Religião

04/08/2021 | domtotal.com

'Loki' e Santo Inácio nos ensinam sobre os planos de Deus

Seguir o plano divino não significa que não cometeremos erros, nem que seremos infelizes por isso

Tom Hiddleston interpreta Loki
Tom Hiddleston interpreta Loki (Marvel/Disney+)

Tucker Redding, S.J.
America

"Acreditei feito um idiota, que você pode ser quem quiser, até mesmo alguém bom"
(Mobius para Loki)

Todos nós temos uma ideia de como queremos que nossas vidas sejam, mas o que acontece quando não estamos à altura de nossos próprios ideais ou daqueles colocados sobre nós por outras pessoas? O tema de "não estar à altura" é um componente importante da mais recente série Disney+ e Marvel, Loki.

Se você está acompanhando o universo cinematográfico da Marvel, sabe que está ficando cada vez mais complexo. Você deve se lembrar que em Avengers: Endgame, uma versão anterior de Loki (Tom Hiddleston) escapou da custódia com o Tesseract na mão enquanto os vingadores viajavam no tempo para coletar as Pedras do Infinito. Você sabe, coisas padrão!

A série começa com essa cena e segue essa versão de Loki. Momentos depois de escapar, o personagem é rapidamente apreendido pelas Autoridades do Tempo (TVA), uma organização misteriosa que monitora o fluxo do tempo. Por meio da TVA, aprendemos sobre a "linha do tempo sagrada", que foi supostamente estabelecida por seres poderosos que ditam todos os eventos e ações ao longo do tempo.

A TVA avança e apreende indivíduos que se desviam de seus caminhos predeterminados. Esses indivíduos são chamados de "variantes". Uma pessoa pode se tornar uma variante por ações grandes e pequenas: desde iniciar uma revolta até simplesmente chegar atrasado para o trabalho. Na maioria das vezes, as variantes nem sabem que estão indo contra a linha do tempo sagrada. Estas pessoas tomam uma decisão que as tira do plano predeterminado e a TVA os prendem e "podam" sua existência. A princípio, essa parece ser a destruição completa, mas acontece que isso os move para um lugar onde estão fora do caminho. As variantes são essencialmente jogadas fora e as que sobrevivem parecem perder todo o sentido e propósito de vida.

É possível que sejamos todos uma variante?

Por mais estranha que a ideia de uma "linha do tempo sagrada" me parecesse à primeira vista, percebi que a maioria de nós acredita nela de alguma forma. Querendo ou não, temos nossa própria ideia de como as coisas devem acontecer e quem devemos ser. Por meio de nossas esperanças e sonhos, criamos uma linha do tempo sagrada para nós mesmos. Às vezes, julgamo-nos com base nessas expectativas e nos declaramos variantes. Você já desejou voltar no tempo e fazer algo diferente? Evite um erro ou relacionamento específico? Você costuma falar em "deveria", como "Eu deveria ter feito isso ou aquilo"? Nesse caso, então, de alguma forma, você se declarou uma variante.

Também podemos agir como se Deus tivesse estabelecido uma linha do tempo sagrada com um caminho muito particular que devemos seguir. Quando olhamos para o discernimento deste ponto de vista, pode ser assustador ou mesmo debilitante. Passei anos indo e voltando sobre se deveria ou não me juntar aos jesuítas, porque estava preocupado em não errar. Achei que, se descobrisse o caminho errado, estaria para sempre fora do curso. Desde então, conheci muitas pessoas que olham para o discernimento de uma forma semelhante – evitam fazer qualquer escolha por medo. Agora, não me entenda mal, eu acredito que Deus sabe tudo, incluindo todo o nosso passado e futuro. Deus também tem planos e desejos para nós, mas nosso caminho não é predefinido. O desejo principal de Deus é que possamos estar com Deus para sempre, mas pode haver vários caminhos diferentes que podem nos levar a esse destino. Não precisamos olhar para nós mesmos ou para Deus de um ponto de vista tão estreito.

Então, como podemos superar essa mentalidade? Procure um propósito glorioso.

A frase "propósito glorioso", que foi falada pela primeira vez no filme Vingadores original, é muito usada na série Loki. Loki descreve a si mesmo como "carregado de um propósito glorioso" no início do primeiro episódio. Ele vê como seu destino governar – estar acima daqueles ao seu redor. Mas essa noção de seu próprio destino é rapidamente desafiada pelas autoridades da TVA, especialmente quando mostram os "maiores sucessos" de sua vida, incluindo seus fracassos, erros e sua própria morte prematura. Seu senso de propósito glorioso e propósito em geral desaparece rapidamente.

Isso não significa, no entanto, que o "fardo" de Loki vá embora. Eventualmente encontra outras variantes de si mesmo e elas também parecem sobrecarregadas com a ideia de que foram feitas para mais. De todas essas variantes, Classic Loki (Richard E. Grant) parece estar especialmente desiludido com a noção de propósito glorioso. Ele é uma versão mais velha de Loki, que passou grande parte de sua vida na solidão após julgar que seu próprio propósito não era nada além de trazer dor para os outros. A certa altura, ele diz: "Estamos quebrados, todas as nossas versões".

Nós também podemos ficar desiludidos com nosso próprio senso de propósito quando as coisas não saem como planejamos. Isso é exacerbado quando nos concentramos apenas em nossas falhas. Quando a TVA mostrou a Loki diferentes partes de sua vida, apenas se concentraram em seus maiores erros e fracassos.

O Exame Inaciano (diferente do exame de consciência) pode nos fornecer uma maneira diferente de ver nossas vidas. O exame serve como uma forma de revisitar os momentos do nosso dia vendo onde Deus está presente, incluindo nossos fracassos e nossos sucessos.

Como parte do exame, sempre revisamos nosso passado com a orientação do Espírito Santo, que pode ajudar a moderar nossos julgamentos. Quando nos lembramos de uma época em que não respondemos como esperávamos, não nos precipitamos em julgar. Reconhecemos esses momentos para refletir sobre o nosso caminho a seguir. Também pedimos ao Espírito Santo para iluminar aqueles momentos em que respondemos ao chamado de Deus em nossas vidas, mesmo apenas em pequenas interações ou gestos. Mesmo que o exame envolva uma revisão de nosso passado, sempre devemos terminar olhando para frente.

Seguir em frente com Deus é como nossa própria "linha do tempo sagrada" e realmente se parece. Não é um caminho em que não cometemos erros. Deus tem planos maiores para nós do que podemos sequer sonhar e esses planos não são tão facilmente desviados do curso. Podemos não saber ou jamais ver o quadro geral, mas podemos ter alguns vislumbres dele por meio do exame. Ao recapitular nossos dias, com a ajuda do Espírito Santo, podemos ver aqueles momentos em que estamos mais próximos de Deus e quando Deus atuou por meio de nós.

No penúltimo episódio de Loki, Classic Loki realiza um ato de heroísmo para ajudar Loki. Enquanto faz isso, ele grita, "propósito glorioso!". Foi como se ele finalmente percebesse o significado daquelas palavras. Depois de anos de decepção e desesperança, Loki finalmente encontrou um propósito em um ato de doar-se para ajudar os outros.

Nós também podemos ficar desapontados conosco de vez em quando, mas Deus não quer que nos consideremos variantes. Em vez disso, podemos contar com a garantia do papa Francisco de que "ninguém é inútil na Igreja". Esse conhecimento nos ajudará a realizar pequenos atos de bondade com grande amor – esse é um propósito glorioso que todos nós temos a oferecer.

Publicado por America

*Tucker Redding, S.J., é o editor-chefe do The Jesuit Post. @treddingsj



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!