Religião

30/04/2021 | domtotal.com

Cantar Cristo na liturgia e na vida

O canto ocupa um lugar fundamental e intrínseco na liturgia como fonte para nutrir a própria fé

Cristo é cantado no chão da vida de cada homem e mulher
Cristo é cantado no chão da vida de cada homem e mulher (Andrea Zanenga)

Tânia da Silva Mayer*

"Quando eu soltar a minha voz,
Por favor, entenda
é apenas o meu jeito de viver
O que é amar".

O cantor e poeta Gonzaguinha eternizou em sua voz os versos, "cantar e cantar e cantar a beleza de ser um eterno aprendiz". E o aprendizado tem tudo a ver com a fé cristã, pois que já está muito claro em nosso tempo que nenhuma pessoa nasce cristã ou se torna cristã por forças culturais ou familiares. O tornar-se cristão, isto é, alguém que se encontrou com Jesus e se reconheceu diante da face desse homem e decidiu em segui-lo, é um processo que depende de um contínuo iniciar dos passos que nos levam em direção a ele que vem, de braços abertos, até nós. Por isso, os cristãos, mesmo os que já passaram pela iniciação à fé, são chamados a sempre retornarem ao primeiro amor, fonte de beleza e que dá sentido à vida. E, como afirmou santo Agostinho, "cantar é próprio de quem ama". Dessa maneira, os cristãos que se deixaram inflamar pelo amor de Cristo e pelos irmãos estão sempre a cantar e cantar a beleza de constantemente revisitarem esse amor fonte da vida.

Por isso, as liturgias cristãs sempre foram integradas pela dimensão do canto e da música. Essa integração tem sua raiz mais profunda na experiência do povo judeu. O livro dos salmos é uma excelente amostra de convite ao louvor do Senhor por meio do próprio corpo ou de instrumentos musicais: "louvai-o tocando trombetas, louvai-o com harpa e cítara; louvai-o com tímpanos e danças, louvai-o nas cordas e nas flautas. Louvai-o com címbalos sonos, louvai-o com címbalos retumbantes" (Sl 150, 3-5b). E diante da bondade e da fidelidade de Deus, o salmista entende sua vocação de reverenciar a Deus, e fala com muita certeza: "louvarei o Senhor enquanto eu for vivo, enquanto viver cantarei hinos a meu Deus" (Sl 146,2). Também as comunidades cristãs reconhecem: "Alguém está alegre? Entoe hinos" (Tg 5,13).

Leia também:

Nessa perspectiva, a reforma da liturgia realizada no Concílio Vaticano II reafirmou a participação plena e ativa da assembleia celebrante na ação litúrgica. Essa participação se dá de muitos modos e maneiras: "Para fomentar a participação ativa, promovam-se as aclamações dos fiéis, as respostas, a salmodia, as antífonas, os cânticos, bem como as ações, gestos e atitudes corporais. Não deve deixar de observar-se, a seu tempo, um silêncio sagrado" (SC, n. 30). Ademais, a Igreja conciliar considerou que "Efetivamente, na Liturgia Deus fala ao Seu povo, e Cristo continua a anunciar o Evangelho. Por seu lado, o povo responde a Deus com o canto e a oração" (SC, n. 33a). Desse modo, compreende-se o lugar fundamental e intrínseco que o canto ocupa na liturgia como fonte para nutrir a própria fé: "Por isso, não é só quando se faz a leitura "do que foi escrito para nossa instrução" (Rm 15,4), mas também quando a Igreja reza, canta ou age, que a fé dos presentes é alimentada e os espíritos se elevam a Deus, para se lhe submeterem de modo racional e receberem com mais abundância a sua graça" (SC 33c).

Mas essa perspectiva precisa vir vinculada à outra que alcança a razão de ser da liturgia cristã. Precisamente, a liturgia é louvor a Deus e a oferta de santificação que o próprio Deus faz ao seu povo reunido "por Cristo, com Cristo e em Cristo". Nesse aspecto, o Concílio ensinou que a liturgia é ação primeira de Cristo e do seu corpo que é a comunidade cristã. Assim, "Cristo está sempre presente na sua igreja, especialmente nas ações litúrgicas"; e "Está presente, enfim, quando a Igreja reza e canta, Ele que prometeu: "Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, Eu estou no meio deles" (Mt 18,20) (SC, n. 7a). Nessa perspectiva, é imprescindível compreender que pela gravidade da ação litúrgica no horizonte da salvação do povo, não é qualquer música ou canto que torna a presença de Cristo efetiva na liturgia. Precisamente, Cristo não é apenas o "Cantor" que reúne as vozes polifônicas da assembleia reunida, ele é também o conteúdo, isto é, a razão e o motivo pelos quais a Igreja louva a Deus. Por isso se afirma que os fiéis cantam (a) liturgia porquanto cantam a morte e a ressurreição de Jesus, o Mistério Pascal que é fonte da alegria verdadeira que a faz louvar e cantar.

Nesse sentido, é importante considerar que a ação litúrgica, mesmo sendo o cume e a fonte da ação da Igreja (Cf. SC, n.10), não esgota o trabalho evangelizador que a comunidade cristã é chamada a realizar no mundo (Cf. SC, n.9). Desse modo, a vida de cada cristão e cristã deve ser uma ação litúrgica, isto é, um serviço por meio do qual a vida plena e abundante possa alcançar todos os povos e pessoas. Nessa esteira, pode-se afirmar que é no chão da vida de cada homem e mulher que Cristo é cantado, precisamente porque a existência está sempre diante da cruz e do túmulo vazio, de modo que fazemos cotidianamente a experiência de morrer e ressuscitar com Cristo. Por isso, ao longo de um único dia podemos ser tomados por uma tristeza sem fim que acaba sempre perdendo a força diante de uma tímida alegria por nos sabermos vivos. Desse modo, da mesma maneira que cantamos Cristo na liturgia da comunidade reunida na fé do Mistério Pascal, cantamos Cristo na liturgia da vida quando o nosso canto é expressão genuína das nossas vivências, das pelejas que todos enfrentamos entre risos e lágrimas, entre palavras e silêncios. Cantamos Cristo na liturgia da vida quando "são as lutas dessa nossa vida, que eu estou cantando", na melodia, nem sempre harmônica, que nos embala e nos aproxima daquele que é a fonte de amor, da alegria e do canto.

*Tânia da Silva Mayer é mestra e bacharela em Teologia pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE); graduanda em Letras pela UFMG. Escreve às terças-feiras. E-mail: taniamayer.palavra@gmail.com



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!