Meio Ambiente

21/03/2021 | domtotal.com

Impressão em 3D de argila cozida recupera corais em Hong Kong

As placas usadas em Hong Kong são feitas de argila cozida, cujo impacto ambiental é limitado

Nesta foto aérea de 2 de fevereiro de 2021, mergulhadores nadam sobre telhas de argila impressas em 3D, projetadas para funcionar como um leito artificial para corais
Nesta foto aérea de 2 de fevereiro de 2021, mergulhadores nadam sobre telhas de argila impressas em 3D, projetadas para funcionar como um leito artificial para corais (Anthony WALLACE/AFP)

Em silêncio, cientistas expressaram satisfação quando, sob as águas de Hong Kong, observaram um molusco proteger seus ovos, escondendo-os em estruturas impressas em 3D, que devem funcionar como leitos artificiais para os frágeis recifes de coral.

Para estes pesquisadores-mergulhadores da Universidade de Hong Kong (HKU), a presença de animais selvagens nestas lajes colocadas no verão passado confirma o seu empenho na utilização das mais recentes tecnologias ao serviço do ambiente.

"A impressão 3D nos permite fabricar placas personalizadas para este ou aquele ecossistema, e é aí que o verdadeiro potencial desta tecnologia é visto", explica David Baker, professor da Escola de Ciências Biológicas de HKU.

A imagem mais comum de Hong Kong é a de uma selva urbana densamente plantada com altos arranha-céus.

Mas esta é apenas uma das realidades de um território que tem três quartos cobertos por parques naturais, montanhas e florestas e, como pano de fundo, as águas do Mar do Sul da China, com seus recifes de coral.

Cerca de 84 espécies de corais vivem em torno de Hong Kong, uma diversidade maior, segundo os cientistas, do que a do Mar do Caribe.

Antes, poucos peixes

A maioria está em enseadas relativamente protegidas, distantes do delta do Rio das Pérolas no oeste e seu tráfego marítimo pesado. Mas assim como os recifes em outras partes do mundo são afetados pela mudança climática, os corais em Hong Kong também sofrem.

E é por isso que os biólogos marinhos da HKU se mobilizaram. Os cientistas começaram a colocar grandes placas impressas em 3D no fundo da água, como recifes artificiais para abrigar as larvas de coral. "Quando fizemos isso, havia poucos peixes", disse o pesquisador Vriko Yu durante uma visita de inspeção à pequena baía de Hoi Ha Wan, um parque marinho protegido no extremo leste de Hong Kong. Seis meses depois, a vida voltou, incluindo aquele molusco, de presença "emocionante", segundo Yu.

O governo ordenou o início de investigações sobre a condição dos corais em Hoi Ha Wan após um grave episódio de branqueamento, que eliminou a maioria deles. O clareamento é um fenômeno de deterioração que resulta em perda de cor. Se deve ao aumento da temperatura da água, que provoca a expulsão das algas simbióticas que dão ao coral a sua cor e os seus nutrientes.

Recuperação

Os recifes podem se recuperar se a água esfriar, mas podem morrer se o fenômeno persistir. Restaurar um recife de corais mortos ou danificados implica a existência de um terreno adequado para permitir que as larvas se agarrem. E a impressão 3D tem sido muito confiável.

Várias placas com 400 fragmentos de coral foram colocadas em uma área de 40 metros quadrados do fundo do mar em Hoi Ha Wan. Em outras partes do mundo, navios ou pedaços de concreto afundaram na água, mas esses métodos - que muitas vezes também funcionam - podem alterar o ambiente químico.

As placas usadas em Hong Kong são feitas de argila cozida, cujo impacto ambiental é limitado. E se eles não cumprirem seu papel de desenvolver uma colônia de coral, irão erodir sem deixar rastros, de acordo com Christian Lange, do College of Architecture de HKU.


AFP



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!