Cultura

10/03/2022 | domtotal.com

Museu do Ipiranga e da Utopia

Durante duas décadas morei relativamente perto do monumento a independência e do Museu e muitas vezes levei meu filho quando pequeno

Museu do Ipiranga
Museu do Ipiranga Foto (Divulgação/ Governo de SP)

Ricardo Soares*

Me perdoem, mas é assim mesmo. Tem horas que não tem como não resvalar numa quase pieguice, mas a essa altura da vida, prefiro ser piegas do que belicoso. Friso esta sensação pela notícia de que até setembro prometem reinaugurar o Museu do Ipiranga na comemoração (???) do nosso segundo século de dependente independência.

Com o advento do coletivo de vermes que está no poder a partir de Brasília e que vai se aproveitar da data daquela maneira ufanista não há muito a comemorar por isso me apego a lembranças caras, doces e pessoais ao redor do Museu do Ipiranga .

Durante duas décadas morei relativamente perto do monumento a independência e do Museu e muitas vezes levei meu filho quando pequeno a percorrer aqueles jardins franceses e mesmo a trilha ao fundo , aquela que também passava nas costas do museu de Zoologia do professor Paulo Vanzolini , o mesmo da antológica música “Ronda”, hino não oficial de São Paulo.

Algumas vezes me enxergo abraçando meu filho naquelas paragens tentando imaginar exatamente em que ponto defronte ou atrás da casa do

Grito o imperador Pedro I teria desembainhado sua espada para proclamar nossa independência. Patriotadas à parte aquele é sem dúvida um local histórico fundamental e desde sempre deveria ser melhor tratado pelas autoridades (in)competentes além das ruínas das comemorações do sesquicentenário da independência em 1972 do qual lembro muito bem . A sucata dos palanques comemorativos ficou anos por ali sem serem removidas.

Faço uso do poderoso ícone que representa o museu do Ipiranga para evocar, mais uma vez, bons tempos idos e vividos não só meus mas da minha geração e do meu país. Agora vão reinaugurar o museu e os Jardins com todo aquele bolodório milico presente também na comemoração de 1972. Quem diria pois que após ventos democráticos estivéssemos no mesmo ponto de 50 anos passados sob a hipócrita égide conservadora de Deus, pátria e família que sempre justificou toda sorte de abusos contra quem não reza pelo mesmo catecismo. Já eu e muitos preferimos sim escrituras católicas mais próximas dos ideais franciscanos de solidariedade, amor e respeito ao próximo que os armamentistas de plantão nunca entenderam. Vilanizam, pasmem, até São Francisco de Assis.

Assim, diante do museu, diante das memórias que eu tenho de lá, da infância do meu filho e do futuro das infâncias de hoje eu penso que talvez não seja a hora de simplesmente reinaugurar um museu, mas de reinaugurar um país que poderia ter sido e que não foi. Assim, que se reinaugure um museu, vá lá, mas que se inaugurem enfim as utopias que nos acalentam os dias .


Dom Total

*Ricardo Soares é escritor, diretor de tv, roteirista e jornalista. Publicou 9 livros, dirigiu 12 documentários e fala de livros e autores em um minuto no Instagram @naredecomsede.​

O texto reflete a opinião pessoal do autor, não necessariamente do Dom Total. O autor assume integral e exclusivamente responsabilidade pela sua opinião.



Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!



Outros Artigos

Não há outras notícias com as tags relacionadas.