Cultura Música

03/04/2021 | domtotal.com

Agnaldo Timóteo morre aos 84 anos por complicações da Covid-19

Um dos últimos expoentes da chamada Era do Rádio, o cantor provavelmente contraiu a doença entre a primeira e a segunda dose da vacina contra a Covid-19, já que o artista havia tomado o reforço na segunda-feira, 15 de março

Agnaldo Timóteo foi uma das maiores vozes influenciadas pelo canto da chamada Era do Rádio. Seu contato com os ídolos via Rádio Nacional e Mayrink Veiga começa ainda na cidade mineira de Caratinga, onde nasceu em 1936 e passou toda a sua infância
Agnaldo Timóteo foi uma das maiores vozes influenciadas pelo canto da chamada Era do Rádio. Seu contato com os ídolos via Rádio Nacional e Mayrink Veiga começa ainda na cidade mineira de Caratinga, onde nasceu em 1936 e passou toda a sua infância (Sesc Piracicaba/Divulgação)

Morreu na tarde deste sábado (3), aos 84 anos, o cantor Agnaldo Timóteo, por complicações da Covid-19. Ele estava internado desde o dia 17 de março no Hospital Casa São Bernardo, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. De acordo com a família, ele teve um "pequeno agravamento" e seguia intubado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na manhã deste sábado.

Os médicos acreditam que o cantor tenha contraído a doença entre a primeira e a segunda dose da vacina contra a Covid-19, já que o artista havia tomado o reforço na segunda-feira, 15 de março.

"É com imenso pesar que comunicamos o falecimento do nosso querido e amado Agnaldo Timóteo. Agnaldo Timóteo não resistiu as complicações decorrentes do Covid-19 e faleceu hoje às 10h45. Temos a convicção que Timóteo deu o seu melhor para vencer essa batalha e a venceu! Agnaldo Timóteo viverá eternamente em nossos corações! A família agradece todo o apoio e profissionalismo da Rede Hospital Casa São Bernardo nessa batalha", diz a nota assinada por Marcelo e Ruth Timóteo.

O sobrinho, Timotinho, publicou um vídeo nas redes sociais: "Olá gente. A notícia não é boa, confirmar o falecimento do cantor, Agnaldo Timóteo. Minha eterna gratidão por tudo. Descanse em paz! Obrigado a todos pelo carinho".

Potência vocal

Agnaldo Timóteo foi uma das maiores vozes influenciadas pelo canto da chamada Era do Rádio. Seu contato com os ídolos via Rádio Nacional e Mayrink Veiga começa ainda na cidade mineira de Caratinga, onde nasceu em 1936 e passou toda a sua infância. A potência vocal, que o fazia emitir um volume incomum para crianças de sua idade, já chamava atenção dos vizinhos e em programas de calouros de emissoras, como a própria Rádio Caratinga. Por causa de outro cantor renomado, Cauby Peixoto, Agnaldo ganhou nestes tempos um apelido que assumiu como elogio: o Cauby mineiro.

De Minas Gerais, depois de sair de Caratinga e chegar a Governador Valadares para trabalhar como mecânico de automóveis, Agnaldo se mudou para tentar a vida no Rio de Janeiro e teve, como um de seus primeiros trabalhos, o emprego de motorista da cantora Angela Maria.

Um pouco antes, em rápida passagem por Belo Horizonte, ele era chamado para imitar Cauby Peixoto nas rádios quando o cantor não podia estar presente nas emissoras. Depois de passar por rádios como Inconfidência, Itatiaia, Mineira e Guarani, foi a própria Angela Maria quem o aconselhou a seguir para o Rio e lutar pela sua carreira de cantor.

Angela estava certa, e teria para sempre a gratidão do amigo. Foi no Rio onde tudo aconteceu, em uma época em que todos queriam acontecer. Roberto Carlos, como ele, vivia em busca de um canto para cantar.

Motorista de Angela, Agnaldo seguia cantando em horas vagas e convencendo quem estava a seu lado de um talento fora da curva. Indicado pela chefe, ele grava em 1961 seu primeiro disco, um 78 rpm com as músicas Sábado no morro e Cruel solidão. Dois anos depois, uma nova tentativa veio com Tortura de amor, de Waldick Soriano. A gravadora Philips não trabalhou sua promoção e Agnaldo resolveu ele mesmo vender as 180 cópias de seu disco como um camelô.

Foi um programa da TV Rio, apresentado por Jair de Taumaturgo, que mostrou Agnaldo Timóteo para o país. Como defensor da música The house of the rising sun, original dos Animals, o cantor levou todos os prêmios do programa. Ao terminar o concurso, ele já tinha um contrato assinado com a EMI-Odeon.

Surge um astro, seu primeiro sucesso pela nova gravadora, veio com versões de canções internacionais lançadas naquele ano. Seu principal hit seria Mamãe (La Mamma). Uma produção incansável de discos, mesmo em momentos afastados da mídia, garantiria a Agnaldo uma carreira sempre ativa. Meu grito, de 1967, seria um de seus maiores álbuns daquela década, com a música Obrigado querida.

Carreira política

Depois de consagrado como cantor, Agnaldo Timóteo começou a atuar na política a partir de 1982, quando se tornou deputado federal no Rio de Janeiro, pelo PDT. Uma briga com o presidente da legenda, Leonel Brizola, o faria pedir transferência para o PDS.

Em 1996, foi eleito vereador no Rio, mas transferiu-se para São Paulo e, em 2004, foi eleito vereador pelo Partido Progressista. Brigou de novo, agora com Celso Russomanno, e pediu abrigo no Partido Liberal (antigo Partido da República). Timóteo também passou pelo PP, PR e PMDB.

Repercussão

Fãs, artistas e políticos lamentaram nas redes sociais e na TV a morte do cantor. O intérprete Neguinho da Beija-Flor deu um depoimento emocionado à GloboNews, em que destacou a potência vocal do amigo, mesmo aos 84 anos. "A maior voz do país".

Ele frisou o medo que Timóteo tinha de contrair a Covid-19. "Ele era um cara precavido, se resguardava", relatou Neguinho, que já teve a doença. "Vamos nos precaver, usar máscara e ficar em casa. É isso que acontece. Perde-se amigos, parentes", lamentou.

O cantor Ronnie Von destacou o lado humano de Timóteo e sua preocupação com colegas da classe artística que passavam por dificuldades. "Por mais discutível que seja a postura de Agnaldo na política, de polemizar e criar certos desconfortos em vários segmentos, ele era um ser humano de primeira grandeza", disse.

Políticos também se despediram do cantor, que começou a atuar na política a partir de 1982, na época como deputado federal no Rio de Janeiro, pelo PDT. "Vá em paz Agnaldo Timóteo! Um abraço solidário aos familiares e amigos", disse a ex-deputada gaúcha Manuela D'Ávila (PCdoB), no Twitter.

Além dela, despediram-se por mensagens outras personalidades da política como as deputadas federais Benedita da Silva (PT-RJ) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ), o ex-parlamentar Chico Alencar (PSOL-RJ) e o vereador Fernando Holiday (Patriota-SP).

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, também lamentou a morte. "Meus sentimentos à família do cantor e ex-deputado federal Agnaldo Timóteo, que nos deixou neste sábado aos 84 anos. Grande perda para o país, deixa um legado inestimável aos seus fãs!", afirmou.

O cantor era botafoguense fanático e foi homenageado pelo clube em nota. "Com muita dor, o Botafogo lamenta a morte de Agnaldo Timóteo, cantor e compositor brasileiro, botafoguense apaixonado. O clube deseja conforto aos amigos e familiares neste momento difícil".

O humorista e também alvinegro, Marcelo Adnet, também deu seu depoimento. "Vá com Deus, grande botafoguense! Lamentável fase do nosso país! Cuidem-se!", escreveu.


Agência Estado/Dom Total



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!