Meio Ambiente

26/05/2021 | domtotal.com

Levantamento mostra que Mata Atlântica persiste perde 36campos de futebol por dia

Maior parte do desmatamento da vegetação mais ameaçada do país é ilegal, diz SOS Mata Atlântica

Cultivos de soja e especulação imobiliária são os maiores vilões do desmatamento do bioma
Cultivos de soja e especulação imobiliária são os maiores vilões do desmatamento do bioma Foto (Arquivo/ABr)

Depois de um ano de alta, o desmatamento na Mata Atlântica registrou uma leve queda entre 2019 e 2020. Um monitoramento anual feito pela Fundação SOS Mata Atlântica e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostra que 130 quilômetros quadrados foram devastados, 9% a menos que no período anterior.

A notícia não é motivo de comemoração. "Essa pequena redução não indica tendência de queda geral, porque foi 14% maior que o observado em 2018", justifica Fernando Guedes Pinto, diretor de conhecimento da SOS Mata Atlântica.

Em 2018, o total da devastação no bioma, o mais ameaçado do país, atingiu o menor índice desde 1989, quando o monitoramento começou. "A gente ainda está numa fase estável de desmatamento, que é considerado muito alto para a situação da Mata Atlântica", afirma Pinto.

É como se, a cada dia, 36 campos de futebol cobertos com a vegetação nativa desaparecessem. Dos 1,3 milhão de quilômetros quadrados originais, apenas 12% permanecem.

No total, segundo o estudo, foram desflorestados 13.053 hectares (130 quilômetros quadrados) da Mata Atlântica no período de dois anos - dado que, embora tenha o porcentual geral 9% menor em relação ao levantamento de 2018-2019 (14.375 hectares), representa um crescimento de 14% em relação a 2017-2018 (11.399 hectares), quando o desflorestamento atingiu o menor valor da série histórica. O projeto, criado para monitorar as mudanças na cobertura vegetal desse bioma brasileiro, existe desde 1989.

"Esse total de 13 mil hectares de devastação representa muito porque trata-se de um bioma no qual qualquer perda tem um impacto imenso na biodiversidade e nos serviços desse ecossistema", afirmou Luís Fernando Guedes Pinto, diretor da Fundação SOS Mata Atlântica.

Dos 17 estados que têm o bioma em seus territórios, Minas Gerais, Bahia e Paraná foram os campeões em destruição, mostra o Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica. Nesses locais, a derrubada se deve principalmente ao aumento de áreas de cultivo.

Nos últimos dois anos, a devastação da Mata Atlântica explodiu em São Paulo e no Espírito Santo. Segundo o levantamento, os dois estados ficaram no topo da lista de destruição florestal com taxas acima dos 400%, em relação ao período de 2018/2019. O Espírito Santo registrou taxas de mais de 462% na perda da cobertura vegetal, seguido por São Paulo, com 402%. A explicação no caso paulista seria a expansão da exploração imobiliária. Em pelo menos dois estados, Rio e Mato Grosso do Sul, a porcentagem mais do que dobrou.

"Ainda temos desmatamento porque há uma grande pressão da expansão da agricultura e das cidades, causada pela especulação imobiliária em volta das grandes cidades e do litoral", detalha Pinto, lamentando a alta registrada em dez estados. "Muitas áreas estão sendo liberadas para a construção de condomínios", complementa.

Em relação ao período de 2018-2019, o grupo de estados onde o desmatamento foi praticamente zero caiu. Isso foi registrado em Alagoas, Ceará, Goiás, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Ilegalidade à brasileira

Segundo a SOS Mata Atlântica, a maior parte do corte da mata ocorre de forma ilegal. "Há uma lei que protege o bioma. Os desmatamentos deveriam ser autorizados em condições excepcionais e não deveriam alcançar todo esse valor", complementa, fazendo referência à Lei da Mata Atlântica (11.428/2006).

Numa outra plataforma de análise de desmatamento, a MapBiomas, 3.070 alertas de destruição do bioma foram registrados em 2020. Desses, mais de 99% vieram de locais que não tinham autorização para o corte das árvores (3.048).

A persistência do desmatamento nessa mata proporcionalmente mais destruída do país teria a ver com o ambiente institucional brasileiro, opina Pinto. "Há um clima que convida ao desmatamento com uma expectativa de impunidade, de retrocessos ambientais, e de enfraquecimento dos órgãos de fiscalização", detalha.

Em abril do ano passado, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, propôs a Jair Bolsonaro alterações na lei da Mata Atlântica. Além de permitir o desmatamento sem um parecer obrigatório do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para áreas com até 150 hectares, a norma excluiria alguns tipos de vegetação nativa da obrigatoriedade de proteção.

"O marco legal da Mata Atlântica foi agredido, nessa tentativa de retrocesso, que não houve. Mais não deixa de ser convite para pessoas desrespeitarem a lei na expectativa de não serem punidas", argumenta Pinto.

Agenda de restauração

O Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica mostra ainda que o pouco que sobrou do bioma no país está bastante fragmentado, em áreas reduzidas e particulares - que é o caso de 80% delas.

De acordo com os pesquisadores, atualmente restam apenas 12,4% da cobertura original de Mata Atlântica, bem abaixo do limite mínimo "aceitável" de 30%. Grande parte dessas áreas de florestas está dividida em propriedades privadas.

O potencial para restauração, por outro lado, é grande. Se o Código Florestal fosse cumprido, por exemplo, a floresta poderia ocupar de 40 mil quilômetros quadrados a 50 mil quilômetros quadrados só de Áreas de Preservação Permanentes (APP). Segundo a legislação, esses territórios precisam ser protegidos devido às suas funções ambientais vitais, como preservação de água, biodiversidade, etc.

Um levantamento específico feito em parceria com o GeoLab, ligado ao Departamento de Ciência do Solo da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (USP), concluiu que só o estado de São Paulo teria um déficit estimado em 77 mil quilômetros quadrados de APPs, a maior parte (67 mil quilômetros quadrados) de Mata Atlântica.

Para Marie-Anne van Sluys, professora do Instituto de Biociências da USP e membro da coordenação adjunta de Ciências da Vida da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), a ciência tem dado valiosas contribuições sobre a importância da restauração.

"Iniciativas de longo prazo na pesquisa continuada permitiram que tivéssemos um conjunto de dados que fortalece a necessidade de conservação. Os resultados mostram que valem a pena sob o ponto de vista da biodiversidade, da geração da água e de diversos serviços ecossistêmicos", afirma van Sluys.

Em 2019, um estudo internacional liderado pelo brasileiro Pedro Brancalion, também da USP, mostrou que o Brasil e a Mata Atlântica são os campeões de áreas importantes para restauração. O mapa gerado durante as análises mostra a costa brasileira, originalmente coberta por floresta tropical, como a área com maior potencial. Nessas zonas, argumenta o artigo, seria mais fácil gerir projetos de recuperação de pastagens ou em declives onde a rentabilidade é baixa.

O reflorestamento é parte importante do esforço global para frear o aquecimento do planeta e as mudanças climáticas. A promessa brasileira feita ao assinar o Acordo de Paris, em 2015, dizia que o país recuperaria 120 mil quilômetros quadrados de áreas desmatadas até 2030.

De acordo com a fundação, o projeto de recuperação das áreas degradadas conta com apoio de empresas como a Ypê, de produtos de limpeza, e a Nespresso, produtora de cafés, ambas com atuação e parcerias em projetos de restauração do bioma da Mata Atlântica. A Ypê já plantou mais de 1 milhão de árvores em 20 municípios paulistas, com investimentos que somam até R$ 14 milhões. A Nespresso, por sua vez, investiu cerca de US$ 170 mil plantando 70 mil árvores de 60 espécies nativas em programa de recuperação da Bacia do Rio Pardo, município de São Sebastião da Grama, no interior paulista.

A meta, por outro lado, está longe de ser alcançada: um levantamento feito pelo Observatório da Restauração e Reflorestamento, da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, mostra que, até agora menos de 1% foi cumprido. Para que essa situação mude, afirma Van Sluys, é preciso engajamento. "É urgente envolver toda a sociedade e que haja o entendimento de que essa vegetação é um bem a ser preservado", opina.


DW/Agência Estado/DomTotal



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!



Outras Notícias

Não há outras notícias com as tags relacionadas.