Religião

01/09/2021 | domtotal.com

Patriarca avalia visita de Macron: cristãos não podem esperar políticas do ocidente

Cardeal iraquiano diz que a visita de Macron não ajudou, foi uma oportunidade perdida

O presidente francês Emmanuel Macron (Esq) se encontra com lideranças cristãs durante uma visita à Igreja de Nossa Senhora da Hora em Mosul, na província de Nínive, no norte, em 29 de agosto de 2021
O presidente francês Emmanuel Macron (Esq) se encontra com lideranças cristãs durante uma visita à Igreja de Nossa Senhora da Hora em Mosul, na província de Nínive, no norte, em 29 de agosto de 2021 Foto (Ludovic MARIN/AFP)

"Vimos tantas 'missões' políticas e militares ocidentais no Oriente Médio, vimos tantas promessas de ajuda, e no final tudo permanece no nível de palavras vazias, se não pior". Essas são considerações do patriarca da Igreja Caldeia, cardeal Louis Raphael I Sako, após a conclusão da visita de dois dias do presidente francês Emmanuel Macron ao Iraque, quando participou em Bagdá de uma cúpula internacional e visitou a capital Mosul e Erbil, no Curdistão iraquiano

Segundo o patriarca, a cúpula foi "um evento importante, um forte sinal de apoio ao Iraque e seu caminho para recuperar a estabilidade", contudo, a visita do presidente francês a Mosul foi marcada "por gestos e palavras que para muitos iraquianos parecem inadequadas e podem alimentar mal-entendidos".

Na capital iraquiana, o presidente francês participou no sábado (28) da cúpula regional organizada pelo governo iraquiano, e que contou com a participação, entre outros, de chanceleres – mas não chefes de Estado – da Arábia Saudita, Irã e Turquia. "O Iraque não pode ser palco de confrontos regionais!", afirmou na abertura do encontro o primeiro-ministro do Iraque, Mustafa al Kadhimi.

Baseado em fatos da história recente e da atualidade, o cardeal Sako recordou o que "aconteceu no Afeganistão", as "muitas promessas feitas recentemente ao Líbano, que continua a se debater em uma crise muito séria". "A realidade – afirmou o primaz da Igreja Caldeia – é que os países ocidentais nada podem fazer, sobretudo agora que estão todos ocupados resolvendo seus problemas econômicos e concentrando seus recursos na luta contra a pandemia".

Em sua análise à Agência Fides da visita de Macron, o cardeal Sako considera enganoso o já obsoleto clichê das visitas de líderes ocidentais que vão a áreas de crise, apresentando-se como potenciais "solucionadores" de conflitos e situações degradantes de longo prazo. Também nesse sentido, a visita do presidente francês – na visão do patriarca – foi "apressada e mal preparada".

O erro de esperar do Ocidente a salvação e a solução dos problemas do Oriente – destaca o patriarca caldeu – teve efeitos devastadores, mesmo quando dizia respeito especificamente às comunidades cristãs do Oriente Médio.

"A do Ocidente que defende os cristãos em outras partes do mundo – declarou à Agência Fides o patriarca Sako – é uma lenda que provocou tantos danos. E alguns momentos da visita de Macron a Mosul pareceram mais um renascimento dessa lenda".

Na cidade mártir, o mandatário francês visitou a Igreja latina conhecida como Nossa Senhora da Hora, tradicionalmente confiada aos padres Dominicanos. "Naquela circunstância – nota o patriarca – os interlocutores de Macron eram sobretudo europeus, e mesmo os bispos iraquianos presentes pareciam ser convidados. Havia uma atmosfera de cordial familiaridade entre os compatriotas europeus, em contraste com a atmosfera formal e fria criada quando o presidente francês visitou a Grande Mesquita de Al Nuri. Alguns imãs sunitas criticaram a visita de Macron enquanto ela ainda estava em andamento".

"O que quero dizer – explica o patriarca Caldeu – é que nosso primeiro desejo é aquele de ver os cristãos que fugiram daquelas terras retornarem e permanecerem nas próprias casas. É necessário promover a restauração de um tecido de convivência harmoniosa entre as diferentes comunidades étnicas e religiosas, o mesmo que caracterizou Mosul no passado".

"A este respeito – pontuou o purpurado iraquiano – a visita de Macron não ajudou, foi uma oportunidade perdida e até mesmo gerou o risco de alimentar a desconfiança entre os concidadãos muçulmanos. A última coisa a ser feita pelos cristãos daqui é colocar sua confiança nas políticas ocidentais. Se a França abre um consulado em Mosul ou constrói um aeroporto lá, estes não são assuntos que dizem respeito aos bispos e às coisas que os bispos devem perdir às autoridades civis locais".


Vatican News



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!



Outras Notícias

Não há outras notícias com as tags relacionadas.