importantes, mas considera que o objetivo principal deve ser não colocar em risco a vida das pessoas
A epidemiologista Denise Garrett entende que a fé e espiritualidade para algumas pessoas são importantes, mas considera que o objetivo principal deve ser não colocar em risco a vida das pessoas (Gabriella Clare Marino / Unsplash)

O Brasil atravessa o pior momento da pandemia, com UTIs lotadas e altas taxas de transmissão da Covid-19. Na tentativa de conter o avanço do vírus, governadores e prefeitos têm determinado restrições de circulação e fechamento do comércio. A permissão para manter igrejas abertas durante a quarentena, no entanto, tem sido criticada por especialistas. Os governadores João Doria (PSDB) e Ibaneis Rocha (MDB), de São Paulo e do Distrito Federal respectivamente, classificaram as cerimônias religiosas como atividades essenciais, garantindo seu funcionamento mesmo na fase mais restritiva dos seus planos de combate à pandemia.

Para especialistas, as cerimônias religiosas, geralmente realizadas em locais fechados e com número grande de pessoas, têm alto risco de contaminação e vão na contramão dos esforços implementados para evitar um colapso da rede de saúde.

"Neste momento da pandemia, com as altíssimas taxas de transmissão que temos, considero essa medida totalmente incorreta, porque existem vários relatos de milhares de casos e centenas de surtos ligados a eventos religiosos, nos Estados Unidos, por exemplo, e vários publicados ao redor do mundo, diz a epidemiologista Denise Garrett, vice-presidente do Instituto Sabin Vaccine. "É inconcebível que, em uma situação que estamos enfrentando no Brasil, que é a pior fase, em que as restrições começam a ser adotadas, se ande na contramão do controle da pandemia".

O médico e pesquisador da USP Marcio Bittencourt também cita casos de surtos em outros países. "Temos documentação conhecida de casos de super contaminação em ambientes religiosos na Alemanha, na Coreia e em outros países. O principal evento da primeira grande complicação na Coreia do Sul foi um evento religioso, então a gente tem documentação que demonstra que, mais do que em outros ambientes, o ambiente religioso, com cantos e aglomerações de pessoas, é um ambiente de risco".

Leia também:

A epidemiologista Denise Garrett enumera algumas razões pelas quais considera um erro do poder público liberar as atividades religiosas agora. "É um ambiente de alto risco, pois geralmente é fechado, com várias pessoas aglomeradas, pouca ventilação e este risco é muito aumentado pelas pessoas cantando e falando ao mesmo tempo. E, mesmo com o uso de máscara e distanciamento, essas medidas ajudam a diminuir o risco, mas elas não o eliminam", avalia.

E prossegue indicando situações em que os cuidados podem não surtir efeito. "Sabemos que mesmo com distanciamento, álcool em gel, ainda assim pode haver uma transmissão pelo ar quando os hinos são cantados na igreja através de coros e sermões. Isso torna o ambiente de muito risco mesmo porque algumas das máscaras, se não são usadas corretamente, se houver espaços vagos entre a face e a máscara, permite-se ali a liberação ou inalação de partículas através desses espaços", alerta.

Denise entende que a fé e espiritualidade para algumas pessoas são importantes, principalmente em uma fase tão difícil, mas considera que o objetivo principal deve ser não colocar em risco a vida das pessoas. "A espiritualidade, para ser exercida, não precisa ser em aglomerações em lugares fechados. Pode ser exercida de outras maneiras, além dos encontros virtuais que muitas igrejas têm feito. Há também outras opções, como encontros em locais abertos, mantendo um distanciamento com máscara, que seria uma situação bem mais segura".

Procurada, a secretaria de saúde do estado de São Paulo disse à reportagem que o posicionamento oficial foi dito pelo governador João Doria (PSDB) durante coletiva de imprensa em que divulgou a mudança na classificação dessas atividades. 

Também reforçou que os templos deverão seguir medidas sanitárias como ocupação limitada dos assentos, distanciamento social, aferição da temperatura na entrada e uso obrigatório de máscaras. Procurado, o governo do Distrito Federal não se manifestou.

Igrejas têm 'função essencial'

Na segunda-feira (1º) o  governador João Doria anunciou a assinatura de um decreto publicado no Diário Oficial na terça-feira (2) que classifica as igrejas como atividades essenciais em todo o estado de São Paulo durante a pandemia. Ele explicou que pretende transformar o decreto em lei "para que fique claro que as igrejas têm uma função essencial".

"O decreto será publicado e vamos transformar isso em lei. Igreja, de qualquer natureza, tem uma função essencial, mas não está desobrigada a seguir as orientações sanitárias. As igrejas de qualquer religião têm um papel essencial. Todos sabem que eu sou católico e a oração ajuda muito a aumentar a resiliência e esperança em relação ao futuro", explicou.

Ele reforçou que os templos deverão seguir medidas sanitárias como ocupação limitada dos assentos, distanciamento social, aferição da temperatura na entrada e uso obrigatório de máscaras.

Pelo Twitter, o pastor Silas Malafaia, presidente da Assembleia de Deus, parabenizou o governador pela decisão. "Temos discordâncias políticas. Reconhecer as religiões como atividade essencial, dentro das normas sanitárias, você acertou!", escreveu.

Histórico

Na semana passada, o governador havia vetado um projeto de lei do deputado estadual Gil Diniz (sem partido) que reconhecia a atividade religiosa como essencial em tempos de crise, inclusive durante uma pandemia. Pela proposta, os templos deveriam obedecer às determinações do Ministério da Saúde.

A tentativa de incluir igrejas no rol de serviços essenciais começou no início da pandemia. Em 26 de março, o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto permitindo que os templos religiosos fiquem abertos durante a pandemia. A decisão chegou a ser barrada na justiça, mas depois voltou a ser válida.

Com o impasse sobre o que é essencial ou não, o Supremo Tribunal Federal (STF) deu autonomia aos estados para que definam as atividades locais essenciais durante a pandemia.


Agência Estado/Dom Total



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!