Esporte

27/10/2021 | domtotal.com

Maurício Souza é afastado do Minas após comentários homofóbicos no Instagram

Jogador de vôlei pediu desculpas em seu perfil no Twitter, no qual tinha menos de 50 seguidores no momento da publicação

Atleta também receberá multa
Atleta também receberá multa (AFP)

A diretoria do time masculino de vôlei do Minas Tênis Clube decidiu afastar temporariamente o jogador Maurício Souza, por causa da pressão de patrocinadores após ele ter feito diversos comentários homofóbicos em suas redes sociais. Além disso, o atleta teve que se retratar e receberá uma multa.

Em comunicado enviado a reportagem, o Minas Tênis Clube afirmou que o presidente Ricardo Vieira Santiago se reuniu com Maurício Souza na tarde desta terça-feira para comunicar ao jogador o seu afastamento "por tempo indeterminado". "O atleta também recebeu uma multa e foi orientado a fazer uma retratação pública imediata", informou o clube.  

O Minas Tênis Clube também disse que "não aceita e não aceitará manifestações intolerantes de qualquer forma" e prometeu que intensificará "campanhas internas em prol da diversidade, respeito e união, por serem causas importantes e alinhadas com os valores institucionais".

Segundo o clube, não houve, em nenhum momento, a ameaça de outros atletas deixarem a equipe em protesto ao afastamento de Maurício Souza. O líbero Maique foi um dos atletas do elenco que se posicionou. Ele usou suas redes sociais para assegurar que não assinou nenhuma carta em apoio à posição de Maurício.

"Eu não assinei nada! E isso não me inclui. E continuo lutando pelos meus direitos e de nossa comunidade e de todo e qualquer tipo de preconceito. Isso que estão espalhando de eu apoiar algo é fake", afirmou. Maique é gay e comemorou a pressão que os patrocinadores da equipe em relação às declarações homofóbicas do central.

Nessa terça-feira (26), Fiat e Gerdau se posicionaram e deixaram claro que não compactuam com qualquer tipo de preconceito. A gota d'água foi uma postagem recente do jogador, que também atua pela seleção brasileira e esteve nos Jogos Olímpicos de Tóquio, criticando a editora DC Comics por revelar em uma história que o personagem do Super-Homem era bissexual.

"Hoje em dia o certo é errado, e o errado é certo... Não se depender de mim. Se tem que escolher um lado, eu fico do lado que eu acho certo! Fico com minhas crenças, valores e ideias. 'Ah, é só um desenho, não é nada demais'. Vai nessa que vai ver onde vamos parar", escreveu.

Não foi a primeira vez que ele se manifestou dessa maneira em suas redes sociais. Mas recentemente ele gravou um vídeo explicando que é conservador, de direita e que preza a família, explicando sua visão de mundo. "Lutar pelo que se acredita é para poucos! Pelos meus valores, crenças e propósitos eu irei até o fim! Custe o que custar", disse, citando valores da Bíblia

Mas a polêmica acabou chegando nos dois patrocinadores do time do Minas, Fiat e Gerdau. Elas divulgaram notas oficiais repudiando as atitudes do jogador. "Estamos (...) cobrando as medidas cabíveis, de acordo com o nosso posicionamento inegociável diante do respeito à diversidade e à inclusão. Assim, a Fiat repudia qualquer tipo de declaração que promova ódio, exclusão ou diminuição da pessoa humana e espera que a instituição tome as medidas cabíveis e necessárias no mais curto espaço de tempo possível", informou a montadora italiana.

A Gerdau, que também tem seu nome associado ao time, repudiou as declarações preconceituosas. "Repudiamos qualquer tipo de manifestação de cunho preconceituoso ou homofóbico. Já solicitamos a posição oficial do clube sobre as tratativas necessárias ao caso para adotar as medidas cabíveis, o mais breve possível. Reforçamos nosso compromisso com a diversidade e inclusão, um valor inegociável para a companhia", comentou a empresa.

O posicionamento dos dois patrocinadores do clube pressionou o Minas a tomar medidas mais duras para que não se prejudique ainda mais a imagem da equipe e tampouco fira as empresas que apoiam o time de vôlei. No dia anterior, a diretoria do clube já havia divulgado uma nota, mas sem ser muito incisiva. "Todos os atletas federados à agremiação têm liberdade para se expressar livremente em suas redes sociais. O clube é apartidário, apolítico e preocupa-se com a inclusão, diversidade e demais causas sociais", comentou.

Capitã do time feminino do Minas, Carol Gattaz também reprovou os comentários homofóbicos de Maurício Souza. "Homofobia é crime Racismo é crime. Respeito é obrigatório. Está na lei. Garantido pela constituição. Já toleramos desrespeito, gracinhas e preconceitos disfarçados de opinião por muito tempo. Chega", exclamou a jogadora. A ex-líbero Fabi, bicampeão olímpica com a seleção brasileira, reforçou: "Homofobia é crime". Ela é homossexual e luta pelos direitos da comunidade LGBTQIA+.

Retratação

Poucas horas após ser afastado, Maurício Souza veio a público para se retratar das declarações consideradas homofóbicas que fez em suas redes sociais. O jogador de vôlei pediu desculpas em seu perfil no Twitter, no qual tinha menos de 50 seguidores no momento da publicação.

As declarações polêmicas haviam sido feitas em seu perfil no Instagram, no qual conta com 257 mil seguidores. Até o fim da noite dessa terça-feira, o jogador ainda não havia publicado a retratação nesta rede social, em que apresenta maior popularidade e maior alcance.

"Pessoal, após conversar com meus familiares, colegas e diretoria do Clube, pensei muito sobre as últimas publicações que eu fiz no meu perfil. Estou vindo a público pedir desculpas a todos a quem desrespeitei ou ofendi, esta não foi minha intenção", afirmou. "Tenho refletindo muito e reitero minhas desculpas pelo posicionamento", prosseguiu.

O post foi republicado pelo perfil oficial do Minas, que conta com quase 50 mil seguidores. O clube reiterou sua mensagem: "O Minas Tênis Clube reforça que não aceita e não aceitará manifestações intolerantes, racistas, preconceituosas e homofóbicas, e que intensificará campanhas internas em prol da diversidade, respeito e união, por serem causas importantes e alinhadas com os valores institucionais".

A retratação, contudo, foi criticada por Douglas, colega de Maurício na seleção brasileira. "O famoso não vai dar em nada, né. Toda vez a mesma coisa, cansado disso de sempre ter falas criminosas e no máximo que rola é uma 'multa' e uma retratação nas redes sociais. Até quando? Todos os dias, todas as horas um dos nossos morrem. E o que temos? Uma retratação", comentou o jogador, que se tornou sensação nas redes sociais durante a Olimpíada de Tóquio, onde competiu ao lado de Maurício.



Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!