ESDHC

14/03/2016 | domtotal.com

Dom Helder e EMGE criam Centro de Compliance

O primeiro curso do CCT está previsto para começar em abril. Serão duas aulas por semana.

Cônsul geral do Reino Unido em Belo Horizonte, Thomas Nemes Foto (Rômulo Ávila/Dom Total)
Rodrigo Silva, professor da Dom Helder e juiz federal Foto (Rômulo Ávila/Dom Total)
Seminário reuniu diferentes especialistas na Dom Helder Câmara Foto (Rômulo Ávila/Dom Total)
Seminário reuniu diferentes especialistas na Dom Helder Câmara Foto (Rômulo Ávila/Dom Total)
Seminário reuniu diferentes especialistas na Dom Helder Câmara Foto (Rômulo Ávila/DomTotal)
Seminário marcou o lançamento oficial Centro de Compliance e Transparência Foto (Rômulo Ávila/Dom Total)
Duncan Stuart Grieve foi um dos palestrantes do seminário Foto (Rômulo Ávila/Dom Total)
Seminário marcou o lançamento oficial Centro de Compliance e Transparência Foto (Rômulo Ávila/Dom Total)
Seminário marcou o lançamento oficial Centro de Compliance e Transparência Foto (Rômulo Ávila/Dom Total)
Alexandre Aroeira Salles foi um dos palestrantes da seminário Foto (Rômulo Ávila/DomTotal)
Público diversificado participou do seminário na Dom Helder Câmara Foto (Rômulo Ávila/DomTotal)
Seminário marcou o lançamento oficial Centro de Compliance e Transparência Foto (Rômulo Ávila/Dom Total)
Seminário marcou o lançamento oficial Centro de Compliance e Transparência Foto (Rômulo Ávila/Dom Total)
Franclim Brito, coordenador do Direito Integral e Reitor da EMGE, abriu o seminário Foto (Rômulo Ávila/Dom Total)

No momento em que o Brasil é passado a limpo pela Operação Lava Jato, a Escola Superior Dom Helder Câmara e a Escola de Engenharia (EMGE) criam uma ferramenta que pode ajudar no combate à corrupção: o Centro de Compliance e Transparência (CCT). Um seminário marcou o lançamento oficial na tarde desta segunda-feira (14), no auditório da Dom Helder. A iniciativa conta com o apoio do Consulado Britânico de Belo Horizonte e do escritório Aroeira Salles Advogados.

Representantes dos poderes legislativo, executivo e judiciário participaram do evento, que contou ainda com advogados, empresários, professores e estudantes da Dom Helder. Dois dos mais renomados especialistas britânicos em compliance e investigação de corrupção corporativa, os advogados Edward Jenkins e Duncan Stuart Grieve, foram os palestrantes principais. Eles explicaram, entre outras situações, como o sistema funciona, quando deve entrar em ação e como as empresas devem proceder.  

“Acredito que é um grande desafio para nós não só recebê-los aqui, como oferecer a todos uma experiência de aprendizagem pautada nesta Instituição de excelência em todas as suas atividades”, destacou Franclim Brito, coordenador do Curso de Direito Integral e Reitor da EMGE. “Agradeço aos professores José Antônio e Alexandre Kawakami pelo empenho no projeto do Centro de Compliance da Dom Helder e da EMGE”, reconheceu Franclim durante a abertura dos trabalhos.

 

Curso

O CCT tem como proposta oferecer um espaço de reflexão, intercâmbio, descobertas das especificidades, sistematização de conhecimento e disseminação das práticas de integridade. Além disso, busca facilitar o diálogo entre o mundo empresarial e os agentes públicos relacionados. O primeiro curso do CCT está previsto para começar em abril. Serão duas aulas por semana (terças e quintas) durante quatro meses. O investimento é de R$ 1.426,25 por mês.

O professor José Antônio de Souza Neto, coordenador do curso de Engenharia Civil da EMGE, explicou que o objetivo é ‘preparar cidadãos com sensibilidade para o compliance, bem como de culturas nas empresas que valorizem o comportamento ético e consciente de seus membros’. O professor ressalta ainda que a iniciativa reunirá as melhores práticas no setor de compliance mundial e ajudará na difusão e no desenvolvimento de sistemas e conceitos.

“Para que nós tenhamos uma Nação forte é essencial que as nossas instituições sejam fortes tanto do ponto de vista do poder público, como, evidentemente, das empresas. E as instituições só podem ser fortes se elas forem transparentes. É neste sentido que se deve pensar em compliance”, diz José Antônio. “Foi neste contexto que criamos, com o apoio de nossos parceiros, o Centro de Compliance e Transparência”.  

 

Cônsul

Presente no evento, o cônsul geral do Reino Unido em Belo Horizonte, Thomas Nemes, destacou que o lançamento do CCT coincide com o processo de transformação que o Brasil atravessa.

“Acho que é um momento inédito no Brasil e muito importante para ajudar a concluir a transformação que estamos vivendo hoje. É importante transformar tanto a cultura quanto a capacitação técnica nessa área. Nosso trabalho aqui é promover a interação entre empresas mineiras e britânicas, e a questão do compliance é fundamental. O trabalho é muito grande e o potencial de cooperação é muito bom”, disse.

O vice-presidente do Sistema FIEMG, Sérgio Cavalieri, destacou que o CCT tem a chancela de ensino dos jesuítas. “Não é um centro que tem o objetivo primeiro de lucro, mas sim oferecer conhecimento e formar novos empresários e novos alunos que serão os futuros executivos das empresas com base em valores e princípios”, ressaltou.

"Esse movimento, que pode parecer pequeno, tem um impacto muito grande na direção de termos boas práticas dentro das empresas, logicamente com a ajuda de uma Instituição de ensino com as características que a Dom Helder Câmara tem, com a tradição jesuíta”.  

LEIA TAMBÉM:

Sistemas de compliance são tema de seminário

 


Rômulo Ávila/Redação Dom Total

Comentários