Mundo

27/08/2021 | domtotal.com

O pesadelo dos deportados da Europa no Afeganistão

Abdul Ghafoor chegou a Hamburgo, ainda desnorteado, e tenta ajudar seus colegas que ficaram no país asiático

Dezenas de milhares de afegãos lutam em vão por uma autorização de residência na Alemanha todos os anos
Dezenas de milhares de afegãos lutam em vão por uma autorização de residência na Alemanha todos os anos (DW)
DW

Farhad quer sair de Cabul com a família rumo à Alemanha onde cresceu e de onde fora repatriado. Quando tiros são ouvidos, Farhad recorre a uma mentirinha, abraça seu filho de três anos com força e diz que há um casamento nas proximidades, que o barulho é de "tiros alegres", disparados ao ar, em homenagem aos noivos. Uma tradição afegã. "Meu filho ainda não entende o que está acontecendo no país. Ele tem muito medo desses barulhos." Farhad relata que não pode explicar à criança o que aconteceu em Cabul desde que o Talibã assumiu o poder.

Farhad na verdade tem um nome diferente, seu nome verdadeiro é conhecido pela reportagem, que está em contato com ele há vários anos. Agora ele escreve diariamente no chat do Facebook como ele está passando. Ele que é um dos mais de mil afegãos que, de acordo com o Ministério do Interior da Alemanha, foram deportados da Alemanha para seu país desde o final de 2016. Em sua fuga, ele ainda era menor. Chegou à Alemanha sozinho, os pais estão mortos. Ele não foi condenado por crime algum na Alemanha, justificativa comum do governo alemão para deportações. Mesmo assim, seu pedido de refúgio foi rejeitado, apesar das tentativas desesperadas de ajuda de amigos alemães.

Deportações controversas

Assim como Farhad, dezenas de milhares de afegãos lutam em vão por uma autorização de residência na Alemanha todos os anos. Quase 7 mil decisões relativas a pedidos de refúgio foram tomadas entre janeiro e o final de julho deste ano. Em 60% dos casos, os pedidos de requerentes de refúgio afegãos foram rejeitados ?" apesar da situação de segurança cada vez pior no país. E as polêmicas deportações só foram suspensas em 11 de agosto ?" apenas quatro dias antes de o Talibã invadir Cabul .

Apesar das constantes críticas de organizações de direitos humanos, o governo alemão mantinha sua posição de que o Afeganistão era seguro o suficiente para que pessoas continuassem a ser deportadas para o país asiático. Atualmente, cerca de 30 mil afegãos na Alemanha estão na fila de deportação.

No radar do Talibã

O que Farhad escreve soa amargo. Já na época ele se sentiu abandonado pela Alemanha. Agora de novo. Alguém como ele, que já foi deportado uma vez, não teria chance real de ser resgatado como parte do transporte aéreo alemão. Ele está desesperado. "Se o talibãs descobrirem que eu morei na Alemanha, me matam", acredita.

E repatriados como Farhad correm mesmo maior risco do que outros desde que o Talibã chegou ao poder, segundo Abdul Ghafoor. "Conheci muitos repatriados que tinham tatuagens visíveis no pescoço ou nas mãos. Isso é uma proibição absoluta para o Talibã", diz. "Alguns também não rezam mais. Quem viveu no Ocidente por anos, representa uma ameaça aos olhos do Talibã, simplesmente por causa dessa experiência e de sua mudança de estilo de vida", explica Ghafoor.

Ghafoor fala por experiência pessoal. Ele próprio fugiu para a Europa, foi expulso da Noruega em 2013 e deportado de volta para o Afeganistão. Após seu retorno, ele fundou uma ONG para ajudar outros repatriados e pessoas deslocadas internamente a recuperarem uma posição, a Organização de Aconselhamento e Apoio aos Migrantes do Afeganistão (Amaso). Os repatriados passam por momentos difíceis no Afeganistão e muitas vezes são excluídos da sociedade e até mesmo de suas famílias. Eles são estigmatizados, independentemente do fato de que só uma parcela dos deportados na Alemanha o foram por violarem da lei. "A opinião que prevalece entre a população é que essas pessoas devem ter feito algo errado e, portanto, foram expulsas."

Seu trabalho pelos refugiados deportados tornou Ghafoor conhecido muito além das fronteiras de Cabul. Mas essa fama também se tornou perigosa para ele. Por isso, há muito tempo sua família e amigos o pressionam a deixar novamente o Afeganistão. "Continuei recebendo ameaças. Mas podia lidar com elas." Por muito tempo, ele relutou em ir. Mas quando o Talibã invadiu Cabul, ele não viu outra saída. Rapidamente, destruiu todos os documentos em seu escritório que continham nomes e endereços.

Sob nenhuma circunstância o Talibã pode descobrir quem ele aconselhou nos últimos anos. "Lidei com alguns casos muito delicados, incluindo cristãos convertidos e ateus. Não queria pôr em perigo a vida humana", ressalta. Ghafoor está convencido de que sua própria vida agora corre grave perigo. "Não tenho ilusões de que eles me poupariam."

Há alguns dias, Abdul Ghafoor se encontra seguro em Hamburgo, a quase 7 mil quilômetros de Cabul. Devido à sua posição exposta e sua fama, seu nome rapidamente foi parar em uma das cobiçadas listas de passageiros. Na verdade, ele foi um dos sete passageiros resgatados em 17 de agosto com o primeiro voo de resgate da Bundeswehr. Ele viajou num avião praticamente vazio, tripulado por seus próprios sentimentos. "Eu não parava de chorar durante o voo", diz, por telefone.

Medo na rua

Enquanto Ghafoor está fora de perigo, Farhad vive seu verdadeiro pesadelo. Sua mulher não ousa sair de casa desde que o Talibã entrou em Cabul, mas ele ainda sai para fazer as tarefas diárias.

Até agora, amigos alemães enviavam a ele algum dinheiro todos os meses via Western Union. Ele ainda tem o equivalente a 20 euros em dinheiro. Ele não sabe o que vai acontecer depois disso. E diz que sair às ruas é uma experiência assustadora. Quase tudo está fechado, exceto os supermercados. Há muito menos pessoas à vista, quase nenhuma criança, mulheres ?" se é que aparecem ?" apenas acompanhadas por seus maridos. "E homens armados em todos os lugares."

Ele é repetidamente parado e questionado por combatentes do Talibã. "Quem é você, para onde vai? Qual é o seu trabalho? Já trabalhou algum dia para a polícia ou para estrangeiros?" Sempre as mesmas perguntas. Ele então diz que está indo comprar algo para comer. E dá um nome errado. "Você tem que mentir para salvar sua vida." O Talibã ainda não pediram a ele identidade ou outros documentos.

Algumas vezes, Farhad também levou seu filho. A criança chorava e queria sair para tomar ar fresco. Para não assustar o menino, Farhad explicou a ele que os homens armados e barbudos são como a nova polícia da cidade. Outra mentirinha. Mas ele ficará dependente delas por um longo período de tempo. Farhad não acredita que haverá uma fuga de Cabul para sua família em um futuro próximo.

Preocupação quem ficou

Desde sua chegada à Alemanha, Ghafoor continuou trabalhando sem parar. Diariamente chegam a ele mensagens e pedidos de ajuda de seu país. Ele tenta organizar ajuda por meio das redes sociais. Ele também está em contato com seus funcionários que ainda estão no local e está preocupado com eles. "Ainda não consegui fazer nada por eles."

Abdul Ghafoor não sabe dizer no momento se gostaria de ficar na Alemanha ou na Europa. Primeiro, ele precisa de tempo para processar o que tem vivenciado. "Ainda não consigo entender o que aconteceu e com que rapidez tudo isso ocorreu. No momento, ainda me sinto um pouco perdido."

DW



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!