Cultura

28/05/2021 | domtotal.com

Três mestres, três luminares

Perdas depauperam Brasil emocional, intelectual, humanística e esteticamente

Nelson Sargento, Paulo Mendes da Rocha e Jaime Lerner
Nelson Sargento, Paulo Mendes da Rocha e Jaime Lerner (Thiago Ribeiro/Agif/AFP - Paja Brava/Wikimedia - Heuler Andrey/AFP)

Eleonora Santa Rosa*

Semana de perdas que calaram fundo no universo cultural nacional, deixando o Brasil empobrecido, depauperado emocional, intelectual, humanística e esteticamente. As mortes de Paulo Mendes da Rocha, Jaime Lerner e Nelson Sargento, tríade de ouro, de sensibilidade e competência, afetam profundamente o corpo da nação já fragilizado pelo alastramento da pandemia covidiana, em sua terceira onda, onde não há mais barreiras entre jovens e maduros.

Jaime e Nelson engrossam as estatísticas dos levados pelo vírus, Paulo, em processo decorrente de outra enfermidade, em momento de pleno reconhecimento, com honrarias locais e internacionais, de legado considerado e louvado. Permanecerão os três por razões diversas e comuns, sobretudo quando falamos de ousadia, invenção e excelência criativa. Obras arquitetônicas, urbanísticas, musicais, genuinidade e genialidade presentes. Não há transferência de bastão, há, para os interessados e admiradores, aprendizado, trilhas, pistas, caminhos a serem percorridos em rotas individuais, tendo como bússolas preciosas as vidas vividas por esses notáveis cidadãos, mestres na acepção da palavra.

Partidas em momento sensível, em cenário melancólico oposto à prodigiosa natureza cultural do país. Tristes estamos e ainda permaneceremos por uma temporada no inferno da "odiolândia" (expressão cunhada por Giselle Beiguelman) bolsonarista, empobrecedora do espírito, do conhecimento, da educação, nada mais ‘anti’ tudo aquilo que os três luminares representavam, ou melhor, representam na potência singular de cada atuação.

Talentos, inteligências e tantos outros predicados fundamentais à existência de uma cultura plena, de relevo, de referencialidade, de exuberância de um Brasil de respeito e de exemplaridade. Hoje, párias perante o mundo, assistimos ao grotesco espetáculo de motos de variada representação, assassinas, na Amazônia, ou coniventes nos asfaltos das capitais, em desfile macabro de saudação à morte do planeta e da própria nação.

Em meio à tristeza desta semana dificílima, cabe-nos celebrar a vida-obra de Paulo Mendes da Rocha, de Jaime Lerner e de Nelson Sargento, desejando-lhes uma passagem serena, em manto de luz e amor, ao ritmo da música das esferas e da poesia de Haroldo de Campos:

Tristia
minicâmaras térmicas
para inativação do vírus da tristeza
em borbulhas de
citros

*Ex-secretária de Estado de Cultura de Minas Gerais, ocupou diversas funções públicas de relevo e desenvolveu projetos de educação patrimonial e de patrimônio cultural de repercussão nacional. Ex-diretora executiva do Museu de Arte do Rio - MAR (de novembro de 2017 a novembro de 2019), é considerada uma das mais experientes e respeitadas profissionais no campo da viabilização, implantação e soerguimento de equipamentos culturais no país. Estrategista e gestora cultural, tem larga experiência editorial; foi responsável pela publicação de mais de meia centena de obras voltadas à história e à cultura de Minas Gerais, tendo sido coordenadora editorial das consagradas Coleções Mineiriana e Centenário da Fundação João Pinheiro. Diretora do Santa Rosa Bureau Cultural, é autora do livro Interstício

O texto reflete a opinião pessoal do autor, não necessariamente do Dom Total. O autor assume integral e exclusivamente responsabilidade pela sua opinião.



Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!