Religião

13/05/2022 | domtotal.com

O novo mandamento para um mundo novo

Reflexão sobre a liturgia do V Domingo da Páscoa

'Assim como eu vos amei!'
'Assim como eu vos amei!' Foto (Arquivo)

Liturgia do domingo

Johan Konings SJ*

1ª leitura: (At 14,21-27) A obra de Deus em Paulo e Barnabé" Conclusão e relatório da 1ª viagem missionária de Paulo. Na viagem de  volta, visitam de novo a jovem comunidade e instituem os presbíteros.  * 14,21-23 cf. At 15,32-41; Rm 1,11; 5,3-4; Hb 10,36 * 14,27 cf. 1Cor  16,9; Cl 4,3.

Confira também: Amor, o dinamismo divino que nos 'des-centra'

2ª leitura: (Ap 21,1-5a) A nova criação e a nova Jerusalém" A última palavra sobre a História não é a destruição, mas a restauração  da pureza inicial. Babilônia (o mundo embriagado pelo poder e a  cobiça) foi destruída (Ap 18,21-24). Mas Deus permanece conosco: Emanuel  (21,3: cf. Is 7,14). É a nova criação, as núpcias de Deus com seu povo.  * 21,1-2 cf. Is 65,17-25; 66,22; Rm 8,19-23; Is 52,1; 61,10 * 21,3-4  cf. Ap 7,15-17; Lv 26,11; Ez 37,27; Is 7,14; 25,8; 35,10 * 21,5 cf. Is  43,19; 2Cor 5,17.

Evangelho: (Jo 13,31-33a.34-35) O novo mandamento"  Para que se realize a nova criação (2ª leitura), um novo mandamento! A  nova criação está aí desde Jesus, que nos mostra o Deus-Amor e no  mandamento do amor nos ensina a sermos seus filhos. O novo deste  mandamento não está no amar, mas em Jesus mesmo: como eu vos amei. *  13,31-32 cf. Jo 12,31; 16,33; 17,5.22.24 * 13,33 cf. Jo 16,16-24; 8,21;  14,2-3 * 13,34 cf. Mt 25,31-46; 1Jo 2,7-8; Lv 19,18. 

'Novo'  é uma palavra mágica, que domina a publicidade e os jornais, mas também  traduz a esperança que se expressa em numerosas páginas da Bíblia. O  entendimento do cristianismo é baseado na sucessão da antiga e da nova  Aliança, do antigo e do novo Povo de Deus. E, também, na passagem da  antiga para a nova vida (páscoa, batismo!) e na observância de uma nova  Lei em vez da antiga. Vivemos da perspectiva de uma total renovação.  Esta perspectiva se expressa, na liturgia de hoje, sob as imagens de um  novo céu e uma nova terra, uma nova Jerusalém e uma nova criação.  Entretanto, parece que tudo fica no velho...

Por isso, importa  refletir sobre o próprio da novidade que Jesus Cristo nos propõe, nas  simples palavras de Jo 13,34: Dou-vos um novo mandamento: amai-vos uns  aos outros. Como eu vos amei, amai-vos também uns aos outros. A própria  construção da frase, o paralelismo dos 1º e 3º, 2º e 4º segmentos da  frase, sugere que o novo deste mandamento (1º segmento) consiste,  exatamente, no como eu vos amei (3º segmento). Nem a palavra amar,  nem o mandamento do amor são novos (cf. Lv 19,18 etc.). Novo é amar como  Jesus, amar em Jesus, por causa de sua palavra (evangelho).

Tudo  tem um contexto histórico. Também esta frase. Seu contexto é complexo. Por um lado, existia no judaísmo o amor ao próximo, no sentido de membro  da comunidade, combinado com o respeito pelo estrangeiro que morava na vizinhança, e com certa filantropia para com os outros seres humanos.  Existia também o amor humano do mundo grego, espécie de filantropia  universal, baseada na igualdade essencial do ser humano (pelo menos, em  teoria); era um amor antes ao longínquo do que ao próximo, porque o  longínquo não incomoda... Existia também o amor erótico. Existia a  amizade. Mas, como diz Paulo em Rm 5,7-11" mesmo a amizade não produz o  efeito de alguém dar sua vida pelo amigo; quanto menos pelo inimigo!  Ora, o amor de Cristo é um amor dando vida, dando sua vida em  prol dos irmãos, subentendendo-se que irmão pode ser qualquer um que,  pelo Pai, é levado a Cristo ou à sua comunidade. É possível existir tal  amor em outros ambientes culturais e religiosos. E nem todos os cristãos  vivem, ou pretendem viver, o mandamento do amor que Cristo ilustrou com  sua morte. Porém, não se conhece outra comunidade que se caracterize  especificamente por este mandamento. Nisso conhecerão que sois meus  discípulos: se tiverdes amor uns pelos outros (13,35). E bem aquele  amor que é ilustrado pelo contexto literário de Jo 13,31-35 (contexto  anterior: o lava-pés, sinal de amor até o fim; contexto posterior: o  amor até o fim em realização: a morte na cruz).

Onde reina este amor, as coisas não ficam como estão. O status quo é  garantido pelo instinto de conservação do homem: ninguém quer  sacrificar algo a favor do outros primeiro eu, depois meu vizinho.  Quem quebra o status quo é Deus. É dele que podemos esperar a  total novidade (pois deixar tudo como está não parece ser a melhor das  soluções). É o que sonha o autor do Ap (2ª leitura). No  fim da História, ele vê um novo céu e uma nova terra (realização de Is  65,17). Não tem mar, moradia do Leviatã. A nova realidade tem a  aparência de uma noiva enfeitada para seu esposo: as núpcias  messiânicas. É a moradia de Deus com os homens (cf. Ez 37,27). É a nova  Aliança: eles serão seu povo e ele será seu Deus (ibidem).  É a plenitude do Emanuel, Deus-conosco (Is 7,14ss). É a consolação  completa (Is 25,8; 35,10). É tudo o que se pode esperar. É a nova  criação (cf. Is 65,17).

O sonho da nova criação... Os que dizem  que a utopia é a mola propulsora da História geralmente não concebem tal  utopia como sendo a de Deus. Preferem ter sua própria utopia. Ora, quem  reflete um pouco, deve entender que a utopia é coisa importante demais  para depender do ser humano... Ou deveremos pensar como o filósofo: Eu  posso conceber que, em vez do homem individual, a própria lógica da  História estabeleça a utopia? Mas quem perscruta a lógica da  História?... Portanto, é bom sermos dirigidos por uma utopia que venha  de Deus. E como é que a conhecemos? Pela fé em Jesus Cristo, que  inspirou o autor do Apocalipse. Na medida em que o sonho do visionário  de Patmos traduz a plenitude do novo? que Jesus nos deixou ?" o amor  segundo o seu exemplo?" nós também podemos sonhar nesta linha. Um sonho  não é científico, mas nos transmite uma mensagem: a mensagem da ausência  de todo o mal, agressividade, exploração, opressão, divisão...  Convida-nos a nos empenhar nesta direção. Nisto está sua força  propulsora.

Aquilo que Deus obrou com Paulo e Barnabé, na 1ª  viagem de missão, início da grande expansão do cristianismo no mundo não  judeu, se inscreve nesta utopia. Quem move esta obra é Deus. Que todas as tuas obras te louvem, Senhor (salmo responsorial).

O novo mandamento para um mundo novo

Muitas  pessoas hoje demonstram desânimo. As notícias são deprimentes. Guerras  intermináveis, que sempre de novo inflamam por baixo das brasas.  Populações africanas que se apagam pela fome, pelas epidemias. Cruéis  guerras religiosas na Ásia, na Indonésia. Extermínio das crianças  meninas na China. Violência em nossos bairros, corrupção em nossas  instituições. E mesmo na Igreja...

Existe alguém que possa dar um  rumo a este mundo A resposta é: você mesmo, mas não sozinho. Alguém faz  aliança com você. Ou melhor: com vocês, como comunidade. E em sinal  dessa aliança, deixou-lhes um exemplo e modo de proceder: um novo  mandamento. Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei" isto é, até o  fim, até o dom da própria vida, seja vivendo, seja morrendo. É o que nos  recorda o evangelho de hoje.

Não há governo ou  poder que nos possa eximir deste mandamento. Só se o assumirmos como  regra de nossa vida, o mundo vai mudar. Não existe um mundo tão bom e  tão bem governado, que possamos deixar de nos amar mutuamente com ações e  de verdade. Mas, por mais desgovernado que o mundo seja, se nos amarmos  mutuamente como Jesus nos tem amado, o mundo vai mudar.

Por que  então, depois de dois mil anos de cristianismo, o mundo está tão ruim  assim A este respeito podem-se fazer diversas perguntas, por exemplo:  Será que os homens se têm amado suficientemente com o amor que Jesus nos  mostrou? E como seria o mundo se não tivesse existido um pouco de amor  cristão? Não seria bem pior ainda?

O Apocalipse, lido nas  liturgias deste tempo pascal, muitas vezes é considerado um livro de  terror e de medo. Mas, na realidade, ele termina numa visão radiante da  nova criação, da nova Jerusalém, simbolizando a indizível felicidade, a paz que Deus prepara para os que são fiéis ao novo mandamento de seu  Filho (2ª leitura). A nova Jerusalém é o povo de Deus  envolvido pelo esplendor, ainda escondido, do amor de Cristo, que o  torna radiante, como o amor do noivo torna radiante a sua amada. Quem é  amado e se entrega ao amor torna-se amor!

É isso que deve  acontecer entre nós. Jesus nos amou até o fim. Nossa comunidade eclesial  deve transformar-se em amor, irradiando um mundo infeliz e desviado por  interesses egoístas e mortíferos. Ao invés de ver somente o lado ruim  da Igreja" talvez porque nosso olho é ruim", vamos tratar de ver a  Igreja como uma moça um tanto desajeitada e acanhada, mas que aos poucos  vai sentindo quanto ela está sendo amada e, por isso, se torna cada dia  mais amável e radiante. Ora, para isso, é preciso que deixemos penetrar  em nós o amor de Deus e o façamos passar aos nossos irmãos, não em  palavras, mas com ações e de verdade. 

*Pe. Johan Konings SJ: Teólogo, doutor em exegese bíblica. Professor da FAJE. Autor do livro "Liturgia Dominical", Vozes, Petrópolis, 2003. Entre outras obras, coordenou a tradução da "Bíblia Ecumênica" TEB e a tradução da "Bíblia Sagrada" da CNBB.



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!



Outras Notícias

Não há outras notícias com as tags relacionadas.