Brasil

19/06/2021 | domtotal.com

Brasil atinge a triste marca de 500 mil mortes por Covid-19

No mundo, é o segundo país com mais vítimas do novo coronavírus, atrás apenas dos Estados Unidos, que têm uma população 55% maior e 600 mil mortos

Brasil é o segundo país com mais vítimas do novo coronavírus
Brasil é o segundo país com mais vítimas do novo coronavírus Foto (Michael Dantas/AFP)
Brasil é o segundo país com mais vítimas do novo coronavírus
Brasil é o segundo país com mais vítimas do novo coronavírus Foto (DW)
DW

Sem nunca ter tido a pandemia sob controle, país atinge trágica marca com mortes novamente em alta, imerso em caos sanitário e com brasileiros tendo que lutar com negacionismo científico e desinformação. Meio milhão de mortos por Covid-19. A trágica marca foi superada no Brasil neste sábado (19). No mundo, é o segundo país com mais vítimas do novo coronavírus, atrás apenas dos Estados Unidos, que têm uma população 55% maior e 600 mil mortos.

Ao contrário dos americanos, porém, que veem a pandemia retroceder após uma grande campanha de vacinação, o Brasil está no seu segundo maior patamar de casos e mortes diárias, superado apenas pela crise de março e abril, e a dinâmica do coronavírus é de estabilidade ou aceleração na maioria dos estados.

Na última quarta, o número de novas mortes diárias, pela média móvel de sete dias, voltou superar as 2 mil, o que não ocorria desde 10 de maio. O número de novos caso diários, pelo mesmo critério, está em 70 mil, próximo ao pico do final de março de março, quando estava em 77 mil.

Desde o início de maio, a taxa de reprodução do vírus no Brasil é igual ou maior que 1, o que indica persistência ou aceleração da contaminação. Esse número havia ficado abaixo de 1 durante a maior parte do mês de abril. Foi naquela época que governadores e prefeitos começaram a relaxar as regras que restringiam a circulação de pessoas, um dos motivos apontados por especialistas para a atual alta.

Esses dados se refletem na ocupação dos leitos de UTI, que nesta semana era superior a 90% em dez capitais e no Distrito Federal. No interior de São Paulo, havia no último domingo 5.206 pessoas em leitos de terapia intensiva para Covid-19, número mais alto do que pico anterior, de 6 de abril.

A situação da pandemia no momento é "extremamente delicada" no país, diz a epidemiologista Carolina Coutinho, pesquisadora da EAESP/FGV.

As variantes mais transmissíveis do coronavírus, que têm maior capacidade de contaminar pessoas ou reinfectar as que já haviam se recuperado da doença, também contribuem para a resiliência da pandemia.

Um estudo realizado pelo Instituto Butantã com casos identificados até o dia 29 de maio, identificou a variante Gamma (ou P1, encontrada inicialmente em Manaus), em 89,9% das infecções no estado de São Paulo. A Alfa, originada no Reino Unido, representou 4,2% das infecções, e a Beta, da África do Sul, 3,5% Não foram identificadas amostras da Delta, da Índia. Em âmbito nacional, o país tem baixa capacidade de fazer a vigilância genômica, que identifica as novas variantes, diz Coutinho.

Presidente contra ciência

Como pano de fundo do caos sanitário, os brasileiros acompanham desde o início de maio os depoimentos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado, que apura responsabilidades e omissões do governo federal em relação à pandemia.

Os depoimentos revelaram detalhes e organizaram informações que já vinham sendo apresentadas pela imprensa desde o ano passado. Eles mostraram que o presidente Jair Bolsonaro impediu ministros da saúde de seguirem as recomendações científicas, promoveu remédios comprovadamente ineficazes, entrou em conflito com governadores e prefeitos que defendiam o isolamento social e recusou diversas ofertas de vacinas.

Em meados de 2020, por exemplo, o Ministério da Saúde negou uma oferta de 70 milhões de doses da Pfizer, e outra de 60 milhões feita pelo Instituto Butantã.

Com o agravamento da pandemia neste ano, o presidente fechou novos acordos de compra de vacinas e agora pede a antecipação da entrega de doses que haviam sido rejeitadas em 2020, e prometeu no início de junho que todo brasileiro que quiser será vacinado até o final do ano.

Mas ele segue promovendo aglomerações, criticando medidas de isolamento social, questionando o uso de máscaras e promovendo teorias conspiratórias. Na quinta, em sua live semanal, Bolsonaro disse que a máscara reduz a oxigenação de quem a está usando, o que é mentira. Em 10 de junho, o presidente propôs o fim da obrigatoriedade da proteção facial para vacinados ou pessoas que já superaram uma infecção pelo coronavírus, ideia considerada "absurda" e "temerária" por especialistas neste momento da pandemia.

Vacina escassa

A recusa de ofertas de doses de vacina pelo governo no ano passado e obstáculos para importar da China o Insumo Farmacêutico Ativo usado para preparar a Coronavac e a vacina da AstraZeneca no Brasil impediram que o país estruturasse a partir do início do ano um ritmo de imunização compatível com a capacidade do Sistema Único de Saúde.

Segundo pesquisas feitas por epidemiologistas e cientistas de dados, o ritmo adequado para o enfrentamento da pandemia seria de pelo menos 2 milhões de doses diárias. Com vacinação lenta e contaminação em alta, o vírus acaba saindo vitorioso nessa corrida.

Em abril, o país aplicou uma média de 730 mil doses por dia, o número recuou para 599 mil por dia em maio, e até quarta, 709 mil por dia em junho, segundo painel mantido pelo Ministério da Saúde. Somente na última quinta, o país superou pela primeira vez a marca das 2 milhões de doses por dia, aplicando 2,2 milhões delas.

O Brasil completou a vacinação de 11% de sua população de 211 milhões. Nos Estados Unidos, essa taxa é 44%, e na Alemanha, 29%. Especialistas estimam que a imunidade coletiva contra a covid-19 só será alcançada com cerca de 80% da população vacinada. Até lá, os países terão que manter medidas de controle como testagem continuada e uso de máscaras e restrição a aglomerações onde as taxas de contágio são altas.

Subnotificação esconde tragédia maior

O biólogo Marcelo Bragatte, um dos coordenadores da Rede Análise Covid-19, afirma que a marca simbólica dos 500 mil mortos já havia sido rompida há alguns meses, e que o Brasil, na realidade, teria no momento cerca de 600 mil óbitos pela doença, considerando a notificação.

Sua projeção considera o excesso de óbitos por síndrome aguda respiratória grave (SRAG) desde o início da pandemia, comparado com os dados de anos anteriores. "Há muitos casos em que a pessoa falece, não confirma que foi covid, e ela fica no limbo como SRAG", diz. Essa estimativa colocaria o Brasil empatado com os Estados Unidos na liderança do número de mortes.

Mantido o atual ritmo de vacinação, ele projeta que o país seguirá com números elevados de novos casos e óbitos. Isso só será revertido se a população adotar os comportamentos recomendados para evitar a disseminação do vírus, como uso de máscaras, distanciamento social e evitar reuniões em espaços fechados. "Como não temos as medidas sanitárias por parte do governo, recai sobre o cidadão tomar as medidas que ele puder", afirma.

O problema é que não é somente a contaminação pelo vírus que não recua. "A desinformação no país não desce. Ela está em um platô. E, com isso, as ações das pessoas não melhoram", diz Bragatte.

DW



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!