Religião

12/08/2021 | domtotal.com

Earth Overshoot Day: o pior está por vir

A crise climática é expressão de uma crise muito maior: a crise de civilização. A saída? Um novo modelo de sociedade e um novo sentido da vida

O ser humano é o principal responsável pelo aquecimento global
O ser humano é o principal responsável pelo aquecimento global (Ehimetalor Akhere Unuabona on Unsplash)

Élio Gasda*

Mudanças climáticas são mais mortíferas que a pandemia do coronavírus. Elas ameaçam a existência de toda a humanidade e da vida na terra. Consequência do negacionismo irracional de governos, empresas e de setores da população. Humanidade ameaçada por ela mesma!

Earth Overshoot Day! Em 2021, a humanidade excedeu sua cota anual de recursos regeneráveis em 29 de julho. Seriam necessários 1,7 Planetas Terra para manter os padrões atuais de produção e consumo. Precisaríamos de mais cinco planetas se a população mundial vivesse como nos Estados Unidos. No Brasil, a cota foi esgotada dois dias antes, em 27 de julho (Global Footprint Network - GFN).

2021 ainda terá 155 dias pela frente. Recursos que deveriam durar para o ano inteiro foram consumidos em sete meses. Consumimos 74% mais recursos naturais do que o planeta tem condições de regenerar em um ano. Uma das causas foi o crescimento do desmatamento na Amazônia onde, somente em junho foram registradas 2.308 queimadas.

"A natureza fala, mas a humanidade não a ouve" (Victor Hugo). Há 40 anos os cientistas vêm alertando que se implementem recursos tecnológicos, sociais e organizacionais para evitar a catástrofe.

Esta semana o Painel Intergovernamental sobre o Clima da ONU (IPCC) divulgou o sumário executivo da primeira parte do seu sexto relatório (AR6) sobre o clima. Elaborado por 800 cientistas do mundo inteiro, o texto foi revisado e aprovada por 196 países.

O AR6 mostra que o ser humano é o principal responsável pelo aquecimento global. Até 2075, a mudança climática reduzirá a biodiversidade local em 75%. No oceano, ondas de calor serão mais frequentes e desaparecerão de 70 a 90% dos recifes de coral. Altas taxas de emissões de gases levarão ao desaparecimento metade da floresta amazônica.

Consequências? Escassez de alimentos e de água, doenças e epidemias, condições meteorológicas extremas, desastres naturais: enchentes torrenciais na Europa, incêndios arrasadores no Mediterrâneo, ondas de calor no Canadá, florestas queimando na gélida Sibéria, oito meses de chuva em único dia na China, ondas de frio polar no Brasil. O Centro-Sul enfrenta a pior seca em 91 anos.

Mudanças climáticas estão entre as principais causas dos fluxos migratórios. Tsunamis, secas, desertificação, chuvas torrenciais, inundações, furacões destroem cultivos, matam os animais e tornam inabitáveis regiões inteiras. Centenas de milhões sofrerão um calor mortal, principalmente na África subsaariana e no Sudeste Asiático. A cada ano, 2,7 milhões serão deslocados por inundações e mais de 400 milhões de residentes urbanos serão afetados pela falta de água.

O agravamento do aquecimento global pode levar ao primeiro evento de extermínio em massa das espécies - ecocídio. Uma situação de permanente colapso com regiões inteiras inabitáveis. O ecocídio é também um suicídio. As bases ecológicas do planeta estão ameaçadas. Porque a inércia generalizada? Há sabotagem das propostas da ONU para reduzir os danos?

A ciência climática no Brasil foi desativada por falta de recursos. O negacionismo da crise ambiental é semelhante ao negacionismo da pandemia que produziu quase 600 mil mortes. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) vem alertando sobre o processo de savanização das florestas e perda irreversível da biodiversidade. Amazônia apresenta áreas imensas de savanização.

Não há como negar tantas evidências científicas. E vai piorar. Se o mundo fosse governado por Bolsonaros, chegaríamos ao fim do século com até 5,7º de elevação de temperatura. Ecocídio-suicídio.

Leia também:

Com um governo irresponsável sem nenhuma sensibilidade diante das questões sociais e ambientais, o Brasil virou um pária mundial. Entreguista das riquezas nacionais e patrocinador da destruição ambiental. De volta aos tempos da república bananeira. Cada dia de Bolsonaro no governo é um dia de destruição do Brasil. Dias de infâmia.

Vivemos em um sistema insustentável e destrutivo. A crise da pandemia não é nada comparada à crise do modelo de sociedade. Os jovens estão recebendo uma herança ambiental de Terra arrasada. Só temos um planeta.

A Terra, nossa casa comum, já existia antes de nós. A Terra é um organismo vivo. A vida está ameaçada. É impossível manter uma vida digna numa Terra arrasada. A crise climática é expressão de uma crise muito maior: a crise de civilização. A saída? Um novo modelo de sociedade e um novo sentido da vida. A economia não pode ser mais importante que a ecologia e a vida humana.

Destruir o meio ambiente é agredir a pessoa humana, ambos possuem a mesma raiz, o desrespeito à vida. Um modelo de sociedade que não cuida da natureza também não cuida da pessoa humana.

"Recuperar a natureza que danificamos significa, antes de tudo, recuperar a nós mesmos" (papa Francisco).

*Élio Gasda é doutor em Teologia, professor e pesquisador na Faje. Autor de: 'Trabalho e capitalismo global: atualidade da Doutrina social da Igreja' (Paulinas, 2001); 'Cristianismo e economia' (Paulinas, 2016)

O texto reflete a opinião pessoal do autor, não necessariamente do Dom Total. O autor assume integral e exclusivamente responsabilidade pela sua opinião.



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!