Brasil Política

04/05/2021 | domtotal.com

Bruno Covas sai da intubação, mas é mantido na UTI para observação

Prefeito de São Paulo enfrenta desde outubro de 2019 um câncer metastático que atinge órgãos do sistema digestivo e, no mês passado, chegou aos ossos

Em função da nova complicação no quadro do prefeito não é possível prever quando o tucano deve deixar a UTI ou mesmo retomar o tratamento contra o câncer
Em função da nova complicação no quadro do prefeito não é possível prever quando o tucano deve deixar a UTI ou mesmo retomar o tratamento contra o câncer (Rovena Rosa/ABr)

O prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), foi transferido na manhã dessa segunda-feira (3) para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Sírio-Libanês, na capital, onde foi intubado após exames detectarem uma hemorragia na cárdia. Covas enfrenta desde outubro de 2019 um câncer metastático que atinge órgãos do sistema digestivo e, no mês passado, chegou aos ossos. O primeiro tumor havia sido detectado justamente na cárdia, válvula que fica próxima ao coração, entre o esôfago e o estômago. Ele foi extubado durante a tarde, mas segue em observação.

Covas decidiu no domingo (2) se afastar da Prefeitura pelo período de um mês para se dedicar ao tratamento. Ele foi internado em seguida, após conversar com os médicos e relatar fraqueza, além de dor. O vice-prefeito, Ricardo Nunes, já assumiu o cargo de forma interina. "Covas confia em mim", disse.

Segundo o oncologista Tulio Pfiffer, que faz parte da equipe que acompanha o prefeito, o sangramento foi identificado durante uma endoscopia solicitada para pesquisar a origem de uma anemia que tem contribuído para Covas sentir-se fraco. O prefeito já havia sido sedado e intubado antes de ser submetido ao exame. Segundo o especialista, esse é o processo rotineiro para que as vias aéreas sejam protegidas em casos do tipo.

Após ser tratado com "medidas de hemostasia local", que estancaram o sangramento, Covas foi então encaminhado à UTI ainda intubado. "Ele foi transferido por zelo e para ser avaliado de perto", disse Pfiffer. "A sedação será tirada de forma gradativa até ele acordar e conforme o quadro evoluir", disse o médico, no fim da manhã. O procedimento de extubação ocorreu antes do fim da tarde, após os médicos atestarem a estabilidade do quadro, mas o prefeito foi mantido na UTI.

Ainda de acordo com Pfiffer, o sangramento se deu no local da primeira lesão, ou seja, na cárdia, estrutura que funciona como uma válvula. O médico, no entanto, afirmou que o fato de o sangramento ter ocorrido no mesmo local do primeiro tumor "não significa necessariamente" nova piora da doença.

Também integrante da equipe médica, o infectologista David Uip explicou que o sangramento ocorreu especificamente numa úlcera localizada na cárdia, que surgiu após o tratamento do tumor. À reportagem, o ex-secretário estadual da Saúde afirmou que Covas está preocupado com a evolução da doença, assim como seus amigos e médicos. "Um tumor que sangra preocupa mesmo", disse.

Tratamento

Em função da nova complicação no quadro do prefeito não é possível prever quando o tucano deve deixar a UTI ou mesmo retomar o tratamento contra o câncer, que teve de ser postergado. O prefeito tinha a internação programada para essa segunda para dar continuidade ao tratamento. O procedimento inclui uma combinação de quimioterapia e imunoterapia.

Diante dos efeitos adversos do processo, Covas decidiu se licenciar - em abril, ele ficou 12 dias internado no Sírio após descobrir uma evolução do câncer, que além de atingir ao menos cinco pontos do fígado, também se espalhou para ossos da bacia e da coluna. Um acúmulo de líquidos ao redor do pulmão e do abdômen, enfrentado com uso de um dreno, adiou sua alta, ocorrida apenas no dia 27.

Na Prefeitura, o clima é de tristeza. Apesar de considerado bastante fechado, Covas é querido entre os funcionários do gabinete, que acreditam na disposição do prefeito em vencer mais essa etapa da doença. No domingo, o tucano agradeceu o apoio que tem recebido pelas redes sociais. Afirmou ainda que a "vida tem lhe apresentado enormes desafios" e que agora, diante dos novos focos da doença, "seu corpo está exigindo mais dedicação ao tratamento, que entra numa fase muito rigorosa".

Vice-prefeito assume interinamente

O prefeito interino de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), assumiu o posto na segunda-feira com uma "lista de tarefas" deixada por Bruno Covas (PSDB) para o secretariado e a determinação de manter a pauta de votações prioritárias já em andamento na Câmara a partir das diretrizes definidas pelo tucano, licenciado do cargo por 30 dias.

Nunes tem apoio político do presidente da Câmara, Milton Leite (DEM), e do governador João Doria (PSDB), com quem buscou reconstruir pontes quando as relações entre prefeitura e estado se desgastaram, nos dias mais agudos da pandemia de Covid-19, especialmente após Covas decidir antecipar feriados, em março, para incentivar o isolamento social na cidade.

A equipe montada pelo tucano para administrar a Prefeitura tem, em seu "núcleo duro", colegas de partido em quem Covas confia desde os tempos da juventude do PSDB. É formado pelos secretários Alexandre Modonezi (Subprefeituras), Orlando de Faria (Habitação), César Azevedo (Urbanismo e Licenciamento), Ricardo Tripoli (Casa Civil) e Rubens Rizek. A eles, e também ao secretário da Saúde, Edson Aparecido, Covas deixou, antes de se afastar, uma determinação de dar prosseguimento a um cronograma que previa o término de 270 projetos tidos como fundamentais - eram ações que deveriam ter sido concluídas nos 100 primeiros dias de governo.

O prefeito interino não faz parte desse "núcleo duro", mas sabe da missão repassada e já indicou aos colegas que não pretende fazer qualquer correção de rumos. Os secretários de Covas afirmam, nos bastidores, que não houve nenhuma determinação do prefeito licenciado para tentar "esconder" Nunes.

Câmara

No cargo, Nunes contará com apoio da Câmara. Os vereadores devem votar hoje em segundo turno um Programa de Parcelamento Incentivado (PPI) que isentará de multas contribuintes inadimplentes, e aguardam uma sanção sem vetos do que for acordado.

Embora o MDB seja uma bancada pequena na cidade, o partido faz parte de um bloco parlamentar que conta com o DEM, partido do presidente do Legislativo paulistano. "Não vai mudar nada no tratamento do Executivo com o Legislativo", disse Leite.


Agência Estado/Dom Total



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!