Religião

02/04/2022 | domtotal.com

Por que ficar de olho na viagem do Papa a Malta?

Em meio à guerra, Francisco visita o país europeu que se tornou parceiro da Santa Sé em sua audaciosa missão de paz

Francisco realiza sua 36ª viagem internacional neste fim de semana. É a 3ª vez que Malta recebe a visita de um Papa
Francisco realiza sua 36ª viagem internacional neste fim de semana. É a 3ª vez que Malta recebe a visita de um Papa Foto (AFP)

Mirticeli Medeiros, enviada especial a Malta*

Cancelada após o início da pandemia, a viagem de Papa Francisco a Malta, a 36ª visita apostólica de seu pontificado, que acontece neste fim de semana, entra para a lista das mais significativas, sobretudo se olharmos para o contexto no qual ela acontece.

Além de falar ao público católico maltês, o santo padre poderá lançar um apelo de paz ao mundo do território onde, segundo a tradição, o apóstolo Paulo teria naufragado antes de iniciar seu trabalho de evangelização pelos lugares que estavam sob o domínio do Império Romano.

Reza a lenda que, após esse imprevisto, que pode ter acontecido nos idos 60 d.C, o apóstolo teria se refugiado numa gruta sobre a qual, na Idade Média, foi construído um santuário para fazer memória desse episódio.. No domingo (3), o Papa Francisco conduzirá um momento de oração nesse local que é símbolo, por excelência, do catolicismo no país.

Dos mais de 400 mil habitantes da pequena ilha, quase 94% desse total professa o catolicismo, o que faz de Malta um dos países mais católicos da Europa.

Sua posição geográfica - ao sul da Itália, entre as costas da Sicília e da Tunísia - transformou a ilha em porta de entrada de muitos migrantes vindos da África. Segundo dados do departamento de migrantes e refugiados do Vaticano, o país abriga, atualmente, cerca de 100 mil refugiados.

Embora a acolhida seja generosa, vários episódios de xenofobia têm sido registrados nos últimos meses. Francisco aproveitará a ocasião para pedir à Europa, mais uma vez, que uma política de imigração eficaz, focada ?na solidariedade compartilhada?, capaz de envolver o maior número possível de nações do velho continente, seja colocada em prática.

Em Malta, mas de olho no Leste Europeu

Com o mundo em estado de alerta após a invasão da Ucrânia, ocorrida em fevereiro deste ano, o pontífice argentino visita um país que, dentro do tabuleiro geopolítico, tomou uma decisão importante, sobretudo se pensarmos no papel de mediação que a Santa Sé se propõe a assumir em meio a conflitos de grande proporção.

Malta é um dos poucos países - de 51, no total - que assinaram e ratificaram o pacto da ONU sobre a proibição e abolição de armas nucleares, sendo um dos poucos países da Europa a fazê-lo, juntamente com Irlanda e República de San Marino.

Dessa forma, esse Estado europeu se une a muitos países da África e América Latina, duas áreas do planeta para as quais a diplomacia da Santa Sé volta seus olhares ao pensar numa rede eficaz de mediação em prol da paz.

A viagem do Papa acontece numa ?semana atípica? no Vaticano, que nos leva a ligar os pontos a respeito de uma ação ainda mais concreta da Santa Sé para acabar com a guerra

na Ucrânia. Nesta sexta-feira (1), Francisco recebeu, no Vaticano, a visita do presidente da Polônia, Andrzej Duda, que lhe fez um convite especial para visitar o país e ir ao encontro dos refugiados ucranianos que se encontram no território.

Além disso, rumores de que a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, que é maltesa, recepcione o Papa em Malta, reforça a ideia de que, mais uma vez, a Santa Sé não pretende ficar de braços cruzados diante dessa, que ela considera, uma ameaça global.

A viagem do Papa acontece de 2 a 3 de abril. E ele é o terceiro pontífice a visitar o país após João Paulo II (1990 e 2001) e Bento XVI, em 2013.


Dom Total

*Mirticeli Medeiros é jornalista e mestre em História da Igreja pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Desde 2009, cobre o Vaticano para meios de comunicação no Brasil e na Itália e é colunista do Dom Total, onde publica às sextas-feiras.



Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!



Outras Notícias

Não há outras notícias com as tags relacionadas.