Cultura Cinema

25/03/2021 | domtotal.com

Morre cineasta francês Bertrand Tavernier aos 79 anos, autor de 'Por volta de meia-noite'

Diretor realizou 'A isca', 'Lei 627' com personagens sólidos e narrativa bem acabada

Cinéfilo e crítico de cinema, Tavernier mergulhou na história da França em seus trabalhos
Cinéfilo e crítico de cinema, Tavernier mergulhou na história da França em seus trabalhos (FadelSenna/AFP)

Uma das figuras mais emblemáticas e respeitadas do cinema em seu país, que viveu dedicado ao seu trabalho eclético e muito premiado e à defesa e promoção da sétima arte, o cineasta francês Bertrand Tavernier morreu nesta quinta-feira (25), aos 79 anos. O anúncio da morte foi feito pelo Instituto Lumière, de Lyon, que foi dirigido por ele.

Bertrand Tavernier nasceu em 25 de abril de 1941 em Lyon (centro-leste). Filho do escritor e combatente da resistência René Tavernier, ele descobriu o cinema durante uma estadia em um sanatório. Ao se mudar para Paris, fundou com alguns amigos o cineclube NickelOdéon e colaborou nos anos 1960 para várias revistas.

Tavernier entrou no mundo do cinema pela via da crítica como alguns de seus colegas. Escreveu em publicações como Cahiers du Cinéma, Positif, Combat, Lettres Françaises, entre outros. É autor de livros, alguns de referência, como Trinta anos de cinema americano (em parceria com Jean-Pierre Coursodon), um tijolo de mais de 1.2 mil páginas, considerado na França a bíblia sobre o assunto.

Admirador do cinema B norte-americano, foi assistente de direção de Jean-Pierre Melville. Estreou como diretor com o episódio Les baisers (Os beijos), em 1964. A partir de então, deu início a uma filmografia bastante consistente, com ênfase num cinema narrativo sólido e bem trabalhado. Grande cinéfilo, Tavernier militou a favor do cinema francês independente, mas isso não o impediu de mostrar sua paixão pela Hollywood do século 20.

Amante do jazz, tornou-se mundialmente conhecido por Round midnight (Por volta de meia-noite, 1986). Apesar de adotar o título de uma composição clássica de Thelonious Monk, a história é uma homenagem indireta a Charlie Parker, o gênio do bebop. Um saxofonista de verdade, Dexter Gordon, interpreta o personagem fictício Dale Turner que, na década de 1950, muda-se para Paris em busca de um pouco de paz e um público fiel. Um fã (François Cluzet) tenta fazer seu ídolo sobreviver ao alcoolismo e outros aditivos. O filme é maravilhoso pela intensidade, história comovente e, também, claro, pela música. A trilha (premiada com o Oscar) é de Herbie Hancock. Dexter Gordon nunca havia trabalhado antes como ator, o que parece inacreditável, tamanha a credibilidade que imprime ao papel.

Apesar do interesse por temas americanos (ele rodou, antes de Round Midnight, o documentário Mississipi blues), o foco maior de Tavernier foi a França e sua história. Eclético, filmou de Simenon (L’horloger de Saint-Paul, 1972, seu primeiro longa) ao diálogo com Dumas de A filha de D’Artagnan (1994), alusivo ao famoso mosqueteiro gascão. Homenageou o grande Jean Renoir de Une partie de campagne com seu Um sonho de domingo (1984). Debruçou-se sobre um crime célebre em Le juge et l’assassin (1976). Em Lei 627 (1992), que esteve no Brasil em cartaz na Mostra de São Paulo, desce aos porões do tráfico de drogas sob o olhar de um policial tão obstinado e fanático quanto o Javert de Os miseráveis. Tentou também a ficção científica com A morte ao vivo (1980).

Urso de Ouro

Em 1995, a carreira de Tavernier encontrou talvez o seu ápice com o Urso de Ouro concedido pelo Festival de Berlim ao seu A isca. O filme concorreu também no Festival de Gramado, com prêmio de melhor atriz para Marie Gillain. Ela faz uma garota que, junto com dois amigos, vive de golpes aplicados em incautos. Tensa, bem trabalhada e fluida, a obra foi considerada um comentário cáustico sobre o materialismo e a amoralidade dos tempos contemporâneos.

Bastante diversa nos assuntos tratados, a obra de Tavernier parece convergir na crítica aos desajustes da civilização contemporânea, violenta, excludente, racista. É um cinema que, em seus melhores momentos, alcança aquele tipo de crueza que não exclui o olhar terno voltado aos personagens. Seu objetivo era "explorar e se introduzir nas épocas e universos mediante personagens" com destinos complicados. "E não ficar entediado, é uma questão de cortesia!", afirmava o diretor, que descrevia o "prazer físico" que sentia ao estar em um estúdio e dirigir os atores.

Fiel à sua dupla persona de realizador e historiador, Tavernier finaliza sua carreira com o documentário Viagem através do cinema francês (Voyage à travers le cinéma français), de 2016. Trata-se da panorâmica sobre uma cinematografia, a exemplo do que fizeram Martin Scorsese (sobre o cinema norte-americano e italiano) e Marc Cousins (uma série sobre o cinema mundial, outra sobre o cinema de mulheres).

Mas há uma diferença, sutil, inscrita nas entrelinhas do filme de Tavernier. Necessariamente abrangente, Viagem através do cinema francês, mostra empenho em resgatar uma parte da cinematografia francesa demonizada à época da nouvelle vague. Resgata do limbo aqueles velhos autores detonados pelos "jovens turcos" do Cahiers du Cinéma e mostra como as obras de Jean Delannoy, Claude Autant-Lara e Henri-George Clouzot encontram seu lugar numa história mais completa e generosa do cinema francês. Um belo epílogo de trajetória e também um legado à cinematografia que o consagrou.


Agência Estado/AFP/Dom Total



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!