Meio Ambiente

28/09/2021 | domtotal.com

Região mais preservada do país, sul do Amazonas é a nova fronteira do desmatamento

Padrão é de extração de madeira, queimada e posterior ocupação com gado e soja

Vista aérea de um desmatamento na Amazônia para expansão pecuária, em Porto Velho, Rondônia
Vista aérea de um desmatamento na Amazônia para expansão pecuária, em Porto Velho, Rondônia (Victor Moriyama/Amazônia em Chamas)

Por cinco dias, entre 13 a 17 de setembro, a Aliança Amazônia em Chamas comprovou o alerta e o temor de muitos pesquisadores: o sul do Amazonas, o maior e mais conservado estado em meio à floresta, é a nova fronteira do desmatamento. "Essa região tem se destacado pelo avanço veloz do desmatamento, que adentra cada vez mais em territórios bem conservados e vitais para mitigar a crise climática e evitar o colapso da biodiversidade no planeta", explica Cristiane Mazzetti, do Greenpeace, organização que compõe a aliança ao lado de Amazon Watch e Observatório do Clima.

Participaram da expedição pesquisadores, jornalistas e três artistas brasileiros - Rafael Cardoso (ator), Giovanna Lancellotti (atriz) e Vitão (cantor e compositor). A rota partia de Porto Velho, segundo município em quantidade de queimadas - com 2,7 mil focos, de 1º de janeiro a 18 de setembro, de acordo com dados do Inpe - e seguia até Lábrea, recordista em queimadas no país, com 2.946 focos no mesmo período. Depois de passar pela Terra Indígena Jacareúba (AM) e pelo Parque Nacional Mapinguari (AM e RO), foi possível observar extensas áreas desmatadas, de 1.550 a 2.450 hectares, equivalentes a 2.012 e 3.181 campos de futebol respectivamente, e que estão entre os cinco maiores desmatamentos do Amazonas.

Sob o governo Bolsonaro, o Amazonas superou Rondônia como o terceiro estado com o maior desmatamento, segundo o sistema Prodes, do Inpe. "Presenciamos a destruição da floresta em larga escala, incluindo grandes polígonos de desmatamentos, focos ativos de calor e pistas de pouso clandestinas. Em Porto Velho, avistamos grandes áreas para o cultivo de grãos, atividade que está se consolidando cada vez mais no norte de Rondônia e adentrou recentemente o sul do Amazonas, com plantio de soja em Humaitá", conta Mazzetti, que acompanhou as atividades.

Na parte terrestre, a expedição passou por Candeias do Jamari, segundo município mais desmatado em Rondônia, entre agosto de 2020 e julho de 2021, ficando atrás apenas de Porto Velho. Lá, o grupo encontrou serrarias e muitos caminhões carregados de toras de árvores gigantes, além de gado pastando junto a áreas recém queimadas. "Vimos lado a lado todas as etapas do processo de desmatamento: a extração da madeira mais valiosa, o desmatamento e posterior queima da vegetação que fica secando ao sol para o plantio de pasto e o gado ocupando áreas que até pouco tempo eram cobertas pela floresta. É uma incongruência derrubar e queimar a floresta com a maior biodiversidade do mundo, para dar lugar a duas espécies: o gado e a grama", diz Rômulo Batista, porta-voz da campanha de Amazônia do Greenpeace Brasil.

Nessa região, ficam duas Unidades de Conservação (UCs), a Flona Jacundá e a Estação Ecológica de Samuel, que já apresentam registros de invasão. Para os especialistas, a aprovação pelo governador Marcos Rocha do projeto de lei que reduziu em 80% os limites da reserva extrativista (Resex) Jaci-Paraná para beneficiar invasores, pode ter impulsionado as invasões às UCs. A Resex foi a Unidade de Conservação que mais queimou em Rondônia neste ano e cuja situação deve se agravar ainda mais nos próximos meses.

Ane Alencar, diretora de ciência do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), integrava o grupo e se surpreendeu com a ocupação indiscriminada de terras públicas. "Desmatar grandes áreas requer muito investimento em maquinário e logística, o que mostra que os invasores estão indo com tudo para cima das terras públicas e ocupando de forma indiscriminada e altamente capitalizada", afirma. Segundo a pesquisadora, uma das maiores conhecedoras da dinâmica do fogo em florestas do país, outro ponto de destaque é que algumas áreas desmatadas nos anos anteriores estão abandonadas, sem nenhuma atividade agropecuária implementada. "Ou seja, estão usando o desmatamento para especular com terra pública."

Stela Herschmann, especialista em política climática do Observatório do Clima, também acompanhou a expedição e destacou o impacto da perda da floresta. "Enquanto as demais nações se desenvolvem com menos carbono, o Brasil corre na contramão, apostando em desmatamento, que é sua principal fonte de emissão de gases de efeito estufa. Desmatamento, queimadas, grilagem e garimpo acontecem na ilegalidade, não geram desenvolvimento para a região nem distribuem riqueza para os povos da floresta. Estamos literalmente queimando o futuro a troco de nada."

Texto originalmente publicado por EcoDebate


EcoDebate



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!