Religião

18/11/2021 | domtotal.com

Tecendo relações

Ter uma vida espiritual é alimentar conscientemente a nossa relação com Deus. O importante é estabelecermos um "monitoramento" contínuo de como estamos vivendo nossa relação com Deus.

Na nossa vida espiritual somos chamados a uma maior proximidade, conformação a Cristo.
Na nossa vida espiritual somos chamados a uma maior proximidade, conformação a Cristo.

Alfredo Sampaio Costa SJ*

Ter uma vida espiritual é alimentar conscientemente a nossa relação com Deus. A vida espiritual é a vida cristã polarizada pelo reconhecimento da nossa relação com Deus e pelo seu desenvolvimento pela oração, meditação, vivência dos sacramentos etc.

Essa consciência é gradativa e crescente. Como tudo na vida, poderá se desenvolver ou, em outros momentos, definhar. Por culpa nossa ou por motivos alheios totalmente à nossa vontade. O importante é estabelecermos um “monitoramento” contínuo de como estamos vivendo nossa relação com Deus, uma percepção mais aguda e prazerosa das suas modalidades sempre novas de presença na nossa caminhada. E, para isso, será fundamental alimentarmos sempre nossa vida de oração.

Até então temos falado, de modo genérico, da nossa relação com “Deus”. É hora de considerar o fato que Deus é Trindade de Amor e de Comunicação. Por isso é essencial afirmar que a vida espiritual é o reconhecimento da relação com Deus de quem Cristo nos revelou o Amor. O papel de Cristo é primordial nessa definição, porque foi ele que nos ensinou o que era a vida espiritual e como temos que nos relacionar com o Pai, guiados pelo Espírito.
Portanto, a questão que temos que sempre ter presente é a seguinte: Cristo tem estado presente na minha vida de oração? É Ele o protagonista ou um mero coadjuvante?

Cristo na sua atenção constante ao Pai: ser Filho

A vida de Cristo não é unicamente orientada para seus discípulos e o povo. A sua relação fundamental é outra: Ele se volta sempre para aquilo que o constitui como Filho: a sua relação com o Pai. Esta é sua relação fundamental, que o constitui naquilo que é: Jesus se compreende somente como o Filho. Filho amado, em quem o Pai coloca todo o seu afeto! Somente a partir daí Ele entende a sua missão. Olhando para Cristo, também nós temos que compreender que, igualmente, nossa vida espiritual deve procurar, inicialmente, retomar consciência do elo fundamental que nos faz filhos e filhas de Deus.

Na nossa vida espiritual somos chamados a uma maior proximidade, conformação a Cristo. Quando falamos de “experiência mística” entendemos, inicialmente, uma experiência de conhecer internamente a Cristo. Santo Inácio faz notar, contudo, que não se trata de uma aproximação intelectual, mas sim afetiva e comprometida: de fato, ele nos pede que peçamos a graça de conhecer internamente a Cristo para mais amá-lo e segui-lo (servi-lo) (EE 104).

Um único olhar atento a Deus e atento aos homens

Ao contemplarmos a vida de Cristo, Ele nos revela com o seu modo de viver que não existe oposição nenhuma entre a atenção a Deus e a atenção às pessoas. O meio humano no qual vivemos aparece a nós como que enraizado, ou melhor, como imerso em um “Meio divino” de onde haure sua vida (como afirmava Teilhard de Chardin). A atenção aos homens deve nos levar a uma nova atenção a Deus e a desenvolver em nós um renovado amor, em um ir-e-vir ininterrupto.

Existe uma relação íntima de Deus com o universo criado e muito particularmente com os homens. Cabe a nós reconhecer como o Amor de Deus vai se manifestando na Criação inteira, na humanidade e em cada um de nós e quais formas esse Amor vai assumindo: misericórdia, compaixão, paciência etc. Aqueles que desejam dar uma atenção especial a esse mistério do mundo procuram o caminho para chegar a compreendê-lo e amá-lo, alimentando e estando atentos ao que se passa na sua “vida espiritual”.

O elo do homem a Deus e as relações suscitadas
Hb 12,2: “Conservemos os nossos olhos fixos em Jesus, pois é por meio dele que a nossa fé começa, e é ele quem a aperfeiçoa”.

Com os olhos fixos em Jesus, vamos tomando consciência de um mundo de relações já existentes entre nós e Deus e de outras possíveis redes que ele nos convida a tecer. É pelo fato de haver entre nós e Deus uma relação fundamental existencial que todas as outras possíveis interações com ele e com os outros tornam-se possíveis. Vamos descobrindo e confirmando que somos filhos e filhas, irmãos e irmãs, corresponsáveis por cuidar da Criação, coerdeiros de Cristo etc. (cf. Rm 7,17).

Não deixa de ser surpreendente o fato de que, para muitas pessoas, a experiência mística se reduza a um diálogo intimista com o Senhor, destacados do mundo e das demais pessoas. Ora, uma autêntica experiência mística cristã por força deverá sempre renovar as nossas relações com todas as pessoas que fazem parte da nossa existência.

O livro do Gênesis apresenta-nos Deus criando o ser humano, insuflando-lhe sua própria vida (Gn 1,26-31). É uma maneira imaginativa de sinalizar qual a nossa relação fundamental com Deus. Ele nos deu a graça de ser, a vida, pelo poder de seu sopro. Esse sopro é o sinal de seu Espírito que anima e une. O que nos conferiu a existência é um poder emanado de Deus. Esse poder criador não se manifestou num ato sem consequências nem continuidade. Somos sempre criados e postos em vida; assim sendo, a história inteira é manifestação do eterno desejo de Deus de dar Vida.
Os místicos nos ensinam que toda a nossa vida – passado, presente e futuro – é fruto do poder criador de Deus. E não somente a minha vida enquanto ser único e irrepetível, mas a História toda é grávida de Vida. Temos que ir crescendo nessa consciência e nos deixarmos maravilhar por essa Vida que irrompe em meio a tantas situações de morte e de desespero.

Apesar de parecer óbvio que todos somos criaturas amadas e recebemos a Vida de nosso Criador, é comum encontrarmos muitas pessoas que duvidam dessa possibilidade de Deus se comunicar com o homem e do homem poder chegar até Deus.

Muitos, apesar de aceitarem o ato inicial da Criação por parte de Deus, têm dificuldade em compreender que o ato criador de Deus não se reduz àquele inicial, mas que o Senhor continua sempre a criar e a dar vida. Inácio teve essa percepção ao escrever nos seus Exercícios que “Todo ser é criado (usa o presente) para louvar, reverenciar e servir a Deus Nosso Senhor” (EE 23).

Na espiritualidade cristã, fazemos a experiência de que é no mais íntimo de nós que se estabelece a relação essencial com Deus. A história do coração tem muitos capítulos escritos. Já em outras religiões, o Absoluto nem sempre se reveste do caráter pessoal que tem no Cristianismo. O ponto fundamental da doutrina cristã na nossa relação com Deus é o fato de que, em Cristo, entramos em relação com o próprio Deus e não apenas com uma manifestação ou imagem dele. Esse é o núcleo da experiência mística e que assinala o caráter imediato da relação com a Divindade. Temos que crescer cada vez mais nessa dimensão pessoal de intimidade com o Senhor, por meio de Cristo.

Atenção à vida espiritual

Ao focar nossa atenção na nossa relação com o Senhor, percebemos que somos conduzidos pouco a pouco ao limiar da presença de Deus, onde reina um silêncio repleto de amor e de admiração. Temos que calar diante do insondável mistério de Deus. Não é por acaso que a raiz da palavra “mística” vem de “myo” = calar, fechar a boca (ou olhos). Essa atitude, que sempre seguirá existindo no cristianismo, não é senão uma etapa; podemos compará-la com a atitude expressa na noção chinesa de “ching” que define a atitude reverencial respeitosa, a atenção profunda ao mistério que se realiza pelo rito.

O silêncio cheio de respeito é parte essencial da experiência mística, na abertura ao Mistério que vai se descobrindo diante da pessoa. Essa atitude respeitosa diante do Senhor da nossa vida é importantíssima e deve ser sempre mantida e alimentada.

Unido a essa reverência respeitosa e amorosa, uma outra atitude se segue: a paz purificadora e unificante expressa por outra noção: “silêncio, calma, quietude profunda”. Essa segunda noção assinala nosso estado interior, enquanto a primeira marca a atenção ao mistério oculto. Quando o espírito atinge esse nível já está estabelecido e fixado na contemplação. Essa concentração define-se como “ting”, “fixação”, e tal noção já existia no pensamento chinês antigo. Os budistas utilizaram-se do termo chinês “ting” para traduzir a noção budista de “samâdhi” que se define: “absorção total do pensamento no ato da meditação”. Quando a mente chegou a esse ponto, ela está pronta para a intuição final que lhe vai permitir captar, quanto lhe for possível, o mistério incognoscível. Esse processo aqui esboçado é, grosso modo, o que acontece com qualquer pessoa que deseje, através de uma “via espiritual”, prestar atenção ao mistério de sua relação com Deus. O reconhecimento da relação que nos une com Deus exige que elaboremos certo número de atos relacionais, como a adoração, a ação de graças, a petição, a participação aos mistérios cristãos. Esses atos expressam um “elo”, uma “ligação” amorosa .

* Alfredo Sampaio Costa SJ é professor e pesquisador no departamento de Teologia da FAJE

O texto reflete a opinião pessoal do autor, não necessariamente do Dom Total. O autor assume integral e exclusivamente responsabilidade pela sua opinião.



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!



Outros Artigos

Não há outras notícias com as tags relacionadas.