Mundo

19/10/2021 | domtotal.com

Alemanha lembra deportação de judeus para campos nazistas há 80 anos

Em 1941, começava na estação de Grunewald o transporte sistemático de judeus para o leste e consequentemente para a morte

Há uma década, as vítimas são homenageadas sempre no dia 18 de outubro
Há uma década, as vítimas são homenageadas sempre no dia 18 de outubro (DW)
DW

Em cerimônia, presidente diz que antissemitismo nunca mais deve ter lugar na sociedade alemã. Nessa segunda-feira (18) ensolarada de outono europeu, o presidente alemão Frank-Walter Steinmeier depositou uma rosa branca no memorial Plataforma 17, na estação ferroviária Grunewald, em Berlim, pela esperança e contra o esquecimento das milhões de vítimas do nazismo. Há 80 anos, os nazistas deportaram os primeiros judeus desta estação de trem para os campos de concentração nazista – e para a incerteza, privação de direitos, sofrimento e morte.

Há uma década, as vítimas são homenageadas sempre no dia 18 de outubro no memorial Plataforma 17. "Nós temos momentos e lugares – como o dia de hoje e este local aqui – para que elas (as vítimas) não sejam esquecidas, para que seu destino, sofrimento e a morte das vítimas, bem como as atrocidades dos algozes e seus ajudantes sejam lembrados", afirmou o presidente alemão.

Franz e Petra Michalski estão sentados na primeira fila e vestidos completamente de preto. Há anos, eles não perdem este dia de homenagem. Eles são convidados de honra, testemunhas contemporâneas e vítimas do Holocausto.

"Neste dia pensamos em amigos e parentes, pessoas que conhecíamos e que ainda conseguiram fugir ou foram deportadas. E também naquelas que já se suicidaram", afirma Petra Michalski. Ela também fala por seu marido, Franz Michalski, de 87 anos, que não consegue mais se expressar tão bem devido a um derrame cerebral. Quando menino, ele escapou por pouco de nazistas no último minuto – e, portanto, da morte certa.

Em vagões de gado para o campo de concentração

A deportação sistemática de judeus da Alemanha para o Leste começou no outono europeu de 1941, meses antes da Conferência de Wannsee, onde o assassinato sistemático e a sangue frio de judeus foi meticulosamente planejado.

Nos documentos oficiais dos nazistas sobre as deportações, eles descrevem a medida eufemisticamente como "reassentamento", "evacuação" ou "transferência". Na verdade, as pessoas eram levadas ao encontro da morte, aos guetos e aos campos de concentração pela então companhia ferroviária alemã, a Deutsche Reichsbahn.

No início, eles foram transportados em vagões velhos que haviam sido descartados pela Reichsbahn; mais tarde, em vagões superlotados usados para transportar gado.

O primeiro transporte de Berlim deixou a estação de trem Grunewald em 18 de outubro de 1941, a partir da plataforma 17. Eram 1.089 crianças, mulheres e homens que foram deportados de lá para a então cidade de Litzmannstadt (em polonês, ód). Mais de 50 mil judeus foram "levados" a partir de três estações de trem em Berlim e se tornaram vítimas do nazismo.

"Isso não deve acontecer nunca mais"

Franz Michalski é uma testemunha ocular: sobreviveu ao Holocausto e à fuga dos nazistas. Enquanto puder, ele quer contar sobre suas experiências em escolas, conferências e entrevistas. A reportagem da se encontra com o casal em seu apartamento localizado em Friedenau, em Berlim. A esposa Petra que dá os detalhes sobre a vida do marido.

Franz Michalski é filho de mãe judia e pai católico. Sua mãe, Lilli, se converteu ao catolicismo antes do casamento. No entanto, quando seu filho Franz nasceu em Breslau (em polonês, Wrocaw), em 1934, ele era – de acordo com a doutrina racial cínica dos nazistas – uma criança de um "casamento misto".

A família é rica, e seus membros se tornam cada vez mais vítimas de discriminação: no trabalho, nas lojas e no jardim de infância. E exatamente no dia do 10º aniversário de Franz Michalski, a Gestapo, a polícia secreta do nazismo, está à porta da casa para prender a família e deportá-la. Eles, porém, conseguem escapar nos últimos minutos. A partir daí, é o início de uma longa odisseia pela República Tcheca, Áustria, pelo estado alemão da Saxônia até Berlim, onde a família sobrevive com sorte e por ter muitos ajudantes.

Os ajudantes e heróis silenciosos

Durante a entrevista, Franz Michalski subitamente dá um pulo. Ele retira um livreto – sobre sua história e sobrevivência – que ele mesmo escreveu da prateleira. "Quando a Gestapo tocou a campainha..." E então ele rapidamente abre a página 89 do livreto – muito mais importante para ele do que falar sobre seu livro é a lista de nomes que está nessa página. Logo acima está escrito: "Meus heróis silenciosos": seis nomes que ele nunca vai esquecer e que salvaram a vida dele e de sua família em fuga.

Entre os nomes está o de Erna Scharf, a babá dos Michalskis, que acolhia ocasionalmente Franz e seu irmão em sua casa. Gerda Mez, colega de trabalho do pai de Franz, organizava clandestinamente viagens para a família. Um policial disse a eles que a Gestapo em breve iria invadir o apartamento – e é graças a ele que a família Michalski conseguiu escapar a tempo.

Em 2012, Erna Scharf e Gerda Mez foram homenageadas postumamente como "Justas entre as Nações" pelo Yad Vashem, memorial do Holocausto em Jerusalém. "Você não precisa ter estudado. Você tem que ter um coração caloroso e amor pelas pessoas. Tem que ser esperto para poder ajudar os outros, e foi isso que nossos ajudantes fizeram. Essa é uma das razões pelas quais simplesmente caminhamos até a plataforma 17 para nos lembrar dos ajudantes silenciosos", diz Petra Michalski, que sabe exatamente como os ajudantes são importantes na vida de seu marido.

"Acontece de forma contínua!"

"Queremos enfrentar o antissemitismo", diz o casal Michalski. Logo depois, eles contam sobre um de seus netos que foi vítima de um ataque antissemita há quatro anos. O jovem, que tinha 14 anos na época, foi estrangulado e espancado, e uma execução foi simulada tudo por causa de sua fé judaica. O caso ganhou repercussão internacional.

É também por causa de tais casos que o presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, faz um alerta urgente no memorial Plataforma 17: "Nunca mais o antissemitismo deve ter lugar em nossa sociedade. Nunca mais o pensamento e a ação antissemita devem permanecer sem oposição e reação pública", frisa.

A família Michalski tem ouvido com frequência tais palavras ou similares durante discursos deste tipo. E eles têm acompanhado de perto o fato de que o número de ataques antissemitas tem aumentado nos últimos meses e anos. Com um toque de resignação, eles afirmam: "(A discriminação e o terror nazista) nunca mais deveriam acontecer de novo. Mas acreditamos que eles não cessarão, porque desde que a humanidade existe, isso acontece sempre de novo".

DW



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!