Religião

04/01/2022 | domtotal.com

5 dicas para orar mais em 2022

É Deus que nos convida a orar, Deus que nos ajuda a orar e Deus que nos dá os frutos da oração.

Metas para 2022
Metas para 2022iStock

America Magazine

Já perdi a conta quantas vezes ouvi pessoas dizerem no início de janeiro: "Este ano vou orar mais!" O tom de sua voz costuma ser insistente, e as palavras "orar mais" ditas com grande força, como se estivessem se censurando.

Embora algumas pessoas evitem tomar decisões no início do novo ano, acho que é uma meta nobre. Mas há um perigo: se tomarmos uma resolução que é inatingível e depois falharmos em nossa decisão, isso pode nos fazer sentir mal conosco mesmos. No caso de resoluções fracassadas sobre nossa vida de oração, também podemos nos sentir culpados diante de Deus - e ainda pior do que antes de tomarmos nossa decisão.

Com isso em mente, aqui estão cinco dicas para colocar em prática sua resolução de oração.

1) Ore menos. Sei que parece contra-intuitivo, mas é uma forma de se proteger contra uma resolução que você não pode cumprir. Em minha experiência, muitas vezes as pessoas acabam estabelecendo metas elevadas que são quase impossíveis de cumprir com suas agendas lotadas.

"Vou orar uma hora por dia sem falta!" diz a jovem mãe ou pai com filhos para cuidar. Então, na primeira vez que ouvem o choro durante a oração e param de orar para cuidar do filho, podem desistir totalmente da oração. E, novamente, sentem-se culpadas desnecessariamente.

Mesmo se você tiver tempo para isso, a perspectiva de 60 minutos contínuos de oração todos os dias pode parecer esmagadora.

Nesse caso, geralmente sugiro começar com objetivos mais modestos. Vá com calma no início. (Isso é especialmente útil para alguém que nunca orou.) Comece com 15 minutos por dia. Ou 30 minutos. Isso não só é mais administrável, mas tem a vantagem de parecer tão factível que a pessoa relaxa e aproveita mais - e acaba orando mais tempo do que o planejado. Portanto, para orar mais, tente orar menos. Pelo menos no começo. Então ore mais.

2) Misture tudo. Frequentemente, as pessoas ficam presas a uma rotina, especialmente se já oram há algum tempo. Um de meus orientados espirituais (uma pessoa que vem falar sobre como Deus está ativo em sua vida diária e na oração particular) uma vez me disse, taciturno, como a oração se tornou monótona. Em seguida, ele me contou sua rotina, que incluía o rosário, a leitura do Evangelho do dia e, em seguida, alguma contemplação inaciana. Você podia ouvir o tédio em sua voz.

Em resposta, sugeri que experimentasse novas formas de oração. Isso vale para todos nós. Se você está em um beco sem saída com a oração de centramento, tente um pouco de contemplação inaciana. Se você se sentir cansado da contemplação inaciana, experimente alguma lectio divina. Se você está entediado com a lectio, experimente a oração de centramento. De vez em quando, ajuda a agitar as coisas.

Isso não deveria ser surpreendente. É como qualquer relacionamento. Se você e seu amigo desejam permanecer conectados (uma boa meta), mas se encontram com seu amigo da mesma maneira todas as vezes, você pode descobrir que as coisas estão ficando obsoletas. Se você vir seu amigo todas as semanas para jantar em uma sexta-feira à noite por meses a fio, com a intenção de manter contato, pode começar a parecer "velho". Nesse caso, vocês dois diriam: "Ei, vamos fazer algo diferente. Vamos dar um passeio na praia ou no parque um dia. Vamos ver um filme." Então, você poderá se relacionar com seu amigo de uma nova maneira.

Algo semelhante pode estar acontecendo na oração. Agite um pouco as coisas.

3) Solte se não estiver funcionando. Outra reclamação comum é que a oração parece um fardo. Às vezes, é o que acontece com pessoas devotas que montaram uma agenda lotada de orações para si mesmas. Uma mulher há alguns anos me disse que a lista de pessoas por quem ela orava diariamente (uma boa meta) acabou sendo um compromisso de 30 minutos. Entre isso, o rosário, o Evangelho diário, o exame de consciência e algumas leituras espirituais, ela começou a temer a oração. A oração se tornou um fardo e ela começou a evitá-la.

Nesses casos, aconselho as pessoas a deixarem algo passar. Para esta acompanhada espiritual, lembrei que embora orar por outras pessoas seja importante, se isso o levou a abandonar a oração, então talvez seja hora de abandonar a lista de nomes por um tempo. Ela ainda podia orar por todos com uma intenção comum.

Agora, é claro, simplesmente porque algumas partes da oração podem ser difíceis, não significa que sempre precisamos “abrir mão” de algo. Mas, em alguns casos, especialmente se estiver fazendo você temer, evitar ou até temer a oração, é hora de revisar o que está em seu “prato de oração”.

4) Consiga um diretor espiritual. Poucas coisas são tão encorajadoras para a vida de oração quanto um diretor espiritual, alguém que o ajuda a perceber onde Deus está ativo em sua oração e vida diária. No passado, esse ministério era frequentemente visto como algo reservado para clérigos ou membros de ordens religiosas. Mas hoje centenas de milhares (milhões?) De leigos veem os acompanhantes espirituais, que muitas vezes são eles próprios leigos.

Isso levanta a uma questão: onde encontro um e como sei o que procurar? Meu livro Learning to Pray fala disso com mais detalhes, mas, em resumo, comece procurando alguém que tenha sido profissionalmente treinado para o trabalho. Santa Teresa de Ávila disse a famosa frase que se ela tivesse que escolher entre um diretor que era sábio e um que era santo, ela escolheria sábio. Em outras palavras, treinados na direção. Isso é essencial. Seria como dizer a um médico: você quer alguém que seja saudável ou inteligente?

Para encontrar um, pergunte em uma casa de retiros local, peça uma recomendação a alguém que já consulte um acompanhante espiritual, ou veja o que você pode encontrar em Diretores Espirituais Internacionais ou no Escritório de Espiritualidade Inaciana.

5) Confie em Deus. Sim, isso é certo, mas muitas vezes quando tomamos decisões sobre nossa vida espiritual, somos tentados a pensar que os resultados dependem de nós. (Esse tipo de pensamento tem uma heresia especial: Pelagianismo.)

Mas é Deus que nos convida a orar, Deus que nos ajuda a orar e Deus que nos dá os frutos da oração. Não é você apenas apertando os dedos e rangendo os dentes. Deus está do seu lado.

Na verdade, o próprio desejo de orar mais vem de Deus. Portanto, veja este desejo e sua resolução como uma chamada. E confie que Deus estará com você e o ajudará. Como meu próprio acompanhante espiritual gosta de dizer: "O chamador quer ajudar o chamado".

Traduzido por Ramón Lara.

Escrito pelo padre James Martin, S.J., editor geral na América e autor, mais recentemente, de Learning to Pray: A Guide for Everyone. @jamesmartinsj



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!