Religião

08/08/2021 | domtotal.com

Não é fácil explicar o que é 'saber viver'

Reflexão sobre o Evangelho do 19º Domingo Comum, João 6,41-51

Talvez tenhamos de começar por acreditar que a nossa vida pode ser mais plena e profunda, mais livre e alegre
Talvez tenhamos de começar por acreditar que a nossa vida pode ser mais plena e profunda, mais livre e alegre (Unsplash/Xavier Mouton Photographie)

José Antonio Pagola*
RD

Quantas vezes já o ouvimos: "O que verdadeiramente importa é saber viver". E, no entanto, não nos é nada fácil explicar o que realmente é "saber viver". Frequentemente, a nossa vida é demasiado rotineira e monótona. De cor cinzenta.

Mas há ocasiões em que a nossa existência se torna feliz, se transfigura, ainda de forma fugaz. Momentos em que o amor, a ternura, a convivência, a solidariedade, o trabalho criativo ou a festa adquirem uma intensidade diferente. Sentimo-nos viver. Do fundo do nosso ser dizemos a nós mesmos: "Isto é vida".

O Evangelho de hoje recorda-nos algumas palavras de Jesus que nos podem deixar um pouco perplexos: "Garanto-vos: aquele que acredita tem vida eterna". O termo "vida eterna" não significa simplesmente uma vida de duração ilimitada após a morte.

Trata-se, acima de tudo, de uma vida de profundidade e qualidade novas, uma vida que pertence ao mundo definitivo. Uma vida que não pode ser destruída por um bacilo, nem ficar truncada no cruzamento de qualquer estrada. Uma vida plena que vai para lá de nós mesmos, porque já é uma participação na própria vida de Deus.

A tarefa mais apaixonante que temos todos diante de nós é a de sermos cada dia mais humanos, e nós cristãos acreditamos que a forma mais autêntica de viver humanamente é a que nasce de uma adesão total a Jesus Cristo. "Ser cristão significa ser homem, não um tipo de homem, mas sim o homem que Cristo cria em nós" (Dietrich Bonhoeffer).

Talvez tenhamos de começar por acreditar que a nossa vida pode ser mais plena e profunda, mais livre e alegre. Talvez tenhamos de nos atrever a viver o amor com mais radicalidade para descobrir um pouco o que é "ter uma vida abundante". Um texto cristão atreve-se a dizer: "Sabemos que passamos da morte à vida quando amamos os nossos irmãos" (1 João 3,14).

Mas não se trata de amar porque nos disseram que amemos, mas porque nos sentimos radicalmente amados. E porque acreditamos cada vez com mais firmeza que "a nossa vida está oculta com Cristo em Deus". Há uma vida, uma plenitude, um dinamismo, uma liberdade, uma ternura que "o mundo não pode dar". Só o descobre quem consegue enraizar a sua vida a Jesus Cristo.

Publicado por Religión Digital e traduzido pelo IHU

*José Antonio Pagola é padre e tem dedicado a sua vida aos estudos bíblicos, nomeadamente à investigação sobre o Jesus histórico. Nascido em 1937, é licenciado em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma (1962), licenciado em Sagradas Escrituras pelo Instituto Bíblico de Roma (1965), e diplomado em Ciências Bíblicas pela École Biblique de Jerusalém (1966). Professor no seminário de San Sebastián (Espanha) e na Faculdade de Teologia do Norte de Espanha (sede de Vitória), foi também reitor do seminário diocesano de San Sebastián e vigário-geral da diocese de San Sebastián.



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!



Outras Notícias