Economia

30/10/2021 | domtotal.com

Nubank, avaliado em US$ 30 bilhões, prepara sua entrada em Wall Street

Oito anos após sua criação, a empresa tem mais de 41 milhões de clientes no Brasil

Sede da fintech Nubank em São Paulo: imagem de empresa jovem e dinâmica
Sede da fintech Nubank em São Paulo: imagem de empresa jovem e dinâmica (Nelson Almeida/AFP)

O Nubank anunciou nesta semana em um comunicado que protocolou junto ao regulador americano um documento preparatório para sua listagem na Bolsa de Wall Street, uma nova etapa para a start-up de serviços financeiros avaliada em US$ 30 bilhões.

David Vélez, um colombiano que já vinha do mundo das finanças, criou o Nubank em 2013, para remediar as insuficiências que via no sistema bancário brasileiro, que cobrava taxas muito altas. A ideia era criar um banco online fácil de usar, com serviços mais baratos.

O Nubank oferece principalmente cartões de débito e crédito gratuitos e um programa de fidelização, controlados pelo cliente através de um aplicativo para smartphones.

Oito anos após sua criação, a empresa tem mais de 41 milhões de clientes no Brasil, segundo resultados publicados em meados de outubro, que também mostraram que no primeiro semestre foram alcançados os primeiros lucros de sua história (R$ 76 milhões).

O sucesso da fintech tornou David Vélez, que representa uma nova geração de empresários, um milionário. O CEO e sua esposa prometeram doar a maior parte de sua fortuna, estimada em US$ 5,2 bilhões pelo site da revista Forbes.

Dotado de uma vantagem tecnológica após colocar a informática e a internet no centro de seu modelo, o Nubank também é um mestre em marketing, com sua imagem jovem e dinâmica. Em junho, a empresa recebeu em seu conselho administrativo a estrela Anitta.

Também anunciou em junho ter levantado US$ 750 milhões de investidores liderados pela Berkshire Hathaway, o conglomerado financeiro do famoso investidor Warren Buffett. Esta nova operação elevou a avaliação da empresa para US$ 30 bilhões.

O Nubank se recusou a divulgar o documento apresentado ao comitê de valores dos Estados Unidos, a Securities and Exchange Commission (SEC), por considerá-lo "confidencial", segundo comunicado publicado na quarta-feira.

A entrada do banco brasileiro na bolsa americana está sujeita à aprovação da SEC. A Nu Holdings, controladora do Nubank, também protocolou documento junto ao regulador brasileiro, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), para propor, paralelamente à ação em Wall Street, BDR, títulos brasileiros vinculados a empresas listadas em outro país.


AFP/Dom Total



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!