Brasil

10/04/2022 | domtotal.com

Jovens brasileiros dão as costas para a política em ano eleitoral

Brasil é um dos nove países onde os jovens podem votar nas eleições nacionais a partir dos 16 anos

Jovens brasileiros poderiam compor um importante grupo demográfico de eleitores nas eleições presidenciais de outubro
Jovens brasileiros poderiam compor um importante grupo demográfico de eleitores nas eleições presidenciais de outubro Foto (EVARISTO SA/AFP)

A meses de completar 16 anos, Rodrigo Kutz já decidiu: não será neste ano que exercerá seu direito ao voto, porque não se sente representado por nenhum candidato a presidente, um caso que ilustra o desinteresse crescente dos jovens brasileiros pela política.

"Me sinto longe do Bolsonaro, me sinto longe do Lula. Não me agrada nenhum dos polos", diz o estudante de Brasília. "Talvez um candidato mais novo fizesse mais sentido para mim. Espero que, na próxima, haja outras opções, que apareçam candidatos mais interessantes."

O Brasil é um dos nove países onde os jovens podem votar nas eleições nacionais a partir dos 16 anos, direito previsto na Constituição de 1988, que tornou o voto obrigatório a partir dos 18 anos.

A participação juvenil, no entanto, pode cair para o menor nível em 30 anos, uma vez que, a um mês de se esgotar o prazo, o número de jovens de 16 e 17 anos cadastrados é pouco superior a 850.000, uma queda de 60% em uma década.

Em 2018, quando Bolsonaro foi eleito, 1,4 milhão de jovens foram às urnas, já mostrando uma tendência de queda.

"Meus pais me incentivaram a votar, mas ainda não estou ligado em política", conta o estudante de Brasília Eduardo Proença, aluno do ensino público. "Vejo políticos brigando para ver quem é menos pior. Isso não me anima, não pretendo votar agora."

- Jovens tratados 'passivamente' -

A falta de entusiasmo gerou um movimento para engajar os jovens, que inclui desde a cantora pop Anitta até as próprias autoridades eleitorais.

"Me pediu foto quando me encontrou em algum lugar? Se for maior de 16, só tiro a foto se tiver foto do título de eleitor", tuitou Anitta, que se posiciona abertamente contra Bolsonaro.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) lançou campanhas nas redes sociais. Com uma linguagem informal, atores e atrizes negros, indígenas e brancos apresentaram o slogan "Bora Votar!".

"Eles precisam se engajar para decidir o futuro, pois o pior voto é aquele não dado", disse o ministro Edson Fachin, presidente do TSE, em nota enviada à AFP.

A preocupação com a inserção no mercado de trabalho, agravada pela pandemia, somada aos escândalos de corrupção dos últimos anos, que levaram ao descrédito dos partidos, explicam parte do "desânimo" nessa faixa, segundo o cientista político e professor da Fundação Getúlio Vargas Marco Antônio Teixeira.

O analista cita, ainda, a falta de identificação dos jovens com os principais candidatos e a pouca renovação geracional nos partidos.

Os partidos brasileiros "são espaços muito hierarquizados pelas direções e famílias tradicionais. A juventude é tratada de forma passiva", diz Teixeira.

- 'Por mim, eu não iria' -

Segundo as pesquisas, perfila-se uma disputa no segundo turno entre Bolsonaro e Lula, que tentará o terceiro mandato.

Marco Antônio May, 18, não esconde sua insatisfação por ter que ir às urnas pela primeira vez: "Por mim, eu não iria. Infelizmente, não vejo os políticos se preocupando muito com os jovens. O Brasil tem dois candidatos fortíssimos, que costumam olhar para as coisas de forma extremista, e isso me desmotiva."

Os candidatos, no entanto, também apelam para os jovens, especialmente Bolsonaro, que está em clara desvantagem entre esse grupo, segundo as pesquisas.

O presidente pediu aos "pais e avós" que convençam os jovens a não votar em seu provável adversário, mencionando "para onde estava indo o Brasil" com os governos de esquerda de Lula (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2016), referindo-se à economia e aos escândalos de corrupção.

Segundo pesquisa do instituto Datafolha, Lula tem uma vantagem de 29 pontos sobre Bolsonaro na faixa entre 16 e 24 anos para o primeiro turno, em 2 de outubro, frente a 17 pontos considerando todo o eleitorado.


AFP



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!



Outras Notícias

Não há outras notícias com as tags relacionadas.