Engenharia Engenharia Hoje

17/11/2015 | domtotal.com

Não há perspectiva de continuidade

Governo do Estado deve cancelar a licitação da PPP do Rodoanel Contorno Norte.

O Anel deve continuar sobrecarregado com cancelamento da licitação.
O Anel deve continuar sobrecarregado com cancelamento da licitação. (Divulgação)

Depois de suspender a Parceria Público-Privada (PPP) dos Resíduos Sólidos, o governo do Estado agora estuda cancelar a licitação da PPP do Rodoanel Contorno Norte. O motivo é a atual falta de recursos e a previsão de déficit no próximo ano. A Secretaria de Transportes e Obras Públicas (Setop) informou “que a construção do Rodoanel não tem perspectiva de continuidade. O valor licitado na PPP (R$ 7,1 bilhões), pelo governo anterior, foi considerado incompatível com a disponibilidade orçamentária do Estado”.

A Concessionária Rota do Horizonte S.A., que venceu o edital da concorrência pública (nº 12/2014) da licitação do Rodoanel, afirmou desconhecer o posicionamento do governo e ainda aguarda a análise dos documentos para que o contrato seja assinado. O consórcio é formado pelas empresas Odebrecht TransPort (60%), EcoRodovias Infraestrutura e Logística (20%) e Barbosa Mello Participações e Investimentos (20%). Com 66 quilômetros de extensão, o Rodoanel Norte tem como objetivo interligar as rodovias do entorno da capital, como as BRs 040 e 381, e as MGs 010 e 424, assim como retirar o trânsito pesado de caminhões do Anel Rodoviário, que encontra-se saturado, apresentando constantes congestionamentos.

A Secretaria de Transportes e Obras Públicas (Setop) indica que a Parceria Público-Privada (PPP) do Rodoanel Norte não tem perspectiva de ser mantida, mas não é isso o que diz a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2016, enviada pelo governo do Estado à Assembleia Legislativa de Minas Gerais no início deste mês. A proposta de lei prevê a concessão da Implantação do Contorno Rodoviário Norte da Região Metropolitana de Belo Horizonte como uma das duas PPPs para 2016. A outra PPP é a da Modernização e Operação das Unidades de Conservação que compreendem a Rota das Grutas Lund.

No entanto, ambas já foram licitadas há um ano. No caso da unidade ambiental, a empresa vencedora foi a RMG Construções e Empreendimentos Ltda. De acordo com a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, atualmente o processo licitatório encontra-se em fase de homologação para que o contrato seja assinado. Ou seja, para o ano que vem o governo não prevê na LDO nenhuma nova PPP, mas aponta que há algumas em estudo, como o Expominas II, o entorno viário da Cidade Administrativa e o transporte sobre trilhos na Região Metropolitana. O governo do Estado informou que aguarda a aprovação da LDO para que a Unidade Central de Parcerias Público Privada (PPP-MG) defina quais projetos serão estruturados e apresentados.

Infraestrutura portuária

Em menos de dois anos de operação, a Brasil Terminal Portuário (BTP) se transformou num dos maiores terminais de contêineres do País. Hoje a empresa – formada por uma joint venture entre as estrangeiras Terminal Investment Limited (Til) e APM Terminals – ocupa a segunda posição do ranking de operadores do Porto de Santos, colada na líder Santos Brasil.

Pelos últimos dados da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), que administra o complexo santista, a BTP movimentou 584 mil contêineres entre janeiro e setembro deste ano – bem próximo da concorrente Santos Brasil, que carregou 622 mil unidades. Juntos os dois terminais movimentaram quase dois terços de tudo que entrou e saiu no Porto de Santos – responsável por 27% do comércio exterior brasileiro. Por trás da velocidade de crescimento da BTP, que no ano passado movimentava menos da metade do volume da Santos Brasil, estão poderosas companhias de navegação do mercado mundial, como a dinamarquesa Maersk e a suíça MSC. As duas armadoras compõem a estrutura societária da TIL e APM, donas da BTP. Esse tem sido o principal argumento dos concorrentes para explicar a perda de carga para o novo terminal. Em outras palavras, significa dizer que a empresa tem a garantia de escala dos armadores no cais.

Por trás da velocidade de crescimento da BTP, que no ano passado movimentava menos da metade do volume da Santos Brasil, estão poderosas companhias de navegação do mercado mundial, como a dinamarquesa Maersk e a suíça MSC. As duas armadoras compõem a estrutura societária da TIL e APM, donas da BTP. Esse tem sido o principal argumento dos concorrentes para explicar a perda de carga para o novo terminal. Em outras palavras, significa dizer que a empresa tem a garantia de escala dos armadores no cais. Mas, além dos sócios poderosos, seja do ponto de vista de capitalização ou de experiência na área portuária, há outros fatores que determinam o sucesso do terminal. Entre eles está o uso de equipamentos modernos, que elevam a eficiência da operação.

O principal deles é o chamado portêiner, que são grandes pórticos que retiram e colocam os contêineres dos navios. Quanto mais rápido esses equipamentos carregarem ou descarregarem uma embarcação menor o custo dos armadores – para se ter uma ideia, a diária de um navio em Santos varia de US$ 15 mil a US$ 20 mil.

Tecnologia

Somente aqueles que sofrem com dores de cabeça sabem o quão desagradável e prejudicial elas podem ser. Em casos de enxaquecas, o trabalho e a vida social de quem possui a enfermidade podem ser afetados por crises muitas vezes intensas que podem durar dias. Existem vários fatores que desencadeiam as crises, como obesidade, noites maldormidas, indigestão, jejum e alterações hormonais, entre outros. E em tempos de muita competitividade, cobranças e metas, as pessoas são submetidas diariamente a situações estressantes, o que potencializa a frequência das crises.

A mais recente novidade na prevenção e no alívio dos sintomas é a neuromodulação. Trata-se da utilização de estímulos elétricos e magnéticos para influenciar e modular o funcionamento do cérebro, diferentemente dos medicamentos, que estimulam ou inibem as funções cerebrais.

O método surgiu como tratamento para a doença de Parkinson. Com o implante de eletrodos nos núcleos da base do cérebro, conseguiu-se conter o tremor dos pacientes. Posteriormente, ela passou a ser utilizada no tratamento de epilepsia. Nos casos em que só o medicamento não é suficiente, eletrodos são implantados para estimular o nervo vago, localizado no pescoço, e conter as crises epiléticas. Agora, a neuromodulação passa a figurar como uma alternativa para o tratamento da enxaqueca e cefaleias.


Fonte: Ideia Fixa - Gestão de Informação

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas