Coronavírus

07/05/2021 | domtotal.com

Covid-19: Brasil terá que pagar R$ 1 bilhão a mais para ter novas doses da vacina da Pfizer

Bolsonaro chegou a dizer que laboratórios é que tinham que procurar o país

Governo Bolsonaro recursou, em agosto de 2020, a compra de 70 milhões de doses
Governo Bolsonaro recursou, em agosto de 2020, a compra de 70 milhões de doses (AFP)

O governo federal avalia comprar mais 100 milhões de doses da vacina contra Covid-19 da Pfizer a US$ 12 (R$ 62)a unidade - 20% mais caro do que o negociado no primeiro contrato da farmacêutica americana com o Ministério da Saúde, em que foi adquirida quantidade igual do imunizante. Ao todo, a oferta para nova compra fica perto de R$ 6,6 bilhões, cerca de R$ 1 bilhão a mais do que o valor anterior.

As informações sobre o preço global e o valor por dose constam em nota técnica assinada por Laurício Cruz, diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis da pasta, e obtida pela reportagem. O governo publicou em edição extra do Diário Oficial da União dessa quinta-feira (6) extrato de dispensa de licitação, com valor global de R$ 6,6 bilhões. Na CPI da Covid, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que a pasta estava na "iminência de fechar novo acordo com a Pfizer de cem milhões de doses".

No fim de 2020 e no início do ano, porém, a gestão Jair Bolsonaro tinha outra postura em relação à empresa. O governo acusou a farmacêutica de incluir cláusulas "leoninas" na proposta, travou a negociação e perdeu lugar na fila. Bolsonaro reclamava que a empresa não queria assumir o risco de possíveis efeitos colaterais da vacina.

Bolsonaro disse na época que os fabricantes que deviam procurar o Brasil. "O Brasil tem 210 milhões de habitantes, um mercado consumidor de qualquer coisa enorme. Os laboratórios não tinham que estar interessados em vender para a gente? Por que eles não apresentam documentação na Anvisa?", indagou Bolsonaro em dezembro.

A nota do ministério agora pede que a entrega desse novo lote seja em duas etapas. A primeira, de 30 milhões de doses, deve chegar ao país entre 1º de julho e 30 de setembro. A entrega do segundo lote, com 70 milhões de doses, é prevista entre 1º de outubro e 31 de dezembro.

O documento recomenda a compra pelo governo, mas diz que o valor é maior que o pago no contrato anterior e pede negociação do preço. Os técnicos destacam que talvez seja preciso aplicar doses de reforço, tendo em vista mutações do vírus. "Caso essa necessidade venha a se concretizar, a necessidade de doses irá aumentar substancialmente", diz o trecho.

Não há no documento os motivos para a mudança de preço. À reportagem, a Pfizer disse não comentar negociações e afirmou trabalhar com o governo para a imunização dos brasileiros. Já o ministério informou que a compra ainda está em negociação e destacou já ter contrato assinado para cem milhões de doses. A 1ª remessa, de 1 milhão de unidades, chegou ao Brasil em abril.

A Pfizer tem variado propostas para os governos. O preço cobrado do Brasil é inferior ao cobrado da União Europeia, que desembolsou por volta de US$ 14,70 (R$ 75) por dose, e dos Estados Unidos (US$ 19,50 - R$ 102). Israel, um dos países com a vacinação mais adiantada, pagou US$ 23,50 por dose para receber antes e em grande escala. A farmacêutica já disse que países mais pobres teriam preços menores.

Perda de doses

Com logística complicada, a vacinação com a Pfizer no Brasil está restrita às capitais na maioria dos Estados. Com a ampliação do volume adquirido, a pasta ressalta a necessidade de adaptar a rede de frio para cidades do interior com mais de 100 mil habitantes. A nota técnica propõe compra inicial de 183 congeladores a serem distribuídos entre Estados e Distrito Federal.

O imunizante da Pfizer sobrevive apenas cinco dias em refrigeradores comuns, com temperatura entre 2ºC e 8ºC. Para ser armazenado por prazos maiores, de até seis meses, precisa estar em congeladores cujas temperatura variem entre 60ºC e 80ºC negativos.

O documento também diz que a aquisição tem elevado risco de perdas. O cálculo do governo é de que 30% das doses da Pfizer sejam perdidas por questões operacionais, bem acima da taxa de 10% calculada para Coronavac e vacina Oxford/AstraZeneca. Para chegar a esse índice, a Saúde considera informações da França, que estima desperdício entre 25% e 30%. Sobre as projeções de perda de doses feitas pelo governo, a Pfizer afirmou que "fica a critério dos programas de imunização de cada país, baseados em sua experiência, qualquer estimativa acerca do tema".


Agência Estado



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!