Meio Ambiente

17/10/2021 | domtotal.com

Revisão de estudo confirma poluição do ar por glifosato e outros agrotóxicos

Dezenas de pesticidas estão viajando pelo ar por quilômetros em parques e cidades

Vários pesticidas foram encontrados em áreas bem distantes do suposto local de origem
Vários pesticidas foram encontrados em áreas bem distantes do suposto local de origem (Cenipa/Divulgação)

A análise foi publicada inicialmente em 2019 e agora foi revisada por pares por cientistas independentes e publicada na renomada revista Environmental Sciences Europe. Foi encomendado pela Bündnis für eine enkeltaugliche Landwirtschaft e pela Umweltinstitut München e é o conjunto de dados mais abrangente sobre a poluição atmosférica por pesticidas na Alemanha. No entanto, as autoridades da UE responsáveis pelo processo de aprovação relativo ao uso de glifosato excluíram até agora o transporte aéreo.

Boris Frank, presidente da Bündnis für eine enkeltaugliche Landwirtschaft afirma que "o processo de aprovação do glifosato pela UE é baseado em fatos falsos". "Nosso estudo, que agora foi revisado por um painel científico independente, mostra que a toxina agrícola se liga a partículas de poeira e é carregada pelo ar por muitos quilômetros até o interior do país. O glifosato acaba em áreas naturais protegidas, em campos orgânicos e no ar que respiramos. O glifosato não deve ser reautorizado em nenhuma circunstância."

No estudo revisado por pares Pesticides and pesticide-related products in ambient air in Germany, a toxina agrícola glifosato foi detectada em cada um dos 69 pontos de medição distribuídos por toda a Alemanha. Foi encontrado longe de campos potenciais de origem, mesmo em parques nacionais como a Floresta da Baviera ou no Harzer Brocken. O glifosato é classificado como "provavelmente cancerígeno para humanos" pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e tem um efeito devastador sobre os insetos e seus habitats.

Christine Vogt, especialista em agricultura no Umweltinstitut München declara que agora está claramente provado que as toxinas agrícolas se espalham muito mais do que o que foi presumido pelas autoridades de aprovação até agora". "Solicitamos às autoridades da UE que incorporem essas descobertas cientificamente confirmadas na reavaliação do glifosato. Qualquer outra coisa seria um ato de negligência grosseira."

Atualmente, está em andamento o processo de participação pública para a reautorização do glifosato a partir de 2022. O Bündnis für eine enkeltaugliche Landwirtschaft e o Umweltinstitut München apresentam, portanto, o estudo às autoridades competentes.

Além do glifosato, dezenas de outros agrotóxicos foram registrados no ar ambiente, como mostra o estudo. "Detectamos 109 pesticidas diferentes, incluindo 28 que não são aprovados para uso na Alemanha", disse Maren Kruse-Plaß, principal autora do estudo e cientista do escritório de pesquisa TIEM Monitoramento Ambiental Integrado, que conduziu a análise. "Em cada local de amostragem, identificamos pelo menos um pesticida. Na maioria deles, havia várias substâncias ativas e, em um local, havia até 36 substâncias diferentes. Temos um coquetel químico no ar cujos efeitos em humanos e animais são completamente desconhecidos."

O Bündnis für eine enkeltaugliche Landwirtschaft e o Umweltinstitut München apoiam a demanda da Iniciativa de Cidadania Europeia Save Bees and Farmers (Salvem as abelhas e os fazendeiros) para proibir gradualmente todos os pesticidas sintéticos na UE até 2035. Enquanto isso, o processo de aprovação de pesticidas europeu deve levar o transporte de longo alcance de pesticidas por via aérea e o efeito da combinação de diferentes substâncias ativas em consideração. O processo de autorização do glifosato após 2022 é um bom lugar para começar.

O texto foi originalmente publicado por Bündnis für eine enkeltaugliche Landwirtschaft, com tradução e edição de Henrique Cortez para o EcoDebate


EcoDebate



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!