Religião

08/11/2021 | domtotal.com

Igreja venderá 'bens' para indenizar vítimas de abuso na França

Para corrigir os erros Conferência Episcopal faz penitência e recorre ao papa para melhor combater pedofilia

Arcebispo de Reims, Dom Eric de Moulins-Beufort, de joelhos no Santuário de Lourdes no ato penitencial pelas vítimas de abusos
Arcebispo de Reims, Dom Eric de Moulins-Beufort, de joelhos no Santuário de Lourdes no ato penitencial pelas vítimas de abusos Foto (AFP)
Éric de Moulins-Beaufort (C), presidente da Conferência Episcopal Francesa, encerra a reunião anual de bispos franceses em Lourdes
Éric de Moulins-Beaufort (C), presidente da Conferência Episcopal Francesa, encerra a reunião anual de bispos franceses em Lourdes Foto (Valentine Chapuis/AFP)

Os bispos franceses pediram nesta segunda-feira (8) ao papa Francisco que ajude na gestão de casos de pedofilia com o envio de alguém de confiança para "examinar" como atendem as vítimas, anunciou o presidente da Conferência Episcopal Francesa, Éric de Moulins-Beaufort.

Ele fez as declarações no discurso de encerramento da reunião anual dos religiosos franceses em Lourdes, que teve como destaque na agenda o demolidor relatório sobre agressões sexuais de menores de idade na França.

"Decidimos, juntos, pedir ao papa, pois ele nos nomeou, que nos ajude a examinar como atendemos e estamos atendendo as vítimas e seus agressores, enviando alguém de confiança", declarou aos quase 120 bispos.

As autoridades diocesanas consagraram parte da reunião, que começou na terça-feira passada, ao relatório de uma comissão independente que calculou em mais de 216 mil o número de menores abusados sexualmente por padres e religiosos na França entre 1950 e 2020.

Na sexta-feira, os bispos franceses reconheceram a "responsabilidade institucional" da Igreja e a "dimensão sistêmica" das agressões, em linha com o apresentado pela Comissão Independente sobre Abusos Sexuais na Igreja (Ciase).

Entre as 45 recomendações, a comissão pediu em outubro que a Igreja reconheça sua responsabilidade "sistêmica", social e civil, nos atos e que adote dispositivos de reconhecimento às vítimas como cerimônias públicas, missas ou memoriais.

Para financiar as indenizações às vítimas, a comissão pediu que a Igreja descarte as doações dos fiéis e utilize o "patrimônios dos agressores e da Igreja da França", uma questão também abordada pelos bispos durante o fim de semana.

"Transmitimos ao santo padre, depois de trabalhar um pouco nas medidas, as recomendações da Ciase, que afetam a Igreja universal, especialmente o direito canônico", afirmou De Moulins-Beaufort, sem revelar o conteúdo das resoluções adotadas.

Indenização

Os bispos franceses vão vender "bens" de suas dioceses, ou recorrer a um empréstimo, para indenizar as vítimas de pedofilia dentro da Igreja, descartando assim o uso de doações dos fiéis - declarou o presidente da Conferência Episcopal, Éric de Moulins-Beaufort.

Os prelados se comprometeram a "nutrir" o fundo de indenização das vítimas, "livrando-se dos bens imóveis da Conferência Episcopal da França e das dioceses", prometeu De Moulins-Beaufort.

Ao término de sua reunião anual no centro de peregrinação mariana de Lourdes, no sul da França, as autoridades diocesanas também decidiram "fazer um empréstimo para antecipar as necessidades", acrescentou.

Anunciada em entrevista coletiva após o encontro, esta decisão responde a uma das propostas da comissão independente que estimou em mais de 216 mil o número de casos de agressão sexual de menores cometidos por religiosos, ou padres, desde 1950.

Outra decisão adotada é encarregar a jurista francesa Marie Derain de Vaucresson, ex-defensora de menores, de formar uma instância nacional independente de reconhecimento e de reparação. Este órgão será responsável por instruir as ações.

O presidente da Conferência Episcopal antecipou, no entanto, que os bispos decidiram criar grupos de trabalho, liderados por um leigo, sobre a "governança diocesana ou nacional", que devem apresentar propostas concretas.

Após a publicação do relatório em outubro, a polêmica continuou após declarações do episcopado de que o sigilo da confissão está acima da lei, inclusive em casos de abusos a menores. Outro tema sensível é como financiar eventuais indenizações.

Na sexta-feira, De Moulins-Beaufort afirmou, após reconhecer a responsabilidade "institucional" da Igreja, que isto implica "um dever de justiça e de reparação", mas, durante seu discurso final, não detalhou medidas.

Penitência pelas vítimas

A Conferência Episcopal Francesa (CEF) promoveu este sábado uma celebração de "memória" e "penitência" pelas vítimas de abusos sexuais, no Santuário de Lourdes.

A cerimônia decorreu no final da assembleia plenária de outono dos bispos católicos, contando com momentos de homenagem a quem sofreu abusos por parte de membros do clero ou de institutos religiosos.

Durante a celebração, foi desvelada uma fotografia tirada por uma vítima, representando a escultura de uma criança que chora, no pilar de uma igreja, com a seguinte legenda: "Nos olhos da criança misturam-se sofrimento, a violência sofrida, a negação da sua palavra e uma grande solidão".

"Que este rosto intenso da infância humilhada me persiga, também nos assombre, cada um de nós que, de uma forma ou de outra, temos uma responsabilidade, até que tenhamos feito justiça e verdade", disse a irmã Véronique Margron, presidente da CORREF (Conferência dos Religiosos da França).

O portal de notícias do Vaticano relata que os bispos, acompanhados por uma centena de leigos e vítimas convidadas para estar em Lourdes, atravessaram em silêncio a Gruta para chegar à praça da Basílica de Nossa Senhora do Rosário.

Ajoelhado diante da cruz, o bispo Eric de Moulins-Beaufort, presidente da CEF, fez uma oração pedindo perdão a Deus.

"Descobrimos que somos capazes – nós teus ministros, nós a quem chamaste e escolheste – de profanar o teu dom mais importante, de transformar num sistema humano de degradação, de desprezo e de morte o dom que brota do teu Espírito", disse, antes de se ouvir o toque dos sinos, em memória das vítimas.


AFP



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!